Eiko Ishioka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eiko Ishioka
Nome completo 石岡 瑛子
Nascimento 12 de julho de 1938
Tóquio, Japão
Nacionalidade japonesa
Morte 21 de janeiro de 2012 (73 anos)
Tóquio, Japão
Ocupação Figurinista, editora de arte e graphic designer
Cônjuge Nicholas Soultanakis (2011–2012)
Oscares da Academia
Melhor Figurino:
Bram Stoker's Dracula (1992)

Eiko Ishioka (石岡 瑛子) (Tóquio, 12 de Julho de 193821 de Janeiro de 2012) foi uma figurinista e diretora de arte e designer gráfica japonesa.[1][2] Ganhou o Oscar de melhor figurino na edição de 1993 por Drácula de Bram Stoker.[3] e foi postumamente indicada na mesma categoria pelo filme de 2012 de Tarsem Singh, Mirror Mirror.[4][5]

Conhecida por seu estilo único, onde ela casava os estilos do Ocidente com o do Oriente[4], Eiko morou em Manhattan por vários anos. Abusava de temas góticos, com tons de erotismo e sensualidade. Seu estilo provocativo foi um dos fatores que atraiu a atenção de Coppola para sua produção de Drácula.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Eiko nasceu em Tóquio, em 1938, filha de um designer gráfico e uma dona de casa. Apesar de ser encorajada para as artes pelo pai, ele a desencorajou a seguir no ramo.[6] Formou-se na Universidade de Artes de Tóquio.[7] Eiko ignorou os conselhos do pai e abriu caminho através da propaganda.[6]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Propaganda[editar | editar código-fonte]

Armadura de Drácula, criada por Eiko, exposta no jardim da casa de Coppola, na Califórnia

Eiko começou a carreira na divisão de propaganda da companhia de cosméticos Shiseido, em 1961 e ganhou um dos prêmios de publicidade mais prestigiados do Japão 4 anos depois. Foi descoberta por Tsuji Masuda, criador da loja Parco, uma das principais redes de lojas de departamento do Japão, no distrito de Ikebukuro. A loja faturou na localidade e começou sua expansão em 1973, tendo sido Eiko a responsável pelo comercial de 15 segundos da marca, o que a tornou responsável pela imagem da rede. Em 1971, ela se tornaria diretora de arte chefe da empresa e em seu trabalho para a empresa ela ficou conhecida pelos comerciais sensuais e pela contratação de Faye Dunaway como garota-propaganda. Em 1983, ela saiu da Parco e abriu sua própria empresa.[2][6]

Em 2003, ela foi a responsável pelo design do logo dos Houston Rockets.[8][9]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em 1985, Eiko foi escalada por Paul Schrader para trabalhar como figurinista no filme Mishima: A Life in Four Chapters. Seu trabalho lhe rendeu um prêmio especial por contribuição artística no Festival de Cannes do mesmo ano.[1] Eiko trabalhou com Francis Ford Coppola no pôster japonês de Apocalypse Now, o que a levou a trabalhar no figurino de Drácula de Bram Stoker, o que lhe rendeu um prêmio da Academia.[1][4] Ela trabalhou com Tarsem Singh em vários outros filmes, como em A Cela, de 2000, The Fall, de 2006, Imortais, de 2011 e em Mirror Mirror.[1][4]

Trabalhou também com figurinos de teatro e de circo. Em 1999, ela foi responsável pelos figurinos de Der Ring des Nibelungen, de Richard Wagner, para o teatro alemão. Foi responsável também pelos figurinos do espetáculo do Cirque du Soleil, Varekai, de 2002. Dirigiu o videoclipe Cocoon, da Björk, em 2002 e criou os figurinos da turnê "Hurricane", de Grace Jones, em 2009.[4][5][6]

Pela capa do álbum Tutu, de Miles Davis, de 1986, Eiko ganhou um Grammy, onde há uma foto em preto e branco do músico, capturada pelo fotógrafo Irving Penn.[1][2]

Jogos Olímpicos[editar | editar código-fonte]

Em 2008, ela foi a responsável pelo figurino da abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, onde se inspirou em obras de arte gregas e africanas e na iconografia asiática.[10] Eiko criou dez mil figurinos para a cerimônia, que deram movimento, textura e atmosfera para os atos da apresentação.[4][10]

Livros[editar | editar código-fonte]

Em 1990 foi lançado Eiko by Eiko, uma coleção de seus trabalhos com arte e design gráfico.[11] Um segundo livro, Eiko on Stage, foi publicado em 2000 com trabalhos novos.[12]

Morte[editar | editar código-fonte]

Eiko morreu em Tóquio, em 21 de Janeiro de 2012, devido a um câncer de pâncreas, aos 73 anos.[1][4][6]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Margalit Fox, ed. (26 de janeiro de 2012). «Eiko Ishioka, Multifaceted Designer and Oscar Winner, Dies at 73». The New York Times. Consultado em 27 de janeiro de 2012 
  2. a b c George Fuller (ed.). «Who was Eiko Ishioka and what are the designs that made her famous?». The Telegraph. Consultado em 11 de maio de 2019 
  3. «88th Academy Awards». Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Consultado em 3 de março de 2017 
  4. a b c d e f g Kayleigh Donaldson (ed.). «FORGOTTEN WOMEN OF GENRE: EIKO ISHIOKA». Syfy Wire. Consultado em 11 de maio de 2019 
  5. a b «The genius of Eiko Ishioka». HT Mint. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 
  6. a b c d e Veronica Horwell (ed.). «Eiko Ishioka obituary». London: The Guardian. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 
  7. «The Image Maker». W Magazine. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 
  8. «The Next BIG Thing». Houston Rockets. Consultado em 16 de agosto de 2012 
  9. «Red's in fashion again / Web sales put Rockets' sleek new look before public». Houston Chronicle. Consultado em 16 de agosto de 2012 
  10. a b Rose Miranda (ed.). «Trailblazer, Provocateur, Visionary». UCLA Library News. Consultado em 11 de maio de 2019 
  11. «Eiko by Eiko». Goodreads. Consultado em 11 de maio de 2019 
  12. «Eiko on Stage». Consultado em 11 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eiko Ishioka