Destroyer of Worlds

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Destroyer of Worlds
Álbum de estúdio de Bathory
Lançamento 9 de outubro de 2001
Gravação junho de 2001 no The Bunker, Estocolmo, Suécia.
Gênero(s) Viking metal, thrash metal
Duração 65:57
Gravadora(s) Black Mark Productions
Produção Borje Forsberg e Quorthon
Cronologia de Bathory
Blood on Ice
1996
Nordland I
2003

Destroyer of Worlds é o décimo álbum de estúdio da banda sueca Bathory.[1] O nome do álbum foi tirado de uma famosa frase de J. Robert Oppenheimer sobre a bomba atômica, "eu me tornei a morte, destruidora de mundos", que foi erroneamente citada de um verso no Bhagavad Gita.[2]

Estilisticamente, Destroyer of Worlds mescla um som do Viking metal da época de 1988-1991 com o período de thrash metal de Requiem e Octagon, que pode ser percebido em "Bleeding", "109", "Death from Above", "Liberty & Justice", e "Kill Kill Kill". É o mais longo álbum de estúdio do Bathory.

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Lake of Fire" - 5:43
  2. "Destroyer of Worlds" - 4:52
  3. "Ode" - 6:27
  4. "Bleeding" - 3:55
  5. "Pestilence" - 6:51
  6. "109" - 3:36
  7. "Death from Above" - 4:36
  8. "Krom" - 2:51
  9. "Liberty and Justice" - 3:52
  10. "Kill Kill Kill" - 3:09
  11. "Sudden Death" - 3:20
  12. "White Bones" - 8:35
  13. "Day of Wrath" - 8:12

Créditos[editar | editar código-fonte]

  • Quorthon - vocais, guitarras, baixo, bateria, composições

Referências

  1. «Destroyer of Worlds». allmusic. Consultado em 30 de junho de 2012 
  2. «Bhaktivedanta VedaBase: Bhagavad-gita As It Is 11.32». Bhaktivedanta. Consultado em 30 de junho de 2012