Círculo vicioso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os termos círculo virtuoso e círculo vicioso, também conhecidos respectivamente como ciclo virtuoso e ciclo vicioso, referem-se a complexas cadeias de eventos que se reforçam por meio de um ciclo de retroalimentação (ou ciclo de feedback).[1] Um círculo virtuoso têm resultados favoráveis, enquanto um círculo vicioso sempre têm resultados prejudiciais.

Ambos os círculos são cadeias complexas de eventos sem tendência para o equilíbrio (social, econômico, ecológico, etc.) - pelo menos no curto prazo. Ambos os sistemas de eventos possuem ciclos de retroalimentação em que cada iteração do ciclo reforça a anterior, fazendo, neste caso, um ciclo infinito (feedback positivo). Esses ciclos continuarão na direção de seu evento inicial até que um fator externo intervenha e interrompa o ciclo.

Um exemplo conhecido de círculo vicioso em economia é a hiperinflação.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Ciclo vicioso na crise do subprime[editar | editar código-fonte]

A crise do subprime é um grupo complexo de círculos viciosos, tanto em sua gênese quanto em seus múltiplos resultados, principalmente a grande recessão do final dos anos 2000. Um exemplo específico é o círculo vicioso relacionado à habitação. À medida que os preços dos imóveis caem, mais proprietários serão "submersos", quando o valor de mercado de uma casa cai abaixo do valor da hipoteca. Isso fornece um incentivo para se afastar de casa, aumentando a inadimplência e as execuções hipotecárias. Isso, por sua vez, reduz os valores das moradias ainda mais devido ao excesso de oferta, reforçando o ciclo vicioso.[2]

As execuções hipotecárias reduzem o fluxo de caixa para os bancos e o valor dos títulos lastreados em hipotecas amplamente mantidos pelos bancos. Os bancos incorrem em perdas e requerem fundos adicionais, também designados por “recapitalização”. Se os bancos não forem capitalizados o suficiente para emprestar, a atividade econômica desacelera e o desemprego aumenta, o que aumenta ainda mais o número de execuções hipotecárias, assim alimentando o ciclo vicioso.

O economista Nouriel Roubini descreveu os círculos viciosos dentro e através do mercado imobiliário e dos mercados financeiros durante entrevistas com Charlie Rose em setembro e outubro de 2008.[3][4][5]

Projetando círculos ecológicos virtuosos[editar | editar código-fonte]

Ao envolver todas as partes interessadas na gestão de áreas ecológicas, um círculo virtuoso pode ser criado onde a ecologia melhorada incentiva as ações de manutenção e melhoria da área.[6]

Outras visões[editar | editar código-fonte]

Em lógica, e na matemática, as definições impredicativas, nas quais a expressão definidora se refere a um domínio de que a expressão a definir é um elemento, são viciosamente circulares. Foi Henri Poincaré quem primeiro usou a expressão "cercle vicieux" na rejeição das definições deste tipo particular.

Uma definição é viciosamente circular quando o termo a ser definido reaparece na definição, ou quando a noção que está a ser definida está implicitamente contida na definição. Um raciocínio é condenado como viciosamente circular quando a conclusão está indevidamente escondida nas premissas, ou é indevidamente necessária para se chegar à conclusão a partir das premissas. Um círculo virtuoso é uma definição ou um argumento cuja circularidade é irrelevante para o fim em vista. Nestes casos, ao contrário do círculo vicioso, o reaparecimento do termo é virtuoso na medida em que, apesar disso, tem um uso restrito, dependendo dos fins para os quais a identificação for necessária.

O ponto de partida e a conclusão carecem de demonstração. Um é demonstrado pelo outro, formando assim um círculo.

Referências

  1. Webel, Charles; Galtung, Johan (23 de fevereiro de 2007). Handbook of Peace and Conflict Studies (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  2. Feldstein, Martin (18 de novembro de 2008). «How to Help People Whose Home Values Are Underwater». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  3. «Charlie Rose - A discussion about the takeover of Fanny Mae and Freddie Mac». web.archive.org. 16 de janeiro de 2013. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  4. «Charlie Rose - A conversation with Nouriel Roubini». web.archive.org. 1 de abril de 2013. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  5. «Charlie Rose - Nouriel Roubini's Warning». web.archive.org. 13 de maio de 2011. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  6. «Designing virtuous socio-ecological cycles for biodiversity conservation». Biological Conservation (em inglês): 9–16. 1 de março de 2016. ISSN 0006-3207. doi:10.1016/j.biocon.2015.12.022. Consultado em 11 de novembro de 2020