Cadernos de Lanzarote

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Cadernos de Lanzarote
Autor(es) José Saramago
Idioma português
País Portugal Portugal
Gênero Autobiografia
Editora Editorial Caminho
Lançamento 1993-1995; 2018
Páginas 1º volume (1994): 177;

2º volume (1995): 268;
3º volume (1996): 226;
4º volume (1997): 271;
5º volume (???): ???;

Cadernos de Lanzarote são um conjunto de seis diários escritos entre 1993 e 1998, onde o escritor José Saramago narra episódios do seu dia-a-dia doméstico, faz críticas literárias, reflexões filosóficas e trata de outros temas.

Os dois primeiros volumes ocupam-se predominantemente com os sinais da fortuna do nome próprio do escritor, que lhe preenchem o dia-a-dia:

  • cartas de leitores ou convites;
  • testemunhos directos ou indirectos;
  • conferências e jantares;
  • prémios e recepções[1].

Em Outubro de 2018 será lançado o sexto caderno, encontrado pela viúva Pilar del Rio num computador antigo[2].

Referências

  1. Revista Colóquio/Letras n.º 143/144 (Jan. 1997). O Espelho Perguntador, pág. 74.
  2. «"Último caderno de Lanzarote", livro inédito de José Saramago, será publicado em outubro - | José Saramago». | José Saramago. 3 de julho de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.