Chernossolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Chernozem)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chernossolo nos EUA

Chernossolo é um tipo de solo mineral, caracterizado pela cor escura, argila de alta atividade e alta saturação de bases. Está entre as classes de solos mais férteis e agricultáveis.

Esta denominação foi introduzida no Sistema Brasileiro de Classificação de Solos em 1998 quando este foi alterado. No sistema de classificação usado até então, os Chernossolos enquadravam-se nas classes Brunizens, Solos Brunos e Rendzinas.

Os Chernossolos correspondem em parte aos Mollisols do Sistema Norte-americano de Classificação de Solos e aos Chernozems do Sistema de Classificação de Solos da Base de Referência Mundial para Recursos de Solos[1].

É um tipo de solo classificado em função do horizonte A, diferentemente da maioria dos solos do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos que são classificados em função dos horizontes sub-superficiais.

Possuem as seguintes características:

  • constituído por material mineral, com teor de matéria orgânica insuficiente para ser classificado como Organossolo;
  • argila com elevada atividade (Ta), na prática, este solo apresenta rachaduras;
  • alta saturação por bases (alto V%), geralmente > 70%;
  • ausência de Al+++;
  • pouco coloridos, escuros;
  • horizonte A chernozênico sobrejacente a B textural (Bt), B incipiente (Bi), B nítico, ou a um horizonte C cálcico ou C carbonático;
  • pH desde moderadamente ácido a fortemente alcalino.

Podem estar associados a material de origem calcário, embora possam estar associados a outras rochas que possam permitir a formação de solo com alto teor de cátions de reação alcalina (principalmente cálcio e magnésio).

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Distribuição mundial de chernossolo.

No Brasil são pouco frequentes, ocorrendo principalmente:

  • no interior do nordeste, favorecido pela baixa pluviosidade, entre outros fatores. Seu uso agrícola está limitado pela deficiência de água;
  • no sul do Brasil, em função do basalto e do clima moderado. O uso é limitado pela presença de pedras e pela topografia, em pequenas áreas entremeado geralmente por Cambissolos e Neossolos;
  • em regiões de rocha calcária.

São frequentes no pampa argentino, nas pradarias do meio oeste dos EUA, na Ucrânia, na Rússia, entre outros.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IUSS Working Group WRB (2015). «World Reference Base for Soil Resources 2014, Update 2015» (PDF). World Soil Resources Reports 106, FAO, Rome 
  2. «Solos brasileiros». UOL Educação, Ciência hoje. 1 de julho de 2014. Consultado em 12 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]