Dieta mediterrânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Dieta Mediterrânica é um elemento do Património Cultural Imaterial da Humanidade inscrita originalmente na Lista Representativa da UNESCO na 5ª sessão do Comité Intergovernamental da UNESCO[1] para a Salvaguarda do Património Cultural em Novembro de 2010 em Nairobi, no Quénia pela Espanha, Itália, Grécia e Marrocos, e que teve a sua extensão a Portugal, Chipre e Croácia inscrita a 4 de Dezembro de 2013 em Baku, no Azerbaijão, na 8ª Sessão do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Imaterial da Humanidade.

A extensão da inscrição aprovada passou então a ser da iniciativa de 7 Estados da Europa e do Norte de África que apresentaram comunidades representativas : Espanha/Soria, Itália/Cilento, Grecia/Koroni, , Marrocos/Chefchaouen na primeira inscrição, acrescendo-se Croácia/Hvar e Brac, Chipre/Agros e Portugal/Tavira na extensão.

A dieta mediterrânica tem a sua origem e evolução nas civilizações que definiram a cultura mediterrânica, na sua unidade e diversidade de expressões regionais, mas é sobretudo um estilo de vida, a "daiata" da antiguidade grega.

A abordagem da dieta mediterrânica possui várias dimensões disciplinares, nomeadamente como património cultural imaterial, patente nas formas de produção, preparação e confecção dos alimentos transmitidas de geração em geração, nas convivialidades e celebrações colectivas onde a mesa constitui um lugar central em espaço publico ou privado, mas também como padrão alimentar saudável e de excelência, uma dieta sustentável "amiga do ambiente" pelo baixo consumo de água e escassa produção de CO2.

Caracteriza-se do ponto de vista alimentar pelo consumo de produtos frescos, produzidos localmente, de acordo com as estações do ano. A riqueza nutricional da dieta mediterrânica resulta do consumo dos produtos em sintonia com os ciclos astrais e os ritmos da natureza, promove a utilização de grande variedade de leguminosas, hortícolas, frutos secos, frutas,...

Comer é um acto cultural, a refeição em conjunto assegura a transmissão de valores culturais e a permuta de conhecimentos, negociações e acordos .

Alimentação, cozinha/culinária e gastronomia são conceitos diferentes, correspondem a períodos históricos e ambientes sociais diversos , donde resultam diferentes percepções sobre a dieta mediterrânica, um património cultural de caraterísticas multidimensionais e que por esse facto não se poderá compreender correctamente fora da sua dimensão cultural.

A palavra "dieta" induziu a uma analise exclusivamente "alimentar" centrada no maior ou menor uso de determinados produtos, criaram-se assim distorções no real significado deste modelo cultural.

As características de clima muito idêntico, a elevada biodiversidade da região mediterrânica, a formação e desenvolvimento de centenas de cidades e intenso comercio ao longo de milénios, o incremento da ciência náutica, da filosofia, matemática, astronomia, medicina, do urbanismo, das artes e da arquitectura, entre outras, produziram valores espirituais e materiais das civilizações mediterrânicas os quais fundamentam um estilo de vida que permanece hoje em muitos aspectos da vida social.

A forma como se vive, trabalha e convive, estão intimamente relacionados com aquilo que se come, porque se come e como se come.

Importa sublinhar a importância das três religiões monoteístas com origem no espaço mediterrânico, na sacralização, valorização ou interdição de determinados produtos, também na estruturação de períodos de jejum ou de excesso alimentar. São os elementos de diferenciação dentro de uma unidade de valores espirituais e comportamentais.

Uma recomendação nutricional moderna inspirada originalmente nos padrões de dieta da Grécia, do Sul de Itália, da França, da Espanha e Portugal.[2] Os principais aspectos desta dieta consiste no consumo elevado e em proporção de azeite, legumes, cereais não refinados, frutas e vegetais, o consumo moderado a elevado de peixe, consumo moderado de lacticínios (queijo e iogurte na sua maior parte), consumo moderado de vinho, e baixo consumo de carnes e seus derivados.[3]

Dieta mediterrânica Apesar de haver semelhanças entre os países, também há diferenças importantes nos hábitos alimentares dos países Mediterrânicos. Os hábitos alimentares em países vizinhos são mais parecidos do que aqueles em lados opostos do Mar Mediterrâneo.... Não existe uma dieta mediterrânica ideal e singular.[4] Dieta mediterrânica

Apesar do nome, esta dieta não é típica da culinária mediterrânica. No Norte de Itália, por exemplo, a banha de porco e a manteiga são muito usados nos cozidos, enquanto que o azeite é mais reservado para as salada e vegetais cozidos.[5] Tanto no Norte de África como no Médio Oriente, a gordura da cauda de ovelha e a manteiga fundida (samna) são as gorduras de base tradicional, com algumas excepções.[6] De facto, um investigador concluiu: "Aparentemente, não há hoje em dia material suficiente para dar uma definição apropriada sobre o que é realmente a dieta mediterrânica, ou o que é em termos de compostos químicos ou mesmo até em termos de comidas.... O termo geral 'dieta mediterrânica' não deve ser usado em literatura cientifica...."[7]

A versão mais compreendida e mais comum desta dieta foi apresentada, entre outros, pelo Dr. Walter Willett da Escola de Saúde Publica da Universidade de Harvard, desde meados da década de 1990.[8][9][10][11][12][13] Baseada nos "padrões típicos da comida de Creta, grande parte da Grécia, e Sul de Itália da década de 1960", esta dieta, em adição à "actividade física regular," realçando "muitos vegetais, fruta fresca como sobremesa diária, o azeite como a fonte principal de gordura, os lacticínios (principalmente queijo e iogurte), o consumo baixo a moderado de peixe e de aves domésticas, zero a quatro ovos por semana, carnes vermelhas em pequenas quantidades, e o consumo de vinho em quantidades pequenas a moderadas". A gordura total desta dieta é de 25% a 35% de calorias, incluindo gorduras saturadas de 8% ou menos de calorias.[14]

O azeite faz parte da Dieta mediterrânica, embora não em todas as cozinhas do Mediterrâneo: no Egipto, Malta e Israel, o consumo de azeite é insignificante,[4] e noutras áreas, não é predominante.[5][6] O azeite contém uma elevada quantidade de gorduras monoinsaturadas, mais notavelmente o ácido oleico, que estudos epidemiológicos sugerem estar ligado à redução de risco de acidentes vasculares cerebrais e de doenças arteriais coronárias.[15] Também há provas que os antioxidantes existentes no azeite melhoram a regulação do colesterol e a redução do colesterol LDL, assim como outros efeitos anti-inflamatórios e anti-hipertensivos.[16]

Em Novembro de 2010 na 5ª sessão do Comité Intergovernamental da UNESCO em Nairobi, no Quénia apresentada por 4 países, e a 4 de Dezembro de 2013 com acréscimo de mais 3 países, a UNESCO, durante a sua sessão em Baku,[17] reconheceu este padrão de dieta como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade de Itália, Portugal, Espanha, Marrocos, Grécia, Chipre e Croácia.[18]

Referências

  1. Sector, of Culture (1 Novembro 2011). «Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity 2010 - 2011» (PDF). UNESCO. Consultado em 10 Julho 2018. 
  2. Alberto Capatti et al., Italian Cuisine: A Cultural History, p. 106.; Silvano Serventi e Francoise Sabban, Pasta, p. 162.
  3. "Get your Meds: the Mediterranean Diet and Health", Ellen Gooch, Epikouria Magazine, 2005
  4. a b A. Noah, A. S. Truswell, "There are many Mediterranean diets", Asia Pacific Journal of Clinical Nutrition 10:1:2-9 (2001) doi:10.1046/j.1440-6047.2001.00198.x
  5. a b Massimo Alberini, Giorgio Mistretta, Guida all'Italia gastronomica, Touring Club Italiano, 1984
  6. a b Tapper, Richard; Zubaida, Sami (2001). A Taste of Thyme: Culinary Cultures of the Middle East. [S.l.]: Tauris Parke Paperbacks. p. 43. ISBN 1-86064-603-4 
  7. A. Ferro-Luzzi, "The Mediterranean Diet: an attempt to define its present and past composition", European Journal of Clinical Nutrition 43:13-29 (1989) Noah, op.cit.
  8. Burros, Marian (29 de Março de 1995). «Eating Well». The New York Times Archived by Webcite
  9. "Health implications of Mediterranean diets in light of contemporary knowledge. 1. Plant foods and dairy products." Kushi LH, Lenart EB, Willett WC Am J Clin Nutr 1995 Jun;61(6 Suppl):1407S-1415S.
  10. "Health implications of Mediterranean diets in light of contemporary knowledge. 2. Meat, wine, fats, and oils." Kushi LH, Lenart EB, Willett WC" Am J Clin Nutr 1995 Jun;61(6 Suppl):1416S-1427S.
  11. "The Mediterranean diet: science and practice". Willett WC. Public Health Nutr. 2006 Feb;9(1A):105-10.
  12. "Mediterranean diet and incidence of and mortality from coronary heart disease and stroke in women". Fung TT, Rexrode KM, Mantzoros CS, Manson JE, Willett WC, Hu FB. Circulation. 2009 Mar 3;119(8) 1093-100.
  13. Walter C. Willett, Eat, Drink, and Be Healthy: The Harvard Medical School Guide to Healthy Eating, Free Press. 2005. ISBN 0-7432-6642-0
  14. Willett WC; Sacks, F; Trichopoulou, A; Drescher, G; Ferro-Luzzi, A; Helsing, E; Trichopoulos, D (1 de junho de 1995). «Mediterranean diet pyramid: a cultural model for healthy eating». American Journal of Clinical Nutrition. 61 (6): 1402S–6S. PMID 7754995 
  15. Keys A., Menotti A., Karvonen M. J.; et al. «(December 1986). "The diet and 15-year death rate in the seven countries study». Am. J. Epidemiol. 124 (6): 903–15 
  16. Covas M. I. (2007). «Olive oil and the cardiovascular system». Pharmacol. Res. 55 (3): 175–86. PMID 17321749. doi:10.1016/j.phrs.2007.01.010 
  17. «UNESCO Culture Sector, Eighth Session of the Intergovernmental Committee (8.COM) – from 2 to 7 December 2013». Consultado em 3 de abril de 2014. 
  18. «UNESCO - Culture - Intangible Heritage - Lists & Register - Inscribed Elements - Mediterranean Diet». Consultado em 3 de abril de 2014. 

Ler também[editar | editar código-fonte]

  • António José Marques da Silva, La diète méditerranéenne. Discours et pratiques alimentaires en Méditerranée (vol. 2), L'Harmattan, Paris, 2015 ISBN 978-2-343-06151-1. ver extracto
  • António José Marques da Silva, Le régime UNESCO. Discours et pratiques alimentaires en Méditerranée (vol. 3), Create Space, Charleston, 2016 ISBN 978-1-532-99711-2. ver extracto
  • António José Marques da Silva, Diaita Nostra – Patrimoines alimentaires, identité et gouvernementalité en Méditerranée, UNESCO Chair in intangible heritage and traditional know-how: linking heritage - Évora University, Évora, ISBN: 978-989-99442-2-0, 78 pp. ler versão PDF
  • António José Marques da Silva, " Uma tradição intemporal convertida em ideal alimentar ou o inverso?: acerca da “descoberta científica” da dieta mediterrânica", in Soares, Carmen e Pinheiro, Joaquim (ed. lit.), Patrimónios alimentares de aquém e além-mar, Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2016 ISBN 978-989-26-1190-7 (ler versão PDF)
  • Jorge Queiroz (2015). Dieta Mediterrânica: Uma Herança Milenar para a Humanidade. [S.l.]: Althum. 260 páginas. ISBN 978-989-683-034-2 
  • A Dieta Mediterrânica em Portugal: Cultura, Alimentação e Saúde. [S.l.]: Universidade do Algarve. 2014 
  • Orlando Ribeiro (1995), "Portugal, O Mediterraneo e o Atlantico", Livraria Sá da Costa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dieta mediterrânica