Companhia Riograndense de Mineração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Companhia Riograndense de Mineração (CRM) é uma empresa gaúcha de economia mista e controlada pelo governo do estado do Rio Grande do Sul. É detentora de mais de 3 bilhões de toneladas de reservas de carvão mineral in situ (no local de origem). Essas reservas estão divididas em áreas em fase de pesquisa ou já com titulação de lavra.

História[editar | editar código-fonte]

Visando a exploração industrial e comercial do carvão mineral no solo gaúcho, assim como seu beneficiamento para abastecer a Viação Férrea do Rio Grande do Sul, foi criado em 1947 o Departamento Autônomo de Carvão Mineral (DACM). Com a necessidade de maior flexibilidade operacional devido às perspectivas de aumento da produção, em outubro de 1969 o DACM transformou-se na Companhia Riograndense de Mineração (CRM). A empresa é uma sociedade de economia mista vinculada à Secretaria de Energia, Minas e Comunicações do Estado do Rio Grande do Sul.

Minas[editar | editar código-fonte]

Mina do Leão I[editar | editar código-fonte]

Situada no município de Minas do Leão, às margens da BR-290, a mina iniciou sua operação em 1963, através do poço P1, com 125 metros de profundidade. Os trabalhos no subsolo pararam em 2002 devido, principalmente, aos altos custos da mineração.

Hoje a mina produz a partir da área da Boa Vista, mina a céu aberto que emprega equipamentos tradicionais de terraplanagem em seus trabalhos. Está a 5 Km do poço P1, junto ao qual ainda está instalado o lavador de carvão "Eng. Eurico Rômulo Machado" e para onde o carvão extraído é transportado a fim de sofrer beneficiamento. Esta planta tem capacidade de beneficiar até 120 t/h de carvão bruto.

Mina do Leão II[editar | editar código-fonte]

Localiza-se no município de Minas do Leão, distante apenas 6 Km ao norte da Mina do Leão I. A infra-estrutura existente no local constitui-se de dois túneis inclinados de acesso à camada de carvão; seis quilômetros de galerias no subsolo; silos subterrâneos para carvão; poço de ventilação com 220 metros de profundidade; prédios com 10.000 m2 de área útil e equipamentos diversos para a lavra e beneficiamento do carvão.

A CRM, no ano de 2002, assinou um contrato de arrendamento desta mina com a Carbonífera Criciúma S.A. por um prazo de 30 anos. A empresa arrendatária terá um prazo de 4 anos para iniciar a operação da mina, sendo que a CRM terá direito a royalties decorrentes da venda do carvão produzido.

Mina de Candiota[editar | editar código-fonte]

Fica no Município de Candiota, a 400 km ao sul de Porto Alegre, na maior jazida de carvão mineral do Brasil. As reservas de carvão passíveis de serem mineradas a céu aberto, em profundidades de até 50 metros, são da ordem de 1 bilhão de toneladas. A CRM vem minerando a céu aberto nessa região desde 1961, objetivando a produção de carvão termelétrico. A produção, hoje na faixa de 1,7 milhões de toneladas de carvão por ano, abastece a Usina termelétrica Presidente Médici, de 446MW instalados. Com a implantação da Fase C dessa usina (ou Candiota III), a produção da mina será quase dobrada.

A mineração a céu aberto é realizada utilizando uma escavadeira dragline para a descobertura do carvão. A unidade de britagem, com capacidade total de 800t/h, funciona em duas linhas independentes. O transporte do carvão entre a unidade de britagem e a usina termelétrica é feito através de uma correia transportadora com 2,3 km de extensão.

O carvão extraído é do tipo CE3100, com poder calorífico de 3100 Kcal/Kg e com 54% de cinzas [1].

Recentemente a CRM vem desenvolvendo a utilização, a nível industrial, das enormes reservas de argilas de alta qualidade existentes em Candiota. Nas áreas onde está sendo extraído o carvão, a argila pode ser minerada a baixíssimos custos, possibilitando a instalação de indústrias cerâmicas de grande porte na região. Produtos cerâmicos desenvolvidos em projetos conjuntos com a Província de Shiga (Japão), utilizando argila e cinzas geradas pela queima do carvão, provaram as excelentes qualidades destes materiais.

Jazida de Iruí[editar | editar código-fonte]

Localizadas na Bacia Sedimentar do Baixo Jacuí, as concessões da CRM na Jazida do Iruí iniciam no Km 240 da BR-290 e estendem-se até o Km 265, abrangendo os municípios de Cachoeira do Sul, Rio Pardo e Encruzilhada do Sul. A mina do Iruí, a céu aberto, explorou parte desta jazida na década de 80.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Companhia Riograndense de mineração