Ataque em Cabul em julho de 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em 23 de julho de 2016 um duplo atentado[1] ocorreu nas imediações da praça Deh Mazang , em Cabul, capital do Afeganistão, quando os manifestantes, na sua grande maioria da minoria étnica dos xiitas hazaras, estavam marchando contra um mega projeto de energia.[2][3] Pelo menos 80 pessoas foram mortas e 260 ficaram feridas.[4][5][2] O grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante assumiu a responsabilidade.

O ataque foi o mais mortal em Cabul desde 2001.[6] Presidente Afegão Ashraf Ghani, em um pronunciamento de televisão ao vivo declarou o dia seguinte (24 de julho) como um dia de luto nacional e prometeu ação contra os culpados.[7][2]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Os hazaras são o terceiro maior grupo étnico do Afeganistão, uma maioria xiita em um país de maioria sunita, formando até 15% da população Afegã.[8] Os hazaras têm sido alvo de discriminação e genocídio desde a criação do atual Afeganistão pelo Emir Abdur Rahman Khan. A comunidade também tem sido perseguida pelo Talibã e milhares foram mortos desde 1990.[9]

O TUTAP (Turcomenistão-Uzbequistão-Tajiquistão-Afeganistão-Paquistão) é um projeto de energia multimilionário apoiado pelo Banco Asiático de Desenvolvimento e pelo Banco Mundial[10] para gerar eletricidade acessível a mais pessoas no Afeganistão.[11] O projeto de avaliação inicial recomendou que o trajeto do TUTAP passasse através da Província de Bamyan,[12] de maioria hazara povoada, localizada no Planalto Central. No entanto, em 2013[7] o projeto foi re-encaminhado para atravessar o Passo de Salang, o que gerou protestos entre os hazaras.[11]

Milhares de pessoas participaram da manifestação em 23 de julho de 2016. Ela começou a oeste de Cabul, em torno de 07:00 (hora local) e terminou na Praça Deh Mazang, onde o governo tinha colocado contêineres e caminhões para impedir os manifestantes da marcha de alcançar o palácio presidencial.[13] Os manifestantes estavam planejando acampar aqui no final do protesto.[7]

Antes de março, o governo havia avisado organizadores da possibilidade de um ataque.[7]

Atentados[editar | editar código-fonte]

Às 14:30, dois terroristas detonaram cintos de explosivos quando os manifestantes estavam voltando para casa no fim das manifestações. As agências de segurança afirmam que tinham relatórios de inteligência que avisaram acerca do movimento dos terroristas.[13] A CNN informou, citando a polícia afegã, que um terceiro homem foi morto antes de detonar sua bomba, embora apenas dois homens tenham sido descritos na declaração de responsabilidade.[14]

Autores[editar | editar código-fonte]

O ataque foi realizado por dois seguidores do Estado Islâmico, de acordo com as afiliadas Agência de Notícias Amaq.[2][13][15] De Acordo com a VOA, o objetivo do ISIS era também avisar aos hazaras paraque parem de lutar ao lado do governo sírio na Guerra Civil.[16]

O Talibã negou envolvimento no ataque.[17]

Referências

  1. «More madness, more bloodshed in Afghanistan». Pakistan Today. 23 July 2016. Consultado em 24 July 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. a b c d «Kabul explosion: Islamic State 'admits attack on Hazara protest'». BBC. 23 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2016 
  3. «داعش مسئولیت حمله به تظاهرات جنبش روشنایی را به عهده گرفت» [ISIS claimed responsibility for the attack to protests lighting movement] (em Persian). BBC Afghanistan. 23 July 2016. Consultado em 23 July 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  4. Harooni, Mirwais (23 July 2016).
  5. "Kabul: At least 80 feared killed, more than 200 wounded in IS claimed bomb attack".
  6. Rasmussen, Sune Engel (23 July 2016). «Isis claims responsibility for Kabul fatal bomb attack on Hazara protesters». The Guardian. Consultado em 23 July 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. a b c d "The Latest: 10-Day Ban on Public Gatherings in Afghanistan".
  8. Sharifi, Karim (24 de julho de 2016). «Afghanistan marks day of national mourning after huge attack». The Seattle Times. Associated Press. Consultado em 24 de julho de 2016 
  9. Ali, Saleem (16 de janeiro de 2012). «Helping the Hazara of Afghanistan and Pakistan». National Geographic. Consultado em 24 de julho de 2016 
  10. «The TUTAP Interconnection Concept and CASA-1000». Center for Strategic and International Studies. 6 de junho de 2014. Consultado em 24 de julho de 2016 
  11. a b Putz, Catherine (10 de maio de 2016). «TUTAP Energy Project Sparks Political Infighting in Afghanistan». The Diplomat. Consultado em 24 de julho de 2016 
  12. «Technical Assistance Consultant's Report» (PDF). Asian Development Bank. Maio de 2013. Consultado em 24 de julho de 2016 
  13. a b c «ISIL-claimed blasts kill dozens in Kabul Hazara protest». Al Jazeera. Consultado em 24 July 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. Visser, Steve; Popalzai, Masoud (23 de julho de 2016).
  15. «IS' 'Amaq News Agency Claims Dual Suicide Bombing in Kabul». SITE Intelligence Group 
  16. «IS Attack Kills 80 During Protest in Kabul». VOA. 23 de julho de 2016. Consultado em 25 July 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  17. «80 killed in twin explosions during Kabul protest, IS claims responsibility». Hindustan Times. AFP Kabul. 23 de julho de 2016. Consultado em 23 de julho de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Afeganistão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.