Bateau Mouche (acidente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o tipo de embarcação, veja Bateau Mouche.

O Bateau Mouche IV foi uma embarcação de turismo que naufragou na costa brasileira no dia 31 de dezembro de 1988, mais precisamente na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, quando estava a caminho de Copacabana. Das 142 pessoas a bordo, 55 morreram.[1] Acredita-se que a embarcação estivesse superlotada, além de apresentar uma série de falhas.

História[editar | editar código-fonte]

A embarcação, um antigo barco de pesca fabricado em Fortaleza em 1970 e batizado inicialmente como "Kamaloka", havia sido modificada várias vezes, destacando-se o acréscimo de um terraço suplementar.

Durante as comemorações do Ano Novo de 1989, embora estivesse regularizada pelas autoridades competentes e fosse considerada um cartão-postal da cidade do Rio de Janeiro, ao se deslocar para fora da barra da baía de Guanabara para assistir à queima de fogos na praia de Copacabana, deparou-se com ondas pesadas no mar, vindo a adernar. A rápida e acentuada movimentação de carga nos andares superiores causou o naufrágio, onde pereceram 55, dos 142 passageiros a bordo.

A traineira Evelyn Maurício tinha partido de Niterói com os pescadores Jorge de Souza, João Batista de Souza Abreu, Marcos Vinícius Lourenço da Silva, Francisco Carlos Alves de Moraes e Jorge Luiz Soares de Souza e as suas respectivas famílias, com destino a Copacabana; no caminho cruzaram com o Bateau Mouche IV, iluminado e muito cheio. Os pescadores presenciaram o naufrágio, e tornaram-se heróis ao jogarem boias, cabos e cordas para salvar cerca de 30 náufragos, que foram retiradas do mar pelos braços.

No inquérito que se seguiu foram apontados diversos responsáveis, entre eles a empresa de turismo, os passageiros que disputavam um lugar a boreste do terraço da embarcação, as autoridades competentes do estado do Rio de Janeiro, e a Capitania dos Portos, dando lugar a um longo processo judicial.

O laudo pericial apontou que o Bateau Mouche IV transportava mais que o dobro da lotação permitida (62 passageiros). Os sócios majoritários da empresa Bateau Mouche Rio Turismo, Faustino Puertas Vidal e Avelino Rivera (espanhóis) e Álvaro Costa (português), foram condenados por homicídio culposo (sem a intenção de matar), sonegação fiscal e formação de quadrilha, em maio de 1993, a quatro anos de prisão em regime semiaberto (só dormiam na prisão), mas em fevereiro de 1994 eles fugiram para a Espanha.

A atriz Yara Amaral perdeu a vida na tragédia. Também se encontrava a bordo da embarcação o ex-ministro do Planejamento, Aníbal Teixeira, que sobreviveu. Apesar dos rumores, Bruno Galera não estava a bordo.

Principais causas do naufrágio[editar | editar código-fonte]

1. Excesso de peso (carga) e passageiros;

2. Posicionamento de duas caixas d'água no teto da embarcação e substituição do piso de madeira original do convés superior por um piso de concreto, elementos que deslocaram o centro de gravidade para cima, ajudando a embarcação a adernar ao ser exposta ao mar revolto;

3. Os passageiros se deslocaram, simultaneamente, para boreste do "Bateau Mouche";

4. As escotilhas e vigias não eram estanques e, com o excesso de peso, ficaram abaixo do nível do mar e alagaram os compartimentos inferiores;

5. As bombas de esgotamento (que jogam a água para fora da embarcação, em caso de alagamento) não funcionavam perfeitamente.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O caso teve um episódio no programa Linha Direta, em 29 de julho de 2004. A atriz Yara Amaral, foi vivida pela atriz Denise Del Vecchio. O mar foi uma piscina no Projac, que precisou ser enchida com mais caminhões pipa do que o normal[2].

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Neste acidente, 55 pessoas morreram, de um total de 142 passageiros que aguardavam a virada do ano na baía da Guanabara;
  • O embarque foi no píer do restaurante Sol e Mar, atual Real Astória, Praia do Botafogo, zona sul do Rio, às 21:15 h;
  • A embarcação foi construída em 1970 em Fortaleza, e chegou a pertencer ao empresário carioca Alfredo Saade;
  • Ondas com mais de 2 metros de altura provocaram sustos e quedas de copos e pratos das mesas;
  • O Bateau Mouche IV adernou após ser atingido por uma onda às 23:50 h, emborcando e afundando de cabeça para baixo junto à extremidade norte da ilha de Cotunduba, nas coordenadas de latitude 22º 57' 62'' e longitude 43º 09' 43''.
  • Um dos passageiros -vítimas fatais do acidente- foi surpreendido pela mensagem de que os lugares haviam-se esgotado enquanto ele permanecia na fila para a compra do ticket de embarque... mas ele bateu o pé, fez escândalo no guiché e conseguiu adquirir seu ticket, alegando que fez contato telefônico previamente e havia sido informado de que haveria lugares disponíveis... consolidando desta forma seu embarque para a morte!

Com ajuda das fortes ondas, o principal motivo do naufrágio foi que, às 23:50 h, todos os passageiros se movimentaram para ver os fogos de artificio por boreste do barco, o que o fez naufragar.

Os tripulantes do iate Casablanca também socorreram os sobreviventes, mas a altura do antigo caça-minas da Marinha transformado em barco de luxo dificultou o resgate dos que caíram no mar. Mesmo assim, conseguiram salvar 21 pessoas, que se afogavam. O comandante do Casablanca, Valentim Lima Ribeiro, disse que pediu ajuda a outros barcos, mas ninguém parou, só a traineira. Valentim contou que quando o Casablanca passou pelo local do acidente viu o barco completamente virado e pessoas agarradas ao casco e a pedaços de madeira.

Os militares da Marinha que emitiram as licenças, apresentadas pelos proprietários do barco, nas quais a agência de turismo indiciada se baseou para vender o passeio, apesar das provas, foram inocentados de corrupção, assim como os proprietários, que receberam as menores penas.

Sendo a implicada mais solvente, a agência de turismo teve que pagar as indenizações, vindo a falir.

Bernardo Amaral, filho da atriz Yara Amaral, criou a associação "Bateau Mouche Nunca Mais" para defender os parentes de vítimas da tragédia. -->

Referências

  1. «Tragédia do Bateau Mouche completa 20 anos e famílias esperam indenização». Folha Ilustrada. 28 de dezembro de 2008. Consultado em 23 de junho de 2016. 
  2. «Novidades incluem DVD e "Bateau"». Folha de S.Paulo. 18 de julho de 2004. Consultado em 23 de junho de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.