Coral Bracho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coral Bracho
Nascimento 22 de maio de 1951
Cidade do México
Cidadania México
Ocupação linguista, escritor, tradutor
Prêmios Bolsa Guggenheim, Xavier Villaurrutia Award, Q6084780

Coral Bracho (Cidade do México, 1951) é uma poeta, tradutora e acadêmica mexicana.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Nascida na Cidade do México em 22 de maio de 1951, Coral terminou sua educação básica na Inglaterra e na França, e se graduou em Língua e Literatura Hispânica na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

No Brasil foi publicado o volume Rastros de Luz (2004), com tradução de Josely Vianna Baptista, que reúne três de seus livros: "Peixes de Pele Fugaz" (1977), "O Ser que Vai Morrer" (1982) e "Terra de Entranha Ardente" (1992). Poemas seus foram incluídos na antologia O Jardim de Camaleões, organizado por Cláudio Daniel e apresentado por José Kozer e Haroldo de Campos.[1] Em 2007 esteve no Brasil, participando do Tordesilhas - Festival ibero-Americano de Poesia.

Sua poesia é conhecida como uma das mais relevantes dentro do neobarroco latinoamericano.[2]

Publicou os seguintes livros:

  • Peces de piel fugaz (1977)
  • Reeditado como Huellas de luz (1994)
  • El ser que va a morir (1982), vencedor do Premio Nacional de Poesía Aguascalientes
  • Bajo el destello líquido (1988)
  • Tierra de entraña ardiente (1992)
  • Jardín del mar (1993)
  • Los amigos primero (1994)
  • La voluntad del ámbar (1998)
  • Ese espacio, ese jardín (2003)
  • Cuarto de hotel (2007)
  • Se ríe el emperador (2010)
  • ¿A donde fue el Ciempiés? (2007)

Referências

  1. «Folha de S.Paulo - Livros - Poesia: Obras permitem nova visão sobre a tradição neobarroca». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 23 de junho de 2017 
  2. «- ZUNÁI- Revista de Poesia & Debates». www.revistazunai.com. Consultado em 23 de junho de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.