Comfortably Numb

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Comfortably Numb"
Música de Pink Floyd
do álbum The Wall
Lançamento 1979
Gravação Abril-Novembro de 1979
Gênero(s) Rock Progressivo
Duração 6:21
Gravadora(s) EMI
Composição David Gilmour, Roger Waters
Produção Roger Waters, David Gilmour, Bob Ezrin
Faixas de The Wall
Bring the Boys Back Home
(5 do disco 2)
The Show Must Go On
(7 do disco 2)

Comfortably Numb é uma canção do Pink Floyd, escrita pelo guitarrista David Gilmour e por Roger Waters, baixista da banda. Foi uma das principais e mais reconhecidas músicas da banda. Foi gravada no álbum duplo The Wall de 1979.

Concepção[editar | editar código-fonte]

Comfortably Numb foi inicialmente uma ideia de David Gilmour, que pretendia inseri-la no seu primeiro álbum de originais a solo. Contudo, optou por trazer a música para a banda, onde foi trabalhada juntamente com Roger Waters.

Filme[editar | editar código-fonte]

A música, no contexto do álbum conceptual que é The Wall, conta um episódio da vida do protagonista. Pink encontra-se no seu quarto de hotel, sofrendo os efeitos de uma droga que acaba de tomar, incapacitado de atuar num concerto. Entra então no cenário um médico que examina Pink num estado semi-comatoso. Este (interpretado por Bob Geldof), apenas consegue visualizar imagens semi-reais e distorcidas que o remetem ora para o exame do médico que está a decorrer no momento ora para episódios da sua infância, que constituem as razões do seu refúgio nas drogas. Entra de novo o médico que, tendo terminado o diagnóstico, administra uma injecção a Pink, para que este recupere a tempo de atuar no concerto da sua banda. Surge de novo o refrão, diferente na segunda parte, e que remete para imagens semelhantes da infância de Pink.

Ideia[editar | editar código-fonte]

A ideia da letra de Comfortably Numb surgiu a Roger Waters num dia da digressão do álbum Animals pelos Estados Unidos, onde se encontrava numa situação semelhante à de Pink. Waters sofria de um problema no fígado e teve de ser examinado por um médico num procedimento muito semelhante ao descrito nesta canção. A letra da canção em diversos momentos remetem justamente a esse universo das drogas, solidão e desesperança. Talvez no auge da música, nas últimas estrofes, encontramos uma das frases de efeito mais fortes da música:

"(...) the child's grown the dream's gone and I have become Comfortably Numb".

"(...) a criança cresceu, o sonho se foi e eu me tornei confortavelmente entorpecido".

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Comfortably Numb também é conhecida pelo fato de ter em todas as suas versões, o solo final executado de forma diferente, assim, ganhando várias versões para ser escutada. Foi executada na turnê: Is There Anybody Out There de 1980 a 1981, com David Gilmour tocando-a em um muro de mais de dez metros.

O solo da canção inclusive é constantemente apontado como o maior do grupo e o mais bonito de todos os tempos.

Durante a turnê The Wall Live, em 12 de maio de 2011 na O2 Arena em Londres, David Gilmour tocou e cantou Comfortably Numb em cima de um muro no palco.[1]

Referências



Ícone de esboço Este artigo sobre um single é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.