Denise Milan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Drusa, 1992. Instalação permanente de Denise Milan.
(Vale do Anhangabaú, São Paulo).

Denise Milan (São Paulo, 16 de julho de 1954) é uma escultora, artista plástica e multimídia. Brasileira, seus trabalhos artísticos foram expostos em várias instituições de renome. Ela usa a pedra como seu eixo criativo, executa obras nas áreas de arte pública, escultura, artes cênicas, poesia, impressão e vídeo-arte. Em São Paulo, participou da Bienal Internacional, Museu de Arte Moderna (MAM), Museu de Arte de São Paulo (MASP), do Museu de Arte Contemporânea (MAC), Galeria São Paulo, Galeria Nara Roesler, Galeria Milan e Sesc. No exterior, suas exposições principais foram: Barbican Centre (Londres) PSONE e Art in General (Nova York); EXPO 2000 (Hanover); EXPO 9 , Hakone e Museu Open-Air (Osaka); Museu de Arte Contemporânea e Art Institute (Chicago); na Galeria D’Architecture (Paris).

Uma das articuladoras do movimento Arte Pública,[1] [2] no Brasil, é ativista na sua difusão em seu país e internacionalmente. Em parceria com Ary Perez, criou sete memoráveis esculturas públicas em São Paulo: “Drusa” (Anhangabaú); “Ventre da Vida” (metrô de São Paulo, estação das Clínicas,), “Um Furo no Espaço” ( Museu de Arte Contemporânea), ”Sectiones Mundi” ( Museu de Arte Moderna), “Palas Atenas” (Campus da Universidade de São Paulo), “Tempos de Cura (Hospital Albert Einstein). No exterior, “Americas’ Courtyard”,(Adler Planetarium, Chicago). Hoje, Denise vê arte como uma vivência do trajeto metafísico do indivíduo no mundo contemporâneo que o circunda. É isto que tem proposto no movimento Veio Azul, que integra cortejos performáticos a algumas de suas instalações permanentes em lugares tombados pelo patrimônio histórico ou de forte influência internacional, como é o caso em outras instalações suas no Pelourinho (Salvador, Bahia) e no Kennedy Art Center (Washington D.C.). Esta manifestação artística tem uma evolução particular e vem chamando atenção da mídia nacional e internacional. A descoberta de códigos abertos como fundamento de sua expressão artística é a solução que a artista encontra para equilibrar as polaridades das questões existenciais no século XXI – a trajetória metafísica do indivíduo no mundo contemporâneo que o circunda.[3][4]

Obra[editar | editar código-fonte]

A obra de Denise Milan contempla múltiplas linguagens. Da escultura à poesia, da gravura à vídeo-arte, performances e debates, integra os diversos fazeres num todo orgânico e coerente. Através da pedra, nos convida a adentrar a natureza, a enxergar em sua gênese, do caos à ordem, um paralelo com o processo artístico. Mais que a forma em si mesma, o processo de formação, mais que arte, como ponto de chegada, o caminho e os embates do caminho. Artista de projeção nacional e internacional, sua poética é permeada pelo universo mítico, por uma série de símbolos que evocam e despertam, como a pedra o faz, nossa memória ancestral.

Principais exposições e trabalhos[editar | editar código-fonte]

Exposições Nacionais[editar | editar código-fonte]

  • 1981 Independência só na morte exposição individual, Galeria São Paulo, São Paulo;
  • 1986 Momento de suspensão exposição coletiva, Museu de Arte Contemporânea - MAC, São Paulo;
  • 1987 Éden Elétrico exposição coletiva, Prédio da Bienal, São Paulo;
  • 1988 Cristaluz exposição coletiva, Museu de Arte Moderna, São Paulo;
  • 1988 Garden of Light exposição coletiva, P.S.1, The Institute for Arts and Urban, Nova York;
  • 1989 Sectiones Mundi co-autoria Ary Perez, 20ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo;
  • 1991 Gruta de Maquiné co-autoria Ary Perez, 21ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo;
  • 1993 A Via do Corpo exposição individual, Galeria Nara-Roesler, São Paulo;
  • 1997 Gênese exposição individual, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP, São Paulo;
  • 2001 Between Two Infinites exposição individual, co-autoria Ary Perez, Galeria Millan, São Paulo;
  • 2002 U Ura Muta Uê exposição individual, Museu do Estado do Pará, Belém;
  • 2003 U Ura Muta Uê exposição individual, Museu de Arte Sacra, Belém;
  • 2004 U Ura Muta Uê exposição individual, Museu de Arte Contemporânea da USP, São Paulo;
  • 2006 Entes Pétreos instalação da Ópera das Pedras, cenografia de Ary Perez, SESC Pinheiros, São Paulo;[5]
  • 2006 Cenas Pétreas instalação da Ópera das Pedras, cenografia de Ary Perez, SESC Pinheiros, São Paulo;
  • 2007 Ópera das Pedras – exposição individual, SESC Araraquara, Araraquara, São Paulo;
  • 2008 Ópera das Pedras – exposição individual, SESC Santo André, São Paulo;
  • 2009 Ampliação do Olhar – vídeo Uma grande Pedra Azul, Terra e o quadro de alumínio Pedra Azul – exposição coletiva, Palácio dos Bandeirantes, São Paulo;
  • 2009 Era uma vez: Arte Conta Histórias do Mundo – ilustrações para o livro Contos que Brotam das Florestas – Na trilha dos Irmãos Grimm, de Kátia Canton, 1997 – exposição coletiva, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), São Paulo;
  • 2011 Quartzoteca A Linguagem Escondida das Pedras – exposição individual, Galeria Virgilio, São Paulo;
  • 2014 Fumaça da Terra – exposição individual, Galeria Virgílio, São Paulo;
  • 2014 Ouro – um fio que costura a arte do Brasil – exposição coletiva, CCBB RJ, Rio de Janeiro;
  • 2015 Devastação exposição coletiva - SP-Arte 2015 - Galeria Rabieh;
  • 2015 Ciclo do Ouro exposição coletiva - SP-Arte 2015 - Galeria Rabieh;
  • 2015 Quem foi que disse que não existe amanhã? exposição coletiva, TRIO BIENAL Bienal Tridimensional Intern’l do Rio 2015, Rio de Janeiro
  • 2017 O Olho que tudo vê exposição coletiva SP-Arte 2017 - Galeria Lume;
  • 2017 Terra Ovo exposição coletiva SP-Arte 2017 Galeria Lume;
  • 2017 Coexistência exposição coletiva SP-Arte 2017 Galeria Lume;
  • 2017 Gênese exposição coletiva SP-Arte 2017 Galeria Lume;

Exposições Internacionais[editar | editar código-fonte]

  • 1983 Nova Mulher exposição coletiva, Barbican Centre, Londres;
  • 1995 Cadumbra, poema escultórico instalação, Art in General, Nova York;
  • 1988 Garden of Light exposição coletiva, P.S.1, The Institute for Arts and Urban, Nova York;
  • 2000 Ar Sólido instalação, co-autoria Ary Perez, EXPO 2000 pavilhão brasileiro, Hannover;
  • 2000 Magma Celestial instalação, EXPO 2000 pavilhão brasileiro, Hannover;
  • 2001 Portable Sculpture exposição individual, co-autoria Ary Perez, Galeria Mary O’Shaughnessy’s Wood Street, Chicago, Estados Unidos;
  • 2001 Mala da Virtualidade exposição individual, co-autoria Ary Perez, Museu de Arte Contemporânea, Chicago, Estados Unidos;
  • 2001 Americas' Cosmic Courtyard exposição coletiva, co-autoria Ary Perez, The Art Institute of Chicago, Chicago, Estados Unidos;[6]
  • 2001 Americas’ Cosmic Courtyard – co-autoria Ary Perez, Seattle Museum of Flight, Seattle, Estados Unidos;
  • 2001 Portable Sculpture co-autoria Ary Perez Museum of Outdoor Arts, Denver, Estados Unidos;
  • 2001 Americas’ Cosmic Courtyard co-autoria Ary Perez International Airport Museum, San Francisco, Estados Unidos;
  • 2001 Portable Sculpture co-autoria Ary Perez Galérie D’Architecture, Paris;
  • 2002 Genetic Blue Stone - instalação, The John F. Kennedy Center for the Performing Arts, Washington D.C., Estados Unidos;
  • 2002 Between two Infinites – exposição individual, co-autoria Ary Perez, Museum of Contemporary Art, Chicago, Estados Unidos;
  • 2002 Americas’ Courtyard assinatura de livro e conferência, co-autoria Ary Perez, Adler Planetarium & Astronomy Museum, Chicago, Estados Unidos;
  • 2007 Amazon and Danshui Rivers, waters that feed life - site specific, instalação co-autoria, Ary Perez, Guandu International Outdoor Sculpture Festival, Taiwan;
  • 2008 1ª Bienal de Chapingo, México;
  • 2008 instalação, co-autoria Ary Perez, Laboratório Hidráulica Kielzog, Marknesse, Holanda;
  • 2011 VIDEOARTE INVISIBLE 9 – Ópera das Pedras, exposição coletiva Fabrica, Treviso, Itália;
  • 2012 Mist of the Earth – exposição individual, Chicago Cultural Center, Chicago, Estados Unidos;
  • 2012 Into the Realm of Love and Forgiveness: The Language of Stones – exposição individual, Palazzo del Monte Frumentario, Assis, Itália;
  • 2015 Mist of the Earth exposição individual, Wilson Center, Washington, D.C, Estados Unidos;
  • 2016 Mist of the Earth – exposição individual, Biblioteca J. Willard Marriott (M LIB), Universidade de Utah, Salt Lake City, Estados Unidos;
  • 2017 Mist of the Earth exposição individual, Universidade de Georgetown, Washington D.C., Estados Unidos

Obras e Trabalhos Públicos[editar | editar código-fonte]

  • 1989 Sectiones Mundi instalação permanente do Jardim de esculturas, co-autoria Ary Perez, 20ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, Brasil;
  • 1992 Drusa - instalação permanente, co-autoria Ary Perez, Vale do Anhangabaú, centro antigo da cidade, São Paulo, Brasil;
  • 1992 Um Furo no Espaço instalação permanente, co-autoria Ary Perez, Museu de Arte Contemporânea - MAC, São Paulo, Brasil;
  • 1993 Ventre da Vida instalação permanente, co-autoria Ary Perez, Estação Clínicas do Metrô, São Paulo, Brasil;
  • 1994 Palas Atenas instalação permanente, co-autoria Ary Perez, Campus da Cidade Universitária - Escola Politécnica, São Paulo, Brasil;
  • 1998 Americas' Courtyard (1ª versão) instalação, co-autoria Ary Perez, esquina da Columbus Avenue e Monroe Street, Chicago, Estados Unidos;
  • 1999 Redenção do Pelourinho escultura ambiental permanente, Praça das Artes Cultura e Memória, Pelourinho, Salvador, Bahia, Brasil;
  • 1999 Tempos da Cura painel e escultura arquitetural, co-autoria Ary Perez, Hospital Albert Einstein, São Paulo, Brasil;
  • 1999 Americas' Courtyard (2ª versão) escultura arquitetural permanente, co-autoria Ary Perez, Museum Campus, Adler Planetarium, Chicago, Estados Unidos;
  • 2003 Améfrica instalação permanente, Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília, Brasil;
  • 2004 U Ura Muta Uê instalação permanente, Jardim Feliz Lusitânia, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, Belém, Brasil;
  • 2005 Gemas da Terra instalação permanente e debate público, SESC Vila Mariana, São Paulo, Brasil;
  • 2006 Metamorfose instalação permanente, co-autoria Ary Perez, Parque do Carmo, São Paulo, Brasil;
  • 2006 Pátio das Américas – instalação permanente, co-autoria Ary Perez, SESC Interlagos, São Paulo, Brasil;
  • 2006 Entes Pétreos instalação da Ópera das Pedras, cenografia de Ary Perez, SESC Pinheiros, São Paulo, Brasil;
  • 2006 Cenas Pétreas instalação da Ópera das Pedras, cenografia de Ary Perez, SESC Pinheiros, São Paulo, Brasil;
  • 2007 Rios Amazonas e Danshui, águas que alimentam a vida – site specific, instalação, co-autoria, Ary Perez, Taiwan;
  • 2007 Entes Pétreos, Cenas Pétreas e Olho Quartzo, instalação, cenografia Ary Perez, SESC Araraquara, São Paulo, Brasil;
  • 2010 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, SESC Ipiranga, São Paulo, Brasil;
  • 2011 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, SESC Ipiranga, São Paulo, Brasil;
  • 2012 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, SESC Ipiranga, São Paulo, Brasil;
  • 2013 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, Comunidade de Heliópolis, UNAS, São Paulo, Brasil;
  • 2014 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, Comunidade de Heliópolis, UNAS, São Paulo, Brasil;
  • 2015 Espetáculo da Terra – movimento de arte pública, projeto de arte-educação, Comunidade de Heliópolis, UNAS, SESC Ipiranga, São Paulo, Brasil;
  • 2016 Ventre Oceânico instalação, COP 22, Marraquexe, Marrocos

Arte em Diferentes Momentos[editar | editar código-fonte]

  • 2010 Ópera das Pedras – o Espetáculo da Terra – ópera contemporânea, SESC Ipiranga, São Paulo, Brasil;
  • 2011 - 2013 Fetzer Institute, Kalamazoo, Michigan, atua como Art Advisor da Instituição;
  • 2013 Diálogo das Civilizações – ciclo de palestras internacionais, Biblioteca Mário de Andrade e Tenda Cultural Ortega y Gasset, São Paulo, Brasil;

Premiação[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Revelação em Artes Visuais pela Associação Paulista de Críticos de Arte, 1988 com a exposição Garden of Ligth.
  • Prêmio Especial na Arquitetura e Arte na Bienal de Arquitetura de Buenos Aires, 1993 com a instalação Ventre da Vida, no metrô de São Paulo, Brasil.
  • Prêmio Menção Honrosa em fotografia pela 1ª Bienal Internacional de Arte de Chapingo, México, 2008 para a gravura digital "sem título" da exposição Ópera das Pedras.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Denise Milan com metapoemas de Haroldo de Campos (1997). Cadumbra. [S.l.]: Difusão Cultural do Livro  Texto " id " ignorado (ajuda)
  • Kátia Canton com gravuras de Denise Milan (1997). Contos que brotam das florestas. [S.l.]: Difusão Cultural do Livro. ISBN 8536808314 
  • Denise Milan (1998). Arte Pública, publicação do Primeiro e do Segundo Seminários de Arte Pública em São Paulo. [S.l.]: SESC SP  Texto " id " ignorado (ajuda)
  • Ary Perez e Denise Milan (2001). Americas' Courtyard. [S.l.]: Vitor Maia DCL. ISBN 85-7338-479-4 
  • Denise Milan, prefácio: Olgária Matos, ensaios: Greg Cameron, J.B. Madureira Filho (2003). Améfrica. [S.l.]: Centro Cultural Banco do Brasil. ISBN 85-9000101-6 
  • Denise Milan, concepção do livro, pesquisa: Denise Milan, narrativa oral: Ruth Geni Donário, transcriação literária e poema visual: Denise Milan, prefácio: Professor Sir Ghillean Prance, livro com DVD (2006). Fumaça da Terra. [S.l.]: Associação Cairuçu. ISBN 9788590682608 
  • Denise Milan, criação Denise Milan e música Marco Antônio Guimarães, livro com DVD (2006). Ópera das Pedras. [S.l.]: SESC SP. ISBN 9788444700111 
  • Denise Milan, concepção e libreto Denise Milan (2010). Ópera das Pedras - O espetáculo da Terra. [S.l.]: SESC SP. ISSN 2176601-0 
  • Organização: Denise Milan, Olgária Matos. Ensaios: Adone Agnolin, Alcides Villaça, Carmen Junqueira, Catarino Sebiróp Gavião, Darcy Pedro Svizzero, Denise Milan, Jean Galard, João Quartim de Moraes, Jorge Coli, Mamede Mustafa Jarouche, Maria Inês Assumpção Fernandes, Marilena Chaui, Massimo Canevacci, Miguel Abensour, Olgária Matos, Patricia A. Johnson, Priscilla Barrak Ermel, Rachel Gazolla, Sonia Maria Barros de Oliveira (2010). Gemas da Terra - Imaginação estética e hospitalidade. [S.l.]: Edições SESC SP. ISBN 978-85-98112-95-4 
  • Denise Milan com adaptação de Maísa Zakzuk (2011). A Pedra Azul. [S.l.]: Saraiva. ISBN 978-85-02-12411-0 

Parcerias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Vídeo: Denise Milan & Haroldo de Campos – Diálogos concretos. Tal TV.
  2. Denise Milan inaugura oitava obra pública em Assis, na Itália Autora de obras públicas emblemáticas espalhadas pela paisagem urbana, a artista paulistana Denise Milan inaugura sua mais recente criação em Assis. Por Nádia Simonelli. Casa.com.br, 2 de Novembro de 2013
  3. Mostra revela andanças poéticas de Denise Milan pelo País. Por Laura Greenhalgh. Estadão, 26 de março de 2014.
  4. Site Oficial Denise Milan
  5. Entrevista com Denise Milan sobre Ópera das Pedras. Sesc São Paulo, 6 de agosto de 2013.
  6. Americas' Courtyard. Site oficial

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um escultor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.