Eclipse (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Eclipse, veja Eclipse (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"Eclipse"
Canção de Pink Floyd
do álbum Dark Side of the Moon
Lançamento 2 de março de 1973
Gravação 1973
Abbey Road Studios, Londres
Gênero(s) Rock progressivo
Duração 2:04
Gravadora(s) Harvest (RU)
Capitol (EUA)
Composição Roger Waters
Produção Pink Floyd
Faixas de Dark Side of the Moon
Brain Damage
(10)

"Eclipse" é a décima[nota 1] e última faixa do álbum Dark Side of the Moon, de 1973, da banda inglesa Pink Floyd.[1]

A música é geralmente tida como uma espécie de continuação de "Brain Damage", devido a ausência de intervalo entre o final de uma e o começo de outra, entretanto são faixas distintas e suas letras também têm significados diferentes.

Composição[editar | editar código-fonte]

É uma música calma, sem muitos efeitos de estúdio. Uma faixa onde predomina o órgão de Richard Wright e um calmo riff de guitarra ao fundo. Coros de vozes podem ser ouvidos também e dão um ar ainda mais sublime à canção. Um riff de guitarra com distorção pode ser ouvido ao fundo por volta do segundo verso da música.

A música acaba com as batidas de coração do começo de "Speak to Me", mas, desta vez, sem o tom dramático. Apenas o som suave das batidas que desaparece gradualmente, juntamente com os últimos dizeres do álbum: "There is no dark side of the moon, really. Matter of fact, it's all dark."

Em algumas versões do álbum, pode ser ouvida, bem no fim da gravação, quando invertida, uma versão orquestrada da música "Ticket to Ride" dos Beatles. Aparentemente, isso foi causado apenas pelo fato de uma fita ter sido mal apagada no estúdio.

David Gilmour gravou duas faixas de guitarra base, tocando arpejos, uma em posição aberta, e uma muito mais alta, em torno do décimo traste. A parte de baixo da guitarra inclui as cordas G e E abertas durante o B ♭ maj7, resultando em um acorde de tom adicionado e triton dissonante. O quarteto de cantoras de apoio femininos varia suas partes, aumentando em volume, e ecoando algumas das letras de Roger Waters, como a peça constrói em intensidade. Na última repetição da progressão de acordes, o B ♭ maj7 leva diretamente a um clímax em D maior, resultando em um efeito de "clareamento" (conhecido como Terceiro de Picardia), como a implicação acima mencionada de D menor no O acorde B ♭ maj7 muda para o maior.[2][3]

Referências

  1. Guthrie, James. «James Guthrie: Audio: Building A Compilation Album». Pink Floyd. Consultado em 17 June 2013. Cópia arquivada em 2 June 2010  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  2. Pink Floyd: The Dark Side of the Moon 1973 Pink Floyd Music Publishers Ltd., London, England, ISBN 0-7119-1028-6 (USA ISBN 0-8256-1078-8)
  3. Which One's Pink? An Analysis of the Concept Albums of Roger Waters & Pink Floyd by Philip Anthony Rose. Collector's Guide Publishing, Inc. Ontario, Canada. ISBN 1-896522-47-5

Notas

  1. A numeração das faixas depende da versão do álbum. Em versões mais antigas, "Speak to Me" e "Breathe" aparecem unidas.