Chacina dos Portugueses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Chacina dos Portugueses, como ficou conhecida na mídia brasileira, foi um assassínio em massa ocorrido em Fortaleza no dia 12 de agosto de 2001 que resultou na morte de seis empresários portugueses: António Correia Rodrigues, Vitor Manuel Martins, Joaquim Silva Mendes, Manuel Joaquim Barros, Joaquim Fernandes Martins e Joaquim Manuel Pestana da Costa.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O crime foi planejado por Luís Miguel Militão[nota 1], também de nacionalidade portuguesa, que convidou os empresários para visitar a cidade. A motivação do crime foi financeira.

Os turistas foram recebidos no aeroporto por Luís Militão e Manoel Cavalcante, que convenceram os seis a dispensar a agência de turismo,[1] e irem direto para uma barraca na Praia do Futuro, com a promessa de que encontrariam mulheres. Os portugueses foram rendidos e presos enquanto Militão usava os cartões deles para sacar dinheiro. As execuções se iniciaram depois da saída de Luís. Foram executados a pauladas na cabeça e os corpos, ainda vivos, foram enterrados na cozinha do restaurante.

Militão foi preso no dia 23 de agosto, quando a Polícia Federal revelou que 46 mil Reais tinham sido sacados das contas dos empresários.

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Em 21 de fevereiro de 2002 o julgamento dos assassinos foi concluído. Luís Miguel Militão, cidadão português a residir no Brasil para onde havia emigrado, foi condenado a 150 anos de prisão. Manoel Lourenço, Leonardo Sousa Santos e José Jurandir Pereira Ferreira, cidadãos brasileiros, foram condenados a 120 anos. Raimundo Martins, também brasileiro, apontado no processo como o mais violento de todos, pegou 162 anos.

Livro com a versão de Militão[editar | editar código-fonte]

Luís Miguel Militão nasce no Barreiro em 1970. Problemático e com problemas de afirmação desde jovem. Primeiro emprego foi de ajudante de canalizador, Ingressa na marinha mas sai a 1997, neste ano casa-se pela primeira vez. No entanto em 2001, dá-se o divorcio e instala-se uma depressão porque não sabe lidar com a solidão. Deixa de trabalhar e pede 500 mil escudos ao amigo Tavares e foge para o Brasil para não devolver o dinheiro. Chega a São Paulo em Fevereiro de 2001 e depois ruma para Fortaleza e os primeiros tempo gasta o dinheiro no bolso em prostitutas e bares. Fica na Praia do Futuro e tenta um negocio com outros numa barraca de bebidas mas não dá certo. Casa-se entretanto com Maria que fica gravida pouco depois.A sua vida é em função de arranjar dinheiro rapidamente e sem trabalhar não olhando às consequências. Por fim Tavares diz que vai visitá-lo no Brasil com mais amigos, ao todo 5 portugueses e com prendas da mãe e pai de Militão. A ideia de roubar, sequestrar e matar os portugueses parte de um dos seus amigos.

A certa altura diz no livro: " meu desespero pela falta de dinheiro fazia com que não pensasse nas consequências"

Em Março de 2010 a imprensa portuguesa noticiou que o mentor da chacina, Luís Militão, estaria a escrever um livro, onde contaria sua versão para o crime, imputando-o às suas difíceis condições financeiras sobretudo.[2]

Segundo o extinto jornal 24 Horas de Portugal, a obra seria lançada pela editora patrícia Guerra e Paz, e o autor teria declarado que buscava uma "felicidade utópica" quando atraíra os compatriotas ao Ceará, dizendo que sua ocupação anterior o deixava "deprimido".[2]

Trechos da obra[editar | editar código-fonte]

Segundo dados divulgados pelo 24 Horas, o livro trazia os seguintes relatos por Militão:[2]

"O rosto deles era de pânico e senti que alguns desconfiavam do meu envolvimento no sequestro (...). Olhei para o Tavares e vi que ele estava de cabeça baixa com ar de abatido e sentia-se traído por mim. (...) Foi a última vez que vi aqueles seis homens, compatriotas e pais de família."
"Quando a primeira vítima [António Rodrigues] atendeu ao telefone, recebeu uma paulada. Levaram o corpo e atiraram-no dentro do buraco na cozinha. (...). Ronaldo foi buscar o segundo refém [António Martins]. O plano era o mesmo (...) Levaram o terceiro [Joaquim Pestano]. Foi atirado no buraco com os outro "
"O meu desespero pela falta de dinheiro fazia com que não pensasse nas consequências"

Notas e referências

Notas

  1. Alguns veículos da imprensa brasileira (ex: Portal Terra), bem como a peça acusatória indicada nas ligações externas, trazem algumas discrepâncias ortográficas dos nomes dos cidadãos portugueses envolvidos: Melitão (erro), ao invés de Militão, Antônio (pron. brasileira) no lugar de António, Luiz (ort. brasileira) no lugar de Luís. Neste verbete optou-se pela grafia original do português europeu.

Referências

  1. Eduardo Scolese (24 de agosto de 2001). «Viagem de portugueses ao Brasil foi acertada com assassino». Folha de S. Paulo. Consultado em 1 de abril de 2011. 
  2. a b c Demitri Túlio e Cláudio Ribeiro (3 Março de 2010). «Militão escreve livro sobre chacina dos portugueses». Jornal O Povo. Consultado em 1 de abril de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um crime ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.