Cajuína

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cajuína
Cajuínas em 2019.
Tipo Não alcoólica
Origem  Brasil
Cor Amarelo âmbar cristalina
Sabor Levemente doce

A cajuína é uma bebida típica do nordeste brasileiro, muito produzida e consumida no Maranhão, Ceará e principalmente no Piauí,[1] onde é considerada Patrimônio Cultural do Estado e símbolo cultural da cidade de Teresina.[2] Preparada a partir do suco de caju, sem álcool, clarificada e esterilizada, apresenta uma cor amarelo-âmbar resultante da caramelização dos açúcares naturais do suco.[3] Pode ser preparada de maneira artesanal ou industrializada.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A invenção da cajuína é atribuída a Rodolfo Teófilo
Cajuína orgânica
Em um supermercado no Piauí.

Foi inventada em 1900 pelo farmacêutico Rodolfo Teófilo,[5] que pretendia, com ela, combater o alcoolismo. Ele a via como um substituto benévolo da cachaça.

Processo de fabricação[editar | editar código-fonte]

Cajuína com caju mesmo.jpg

A produção da cajuína é feita através dos seguintes processos[6]:

Extração do suco[editar | editar código-fonte]

O mais recomendado é o uso de uma prensa descontínua, do tipo parafuso. As partes que entram em contato com os pedúnculos jamais podem ser fabricadas em aço-carbono. Neste caso, recomendam-se cilindros e placas em aço inoxidável.

Clarificação[editar | editar código-fonte]

A clarificação é realizada utilizando-se a gelatina comercial grau alimentício adicionada na forma de solução aquosa em uma concentração a 10%. Alternativamente, essa etapa pode ser feita através de membrana de ultrafiltração, sem uso de proteína animal. [7]

Filtração[editar | editar código-fonte]

Pode ser realizada utilizando-se filtros de tecido de algodão, feltro ou de um material conhecido comercialmente como TNT (tecido não tecido).

Tratamento térmico[editar | editar código-fonte]

As garrafas devidamente cheias e fechadas são submetidas a um banho-maria, para promover a esterilização comercial do produto, aumentando sua durabilidade, e a caramelização dos açúcares, que faz com que o produto atinja a a coloração amarelo-âmbar, característica da cajuína.

Homenagem[editar | editar código-fonte]

O cantor e compositor Caetano Veloso compôs uma música intitulada "Cajuína", em que cita a bebida.[8]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Cajuína

Referências

  1. http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&id=1022:cajuina
  2. Cajuína do Piauí é patrimônio cultural brasileiro CODEVASF - Acessado em 23 de agosto de 2016
  3. Júlia Morim, Cajuína, Fundação Joaquim Nabuco, Biblioteca Blanche Knopf. Visitado em 26 de setembro de 2017.
  4. Barbosa Nunes (29 de janeiro de 2016), Maçonaria, Piauí e Cajuína, Diário da Manhã. Visitado em 26 de setembro de 2017.
  5. Seara da Ciência - Acessado em 3 de junho de 2010
  6. https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/748513
  7. «Processo de estabilização de suco de caju utilizando a enzima tanase associada à microfiltração - Portal Embrapa». www.embrapa.br. Consultado em 8 de setembro de 2017 
  8. Moreno, Jorge Bastos. «Caetano e a inspiração de "Cajuína"». Blog do Moreno - O Globo. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.