Brumário (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Brumário"
Canção de Lulu Santos
do álbum Popsambalanço e Outras Levadas
Lançamento 1989
Gênero(s) Rock brasileiro, Pop, Samba e Axé
Duração 3:33
Gravadora(s) BMG Ariola
Composição Lulu Santos
Produção Lulu Santos
Faixas de Popsambalanço e Outras Levadas
Eu não
(02)

"Brumário" é uma canção de rock brasileiro, gravada pelo cantor e compositor brasileiro Lulu Santos como faixa de abertura do álbum Popsambalanço e Outras Levadas, em 1989.

Composição[editar | editar código-fonte]

A música contém trocadilhos inspirados nas biografias do general francês Napoleão Bonaparte e do filósofo alemão G. W. F. Hegel. A expressão "dia 19" faz referência à sequência do 18 de Brumário, ocasião em que Napoleão efetivou o golpe de Estado de 1799. A "hiena sem covardia" faz referência à vitória de Napoleão na Batalha de Iena, em 1806. A referência a Hegel depreende-se do uso do termo "dessemelhante", que consta em alguns comentários à dialética hegeliana[1], e do fato de que Hegel lecionava em Iena na época dessa batalha e ficou admirado com a figura do general francês[2].

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Obra De Arte - André Teixeira

Baixo - Décio Crispim

Co-produtor - Flávio Sena

Bateria - Marcelo Costa

Teclados - Sacha Amback

Percussão - Marcos Amma

Percussão [Cuíca] - Nenê

Guitarra - Lulu Santos

Outras versões[editar | editar código-fonte]

A cantora brasileira Ivete Sangalo cantou a música no álbum Pode Entrar: Multishow Registro, em parceria com Lulu Santos. Nesse álbum, o estilo da canção é axé e a música figura como faixa de número 5, enquanto no DVD é a faixa de número 3. A versão de Ivete Sangalo foi bem recebida pelos criticos. O blogueiro Sidney Resende disse: " A cantora baiana manda bem ao ressuscitar "Brumário", ao lado de seu compositor, Lulu Santos. Apesar do andamento axé, a canção, que é uma delícia de qualquer maneira, desce bem". Já o Blog do Miguel Arcanjo disse "A música de Lulu Santos ganha a baianidade típica de Ivete, por mais que a guitarra pesada ainda soe. Apesar do domínio da percussão, a música ainda é de Lulu, sobretudo quando sua voz, inconfundível, entra".[3]

Referências