Daniele Manin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Daniele Manin
Daniele Manin
Daniele Manin, em 1852
Nascimento 13 de maio de 1804
Veneza, Itália
Morte 22 de setembro de 1857 (53 anos)
Paris
França
Nacionalidade italiano

Daniele Manin (Veneza, 13 de maio de 1804Paris, 22 de setembro de 1857) foi um advogado, politico e patriota italiano. Ele foi um dos atores do Risorgimento, tornando-se o presidente da breve República de São Marcos.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma família judia de Verona, o seu nascimento está registrado sob o nome de Daniele Medina. Mais tarde, sua família se converteu ao catolicismo e, como era a prática entre os judeus na época, o menino toma no seu batismo, o nome de família de seu padrinho, que era ninguém menos que o irmão de Ludovico Manin, o último doge da Sereníssima República. Por esta coincidência, o nome desta antiga família patrícia associado ao extremo da independência de Veneza é hoje sinônimo de liberdade.[2]

Líder Revolucionário[editar | editar código-fonte]

A tentativa heroica, mas sem esperança dos Bandiera Irmãos venezianos que tinham servido na marinha austríaca contra os Bourbons de Nápoles, em 1844, foi o primeiro evento para causar o despertar de patriotismo dos Venezianos. Em 1847, Manin apresentou uma petição à congregação dos Venezianos, uma assembleia consultiva impotente tolerado pela Áustria, informando o imperador das necessidades da nação. Ele foi preso sob a acusação de alta traição, mas sua prisão só serviu para agitar os venezianos, que estavam começando a apreciar Manin.[3]

Dois meses mais tarde, quando toda a Itália e metade do resto da Europa estavam no auge da revolução, o povo de Veneza forçou o governador austríaco, para liberar Manin. Os austríacos logo perderam o controle da cidade: o Arsenal foi apreendido pelos revolucionários e, sob a direção de Manin, a guarda cívica e um governo provisório foram instituídos. Os austríacos retiraram-se de Veneza em 26 de março e Manin se tornou presidente da recém criada República de São Marcos[4] Ele já tinha sido a favor da unificação italiana, mas não pela anexação do Piemonte, porque ele queria a ajuda francesa. Ele cedeu à vontade da maioria de seus compatriotas e emitiu seus poderes aos comissários reais de Piemonte, em 7 de agosto. Mas após a derrota em Custoza piemontês, e do armistício em que o rei Carlos Alberto abandonou a Lombardia e Veneto para a Áustria, os venezianos tentaram linchar os comissários reais, porém Manin salvou a vida dos comissários reais com dificuldade. Uma assembleia foi convocada, e um triunvirato foi formado com Manin.

Casa em que Manin morava em Veneza
Monumento de Bronze de Daniele Manin em Veneza.

Para o fim de 1848, os austríacos, fortemente armados, recuperaram todo o continente Veneziano. Os cidadãos, no entanto, pressionados e ameaçados com um cerco, apresentaram a maior devoção à causa da liberdade, todos compartilhando os perigos e dificuldades e dando o que tinham para os cofres do Estado. No início de 1849, Manin foi novamente eleito presidente da República, e conduziu a defesa da cidade, com grande habilidade.

Após a derrota das tropas de Carlos Alberto em Novara, em março, a assembleia de Veneza votou "A resistência a todo o custo!" e concedeu ao Manin poderes ilimitados.

Enquanto isso, as forças austríacas cercavam a cidade. Manin mostrou uma boa capacidade de organização, em que ele foi habilmente destacado pelo general napolitano, Guglielmo Pepe, que liderou o exército napolitano para defender Veneza contra a ordem de seu rei. Mas no dia 26 de Maio, os venezianos foram forçados a abandonarem Forte Marghera, a caminho entre a cidade e o continente; a comida estava se tornando escassa, em 19 de junho, o paiol de pólvora explodiu, e julho de cólera eclodiu. As baterias austríacas, posteriormente, começaram a bombardear Veneza, e quando a frota da Sardenha retirou-se do Adriático a cidade também foi atacada pelo mar, enquanto os demagogos causavam problemas internos.

Por fim, em 24 de agosto 1849, quando todas as disposições e munições estavam esgotados, Manin, conseguiu negociar uma rendição honrosa. Manin, Pepe e alguns outros, foram para o exílio. Em 27 de agosto, Manin deixou Veneza para sempre a bordo de um navio francês.[5]

Morte[editar | editar código-fonte]

Sua esposa morreu em Marselha, e ele mesmo chegou a Paris com a saúde debilitada e quase destituído, tendo passado toda a sua fortuna para Veneza.[6]

Em Paris, ele manteve-se através do ensino e se tornou um líder entre os exilados italianos. Lá ele se tornou um convertido do republicanismo a monarquia, sendo convencido de que somente sob os auspícios do rei Victor Emmanuel a Itália poderia ser libertada e, juntamente com Giorgio Pallavicino e Giuseppe La Farina, fundaram a Società Nazionale Italiana com o objetivo de propagar a ideia de união sob a monarquia piemontesa.

Seus últimos anos foram amargurados pelo terrível sofrimento de sua filha, que morreu em 1854. Ele morreu em 22 de setembro 1857, e foi sepultado no túmulo da família de Ary Scheffer.

Em 1868, dois anos após os austríacos finalmente partir de Veneza, seus restos mortais foram trazidos para a sua cidade natal e homenageado com um funeral público. A gôndola carregando seu caixão foi decorado com arco "encimada pelo leão de São Marcos, resplandecente de ouro", deu à luz "a norma Veneziana velado com crepe preto", e tinha "duas estátuas colossais de prata que acenam as cores nacionais da Itália". As estátuas representavam a unificação da Itália e Veneza. O cortejo fúnebre foi descrito como "magnífico". Seus restos mortais estão enterrados na Basílica de Santa Cruz, a primeira pessoa enterrada lá em mais de 300 anos.

Referências

  1. Malet e Isaac: História Contemporânea a partir de meados do século XIX, Hachette, 1939, página 188.
  2. Hachette, 1939, página 188.
  3. Encyclopaedia Britannica Eleventh Edition,
  4. 22 marzo, rinasce la Repubblica Veneta. Manin: viva la libertà!(Italiano)
  5. Finslab Enciclopedia
  6. Treccani Enciclopédia

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • George M. Trevelyan, Manin and the Venetian Revolution of 1848 (1923).
  • Ginsborg, Paul, Daniele Manin and the Venetian revolution of 1848-49, Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1979.
  • Trevelyan, George Macaulay, Manin and the Venetian revolution of 184, New York, H. Fertig, 1974.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons