Represa Paulo de Paiva Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Represa Juqueri (Paiva Castro)
Represa Paulo de Paiva Castro.jpg
Localização
Localização São Paulo, Brasil Editar isso no Wikidata
Divisão Franco da Rocha e Mairiporã
Rio Juqueri
Dados gerais
Data de inauguração 1972
Tipo barragem
Barragem Paulo de Paiva Castro em Franco da Rocha.

A Represa Paulo de Paiva Castro, também conhecida como Represa do Juqueri é formada pela barragem localizada no rio Juqueri, no município paulista de Franco da Rocha e foi construída pela Sabesp a fim de fornecer água para a cidade de São Paulo.

A barragem é parte em terra compactada e parte em concreto. Seu corpo principal é em terra compactada, tendo toda a montante protegida por matacões de pedra. Olhando para a montante, a sua direita temos um vertedouro em concreto armado, cuja saída da água está obstruída por pedregulhos, funcionando apenas como um escoadouro de emergência em caso de uma grande enchente.

A esquerda da barragem existem duas comportas de aço que abrem até o fundo da represa, mantidas sempre fechadas. Entre as comportas, uma válvula de descarga permite a saída de água para jusante de forma que o rio Juqueri continue em seu trajeto rumo ao município vizinho de Franco da Rocha.

O fluxo de água que chega a represa é controlado a montante na Represa Atibainha, que também é controlada pela Sabesp e que fornece água ao rio Juqueri que anteriormente passa pela Barragem Sete Quedas de Mairiporã.

Represa Paulo de Paiva Castro

A maior parte da água que sai da represa acaba sendo coletada pelos dutos da Estação Elevatória Santa Inês, que bombeia a água ao topo da Serra da Cantareira onde se situa a Barragem de Águas Claras. Esta água por sua vez é aduzida por gravidade à Estação de Tratamento de Água do Guaraú, onde é tratada e posteriormente distribuída à região metropolitana de São Paulo.

É uma das atrações turísticas do município de Franco da Rocha e Mairiporã, com uma área aproximada de 5,1km².

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

  • A água da barragem sepultou mais de 300 olarias, que representavam grande parte do lucro financeiro de Mairiporã, atualmente só existe uma. Pelo fato das olarias estarem submersas, atualmente o maior lucro do município é da locação de chácaras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]