Catasetum purum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCatasetum purum
Catasetum purum (as Catasetum semiapertum) - Edwards vol 20 pl 1708 (1835).jpg
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Equisetopsida
Divisão: Tracheophyta
Subdivisão: Euphyllophyta
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Tribo: Cymbidieae
Género: Catasetum
Espécie: Catasetum purum

Catasetum purum é uma espécie de planta do gênero Catasetum e da família Orchidaceae.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O seguinte sinônimo já foi catalogado: [1]

  • Catasetum semiapertum Hook.


Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie epífita e herbácea.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Erva epífita com pseudobulbos de 8–12 × 2,5–4 cm, oblongo-cônicos, agregados, sulcados e transversalmente anelados, base atenuada, ápice aguçado. As folhas tem 30–40 × 4–6 cm, membranáceas, oblongo-lanceolares, atenuadas em pseudo-pecíolo canaliculado, ápice aguçado, bordas onduladas.[1]

Possui uma inflorescência de 20–50 × 5–7 cm, cm, basal, racemosa, ereta e rija, frequentemente recurvada com o peso das flores, florífera na parte terminal ou desde o meio para cima, multiflora. Tem pedicelo de 25–35 mm, patente até reflexo, sinuoso. Suas brácteas têm 8–12 × 4 mm, apressas, triangular, ápice aguçado. As flores são não ressupinadas, patentes verde-claras, um tanto tombadas, odoríferas, muito raramente com alguma mancha ou pinta, de regra são unicolores. As sépalas, de 25–27 × 6–7 mm, são levemente côncavas, atenuadas, reflexas, lingular-oblongadas, aguçadas. As pétalas, de 20–45 × 8–10 mm, reflexas, raramente encurvadas ou apenas patentes, oblongadas, menos côncavas, atenuadas, levemente oblíquas. Possui labelo de 15–18 × 12–15 mm, carnoso, rijo, ovoide, saquiforme esférico (15–18 mm prof.), trilobado, óstio de âmbito oblongo-pandurado; lobos laterais encurvados, arredondados, margens denticuladas até ciliadas; o lobo terminal curto, arredondado e voltado para traz, inteiro. Coluna 10–13 mm, quase semi-obovoide, no ápice longamente rostrada e com o rostro um pouco encurvado, triangularmente acuminado. Antenas 12–15 mm, estendidas paralelamente para frente e arcadas, para cima. Antera esverdeada, políneas, amarelada.[1]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil. A lista foi publicada em 13 de junho de 2005 por intermédio do decreto estadual nº 1.499-R.[2]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é endêmica do Brasil e encontrada nos estados brasileiros de Alagoas, Bahia,[3]Espírito Santo, Pernambuco, Sergipe[4] e São Paulo.[1] A espécie é encontrada no domínio fitogeográfico de Mata Atlântica, em regiões com vegetação de mata ciliar e restinga.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

Contém texto em CC-BY-SA 4.0 de Petini-Benelli, A. 2020. Catasetum in Flora do Brasil 2020. [1]

Referências

  1. a b c d e f g h «Catasetum purum Nees & Sinnings». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. «IEMA - Espécies Ameaçadas». iema.es.gov.br. Consultado em 12 de abril de 2022 
  3. Vieira, Tiago Luiz; Barros, Fábio de; Roque, Nádia (setembro de 2014). «Orchidaceae no município de Jacobina, estado da Bahia, Brasil». Hoehnea: 469–482. ISSN 0073-2877. doi:10.1590/S2236-89062014000300012. Consultado em 3 de junho de 2022 
  4. Monteiro, Silvana Helena Nascimento; Carregosa, Tamires; Santos, Luiz Aquino Silva; Nascimento Júnior, José Elvino do; Prata, Ana Paula do Nascimento (junho de 2012). «Survey of orchidaceae from the State of Sergipe, Brazil». Biota Neotropica (em inglês): 167–174. ISSN 1676-0611. doi:10.1590/S1676-06032012000200016. Consultado em 3 de junho de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]