Ataíde Patreze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Athayde Patreze)
Ir para: navegação, pesquisa

Ataíde de Melo Patreze[1] (20 de dezembro de 1946São Paulo, 3 de março de 2006) foi apresentador de TV, empresário e socialite brasileiro.

Herdeiro de uma fortuna deixada por seu pai, iniciou na televisão nos anos 70, nas redes Tupi, Record e Globo, como auxiliar de Silvio Santos. Na década de 1990 teve seus anos de maior sucesso, com o programa Athayde Patreze Repórter e, em seguida, com Ricos e Famosos, ambos no SBT. Também foi colunista social. No final de sua vida, trabalhava simultaneamente na TV Comunitária de São Paulo e na TV Milênio (TVA).[2]

Seus programas cobriam viagens, festas da alta sociedade (principalmente paulista), eventos do mundo empresarial e entrevistas com ricos e famosos. Foi o criador do bordão "simplesmente um luxo" e utilizava sempre um microfone dourado em seus programas, que afirmava ser "de ouro dezoito quilates".

Patreze possuía apenas um dos rins, pois havia doado o outro ao filho Marcos, nascido de seu primeiro casamento. O outro órgão começou a apresentar problemas com o tempo, obrigando-o a realizar sessões freqüentes de hemodiálise.

Em 2002 Ataíde depôs na CPI do Tráfico de Órgãos na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, pois o mesmo havia declarado semanas antes em um programa da RedeTV! que um médico do Hospital Sírio-Libanês havia lhe oferecido um transplante de rim por 50 mil dólares. Ataíde declarou estar juntando o dinheiro - já havia vendido sua BMW por 25 mil dólares - quando se arrependeu da intenção. Tudo isso está documentado nos anais da CPI de Tráfico de Órgãos e no livro "Transplantes De Orgãos - O Que A Máfia Não Quer Que Você Saiba", de Paulo Pavesi.

Estava à espera de um transplante de coração, sem no entanto encontrar um doador compatível, quando faleceu na noite de 3 de março de 2006 devido a uma arritmia e conseqüente parada cardíaca, após uma dessas sessões.[3]

Notas

  1. Pela grafia arcaica, Athayde de Melo Patreze. Segundo as normas onomásticas da língua portuguesa, os nomes de pessoas falecidas devem ser referenciados conformo as regras ortográficas vigentes.[carece de fontes?]
  2. «"Atayde Patreze espera um novo rim"». Gazeta Digital. Consultado em 5 de Março de 2014 
  3. «"Morre aos 64 anos o apresentador de TV Athayde Patrese"». Folha de S. Paulo. Consultado em 5 de Março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]