Catelo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Scota (à esquerda) com Catelo (à direita) viajando do Egito, como descrito em um manuscrito do Século XV Scotichronicon de Walter Bower


Catelo (Gaythelos, Gathelo ou Goídel Glas) era o filho do Rei de Atenas Cécrope I Versão de John de Fordun [1] ou neto do príncipe cita Fénius Farsaid segundo o Lebor Gabála Érenn. Em ambos os casos e tido como ancestral do povo gaélico [2]

Versão de John de Fordun[editar | editar código-fonte]

A versão escocesa do conto de Catelo e Scota foi redigida por John de Fordun . Este, aparentemente, não se baseou no principal conto irlandês o Lebor Gabála. Fordun refere-se a várias fontes, e sua versão é uma tentativa de sintetizar esses vários contos em uma única história. Na versão de Fordun, Gaythelos era rei de Atenas, viajou para o Egito, onde casou com Scota, a filha do faraó Cingri, e depois radicou-se na Hispânia [1][3]

Ele foi considerado o fundador do Porto ou de Betanzos por autores antigos [4]. Dizem que Catelo quando chegou aportou num local que chamou de Porto Catelo (posteriormente chamada de Portus Cale pelos romanos) e que mais tarde deu o nome a Portugal. Ao chegar começou a fundar povoações e cidades que estendeu até à Galiza. Mais tarde, Catelo escolheu uma pedra, que seria conhecida como a pedra fadada onde se sentava e fazia de tribunal, atendia em audiência os seus vassalos e julgava as causa do seu reino,que numa versão da lenda se chamou de Escocia, em homenagem a sua esposa Scota, noutros Galiza [5].

Deste reino partiram muitos anos depois várias das invasões da Irlanda relatadas no Lebor Gabála Érenn.[6].

Na mitologia irlandesa e escocesa Catelo é o criador das línguas gaélicas, e antepassado dos gaélicos [7][8].

Versão do Lebor Gabála Érenn[editar | editar código-fonte]

Já a narrativa Lebor Gabála Érenn que foi um relato fictício da origem dos Gaélicos como os descendentes do príncipe cita Fénius Farsaid escritos por monges cristãos do Século XI, conta que Fénius seria um dos setenta e dois líderes tribais que construíram a Torre de Babel , e que Catelo (Goídel Glas) seria o filho de Nel (que seria filho de Fénius) com Scota (filha de um faraó do Egito) [2].

Credita a com Catelo a criação do gaélico (proto-língua irlandesa), a partir do momento que surgiram os setenta e dois idiomas durante a confusão de línguas [9]. Seus descendentes, os gaélicos, passam por uma série de provações e tribulações que são claramente inspiradas naquelas dos israelitas no Antigo Testamento. Eles florescem no Egito na época de Moisés e a deixaram durante o Êxodo; vagueiam o mundo por 440 anos antes de se estabelecerem na Península Ibérica . Lá um descendente de Goídel, Breogán funda uma cidade chamada Brigantia, e constrói uma torre da qual de seu topo seu filho Ith vislumbra a Irlanda. Brigantia refere-se a Corunha na Galécia (que era chamada pelos romanos de Brigantium) [10] a lenda da torre de Breogán é provavelmente baseada na Torre de Hércules (que foi construído na Corunha pelos romanos) [11].

Árvore Genealógica segundo John de Fordun[editar | editar código-fonte]




Cécrope I
Faraó Cingri
Catelo
Scota
Emeco
Ibero
Metelo


  • Árvore genealógica baseada nos Proceedings of the Royal Irish Academy[1]



Referências

  1. a b c Proceedings of the Royal Irish Academy Volume 8 (em inglês) Royal Irish Academy, 1864 p. 382
  2. a b Robert Alexander Stewart Macalister, (1939), Lebor gabála Érenn: The book of the taking of Ireland, Dublin: Irish Texts Society by the Educational Co. of Ireland p. 140
  3. John of Fordun Chronicle of the Scottish nation (em inglês), Edinburg, Edmoston and Douglas, 1872, pp. 6-12
  4. Joseph Fr. Michaud,Louis Gabriel Michaud Biographie universelle, ancienne et moderne, ou, Histoire par ordre alphabétique de la vie publique et privée de tous les hommes qui se sont fait remarquer par leurs écrits, leurs actions, leurs talents, leurs vertus ou leurs crimes: ouvrage entièrement neuf, Volume 54 (em francês) Michaud, 1832 p. 312
  5. Antonio de Villasso Nobiliarchia Portugueza Villela, 1676 p. 51
  6. John of Fordun Chronicles of the Picts, chronicles of the Scots, and other early memorials (em inglês) Oxford University 1867 p. 380
  7. William Beal Britain and the Gael (em inglês) Londo, Witthaker and Co, 1860 p. 23
  8. Fernando Pereira González O Príncipe Gatelo fundador de Brigancia: Un precursor de Breogán na Historiografia Galega (em português) in Gallaecia (Revista do Departamento de Pré-história e Arqueologia da Faculdade de Geografia e História da Universidade de Santiago de Compostela) nº 21 pp. 317-343, 2002, ISSN 0218653
  9. Robert Alexander Stewart Macalister, (1939), Lebor gabála Érenn: The book of the taking of Ireland Vol. 2, Dublin: Irish Texts Society by the Educational Co. of Ireland p.13, §107 "Foi Gaedel Glas quem moldou a língua gaélica dentre as setenta e duas .."; Macalister acrescenta na página 5: "Keating a atribui a um outro Gaedel que seria filho de Ethor"
  10. Harry Mountain The Celtic Encyclopedia, Volume 2 (em inglês) Universal Publishers, 1998 p.380 ISBN 9781581128918
  11. Macalister Lebor gabála Érenn: The book , Volume 2, pp. 79 (§ 165)
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia celta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.