Sulídeos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Atobá)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se foi redirecionado(a) para esta página e não é a que procura, consulte: Alcatraz (desambiguação).
Como ler uma caixa taxonómicaSulidae
Morus bassanus no arquipélago de Helgoland, na Alemanha.

Morus bassanus no arquipélago de Helgoland, na Alemanha.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Suliformes[1]
Pelecaniformes
Família: Sulidae
Reichenbach, 1849
Géneros
Morus
Sula
Papasula
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Sulídeos
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Sulídeos

Os sulídeos (do latim científico Sulidae) constituem uma família de aves sulififormes[1] (antes pelecaniformes), que compreende 3 géneros e 10 espécies de aves marinhas conhecidas como alcatraz, atobá ou ganso-patola. Os sulídeos têm distribuição geográfica vasta, podendo ser encontrados em todos os oceanos, excepto na região da Antártida.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os atobás são aves de médio a grande porte, com 64 a 100 centímetros de comprimento e peso de até 3,6 quilogramas. Algumas espécies apresentam dimorfismo sexual, sendo as fémeas maiores e mais pesadas que os machos. A plumagem é muito variável de espécie para espécie, mas geralmente é em tons de castanho e preto, sendo branca na zona ventral. As asas são longas e adaptadas a longos voos e posicionadas na metade posterior do corpo. O bico tem forma cónica e bordos serrados.

Os adultos não têm penas na zona da face e garganta, que pode ser muito colorida, tal como as patas, em tons de azul, encarnado ou laranja. Os olhos estão localizados na frente da cara, o que confere visão binocular aos atobás. As patas estão localizadas na metade posterior do corpo e terminam em pés totipalmados (que assentam na totalidade no solo), com dedos unidos por membrana interdigital. Os atobás são aves marinhas piscívoras que se alimentam de carapaus, sardinhas, anchovas e outros pequenos peixes oceânicos.

Os atobás procriam em colónias mistas, junto com outras espécies de aves marinhas, frequentemente fragatas e/ou cormorões. As colónias podem localizar-se em linhas de costa ou ilhas oceânicas isoladas. Os atobás formam casais monogâmicos na época de reprodução, mas a escolha de par e local de nidificação varia de ano para ano. Após um ritual de acasalamento elaborado, destinado sobretudo a assegurar o território do casal a partes terceiras, os ovos são incubados por 42-55 dias. Os juvenis nascem totalmente dependentes dos progenitores e permanecem no ninho durante 14 a 22 semanas, após o que continuam a receber cuidados parentais por mais nove meses. A maturidade sexual e plumagem adulta são adquiridas entre os 2 e os 6 anos de vida. Os atobás podem viver entre 10 a 20 anos.

Nas zonas tropicais, os atobás podem ser caçados pelos ovos, penas e carne e explorados comercialmente como fonte de guano, especialmente no Peru. A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) lista duas espécies de sulídeos: o atobá-de-abbott (Papasula abbotti), em perigo crítico de extinção, e o atobá-do-cabo (Morus capensis), como vulnerável.

Na taxonomia de Sibley-Ahlquist, baseada em estudos de DNA, os sulídeos são reposicionados na ordem Ciconiiformes. Os primeiros fósseis atribuídos ao grupo são: Sula ronzoni, que surge em formações geológicas do Oligocénico de França; e o Morus magnus, do Miocénico superior da Califórnia.

Os diversos géneros de sulídeos distinguem-se por critérios osteológicos e estão presentes, enquanto linhagens distintas, desde o Miocénico.

Espécies[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Hamerkop, Shoebill, pelicans, boobies & cormorants». IOC World Bird List (v 6.4) (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2016