Cruzada São Sebastião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cruzada São Sebastião
Estilo dominante modernista
Construção 1955-1957
Função atual conjunto habitacional
Local Leblon, no Rio de Janeiro, no  Brasil

A Cruzada São Sebastião é um conjunto habitacional de influência modernista[1] localizado à margem oeste do Jardim de Alá, no bairro do Leblon, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Do conjunto, fazem parte a igreja dos Santos Anjos e a escola municipal Santos Anjos, que foram tombados pela Secretaria Extraordinária do Patrimônio Cultural em 2008.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Foi inaugurada em 29 de outubro de 1955, por iniciativa de dom Hélder Câmara, então secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que convenceu o então presidente da república, Café Filho, a firmar um convênio para construir o conjunto habitacional. O objetivo era fazer, dali, uma espécie de plano piloto, um pontapé inicial para a meta de dom Hélder de acabar em dez anos com as 150 favelas existentes na cidade naquela época.[3] A chave para o primeiro morador foi entregue em 3 de janeiro de 1957.[4]

Os primeiros moradores eram oriundos da vizinha favela Praia do Pinto, que viria a sofrer um incêndio em 11 de maio de 1969[5] e seria substituída pelo condomínio Selva de Pedra, em frente ao Paissandu Atlético Clube e à associação Atlética Banco do Brasil. O conjunto de dez prédios e 945 apartamentos foi financiado num prazo de quinze anos, em pagamentos mensais de quantias que correspondiam, nos maiores apartamentos (de dois quartos), ao correspondente a quinze por cento do salário mínimo.[carece de fontes?]

Problemas[editar | editar código-fonte]

Por abrigar majoritariamente moradores negros, de baixa renda e de baixa escolaridade e, ao mesmo tempo, se localizar em uma das áreas mais valorizadas do país, os moradores do conjunto costumam ser vítimas de preconceito pela população local.[6]

O conjunto sofre com a violência gerada pelo tráfico de drogas realizado no local pelo Comando Vermelho.[7][8]

Moradores ilustres[editar | editar código-fonte]

A Cruzada já foi moradia de vários ilustres desportistas, como:

Referências

  1. Cronologia do pensamento urbanístico. «Construído o conjunto urbanístico Cruzada São Sebastião». Consultado em 22 de março de 2019 
  2. O Globo. «Decreto preserva igreja na Cruzada São Sebastião». Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  3. O Globo. Disponível em https://oglobo.globo.com/rio/cruzada-faz-60-anos-com-altos-alugueis-promessa-do-governo-17617871. Acesso em 22 de março de 2019.
  4. Cronologia do pensamento urbanístico. Disponível em http://www.cronologiadourbanismo.ufba.br/apresentacao.php?idVerbete=1567#prettyPhoto. Acesso em 22 de março de 2019.
  5. Cronologia do pensamento urbanístico. Disponível em http://www.cronologiadourbanismo.ufba.br/apresentacao.php?idVerbete=1530. Acesso em 22 de março de 2019.
  6. Folha de S. Paulo. «Destoantes, dez prédios populares resistem no coração do Leblon». Consultado em 22 de março de 2019 
  7. Folha de S. Paulo. «Tentativa de invasão da Cruzada São Sebastião está ligada à guerra pelo controle da Rocinha». Consultado em 22 de março de 2019 
  8. Extra. «Destoantes, dez prédios populares resistem no coração do Leblon». Consultado em 22 de março de 2019 

Ver também[editar | editar código-fonte]