Castelo de Almada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Castelo de Almada
Castelo de Almada.JPG
Castelo de Almada, Portugal
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção Afonso I de Portugal (1170)
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público Não

O Castelo de Almada localiza-se na freguesia e cidade de Almada, no distrito de Setúbal, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Povoação estrategicamente localizada na margem esquerda do rio Tejo, fronteira a Lisboa, o seu atual nome remonta à ocupação muçulmana, quando se chamou al-Madan (mina de ouro ou prata), aludindo à atividade extrativa mineral praticada na região, à época.

O castelo medieval[editar | editar código-fonte]

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, no âmbito da conquista de Lisboa aos mouros (1147), foi assaltada e conquistada pelas forças combinadas de D. Afonso Henriques (1112-1185) e dos cruzados. Reforçadas e ampliadas as suas defesas, o soberano outorgou-lhe Carta de Foral (1170).

No reinado de D. Sancho I (1185-1211), este outorgou à vila de Almada o seu segundo foral (1190). À época, as forças do Califado Almóada sob o comando do califa Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur, haviam reconquistado o Algarve e, avançando para o norte, arrancavam ao domínio português, sucessivamente, o Castelo de Alcácer do Sal, o Castelo de Palmela e o Castelo de Almada (1191), arrasando-o. O soberano português reconquistou a vila de Almada em 1195, reconstruíndo-lhe o castelo. Entretanto, só após a Batalha de Navas de Tolosa (1212), quando se registou uma vitória decisiva dos cristãos peninsulares contra os mouros, é que foram reconquistadas as terras perdidas para além das linhas de fronteiras que se estendiam do rio Tejo até Évora.

Em 24 de Fevereiro de 1255, o rei D. Afonso III (1248-1279) reconfirmou à Ordem de Santiago, na pessoa de seu Mestre, D. Paio Peres Correia e de seu Comendador, a posse dos castelos anteriormente doados por D. Sancho I e confirmados por D. Afonso II (1211-1223), de Alcácer do Sal, Almada, Arruda e Palmela.

Durante a crise de 1383-1385, no contexto do cerco à cidade de Lisboa, Almada foi cercada pelas forças de Castela, tendo o Condestável D. Nuno Álvares Pereira tentado libertá-la em Novembro de 1384, sem sucesso.

Do século XV aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos séculos esta estrutura foi sucessivamente ampliada e reforçada, como por exemplo a construção, à época de D. Manuel I (1495-1521), de uma torre no setor sul da muralha.

No contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), durante o combate de Cacilhas (23 de Julho de 1833), esta foi a derradeira posição miguelista a render-se às forças liberais.

Hoje, ocupada pelo Destacamento de Intervenção de Setúbal da Guarda Nacional Republicana, conserva parte das suas antigas muralhas. Aberto ao público, o jardim do castelo é um ponto turístico e de lazer.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]


Castelos de Portugal :: Distrito de Setúbal

Alcácer do Sal :: Almada :: Palmela :: Santiago do Cacém :: Setúbal :: Sesimbra :: Sines

Ver também: Fortalezas de Portugal


Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.