Eletrocirurgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um cirurgião usando um instrumento eletrocirúrgico monopolar de RF para coagular (e dessecar) o tecido na excisão de um lipoma

Eletrocirurgia é o procedimento cirúrgico que utiliza a passagem de corrente elétrica pelos tecidos, com finalidades curativas. Também é chamada de cirurgia por radiofrequência.[1] Consiste na aplicação de uma corrente elétrica alternada de alta frequência (radiofrequência) a um tecido biológico como um meio de cortar, coagular, dessecar ou fulgurar o tecido. [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] Seus benefícios incluem a capacidade de fazer cortes precisos com perda limitada de sangue. Dispositivos eletrocirúrgicos são frequentemente usados durante operações cirúrgicas, ajudando a prevenir a perda de sangue em salas de cirurgia de hospitais ou em procedimentos ambulatoriais. [9]

Em procedimentos eletrocirúrgicos, o tecido é aquecido por uma corrente elétrica. Embora dispositivos elétricos que criam uma sonda aquecida possam ser usados para a cauterização de tecido em algumas aplicações, a eletrocirurgia se refere a um método diferente do eletrocautério. A eletrocauterização usa a condução de calor de uma sonda aquecida a alta temperatura por uma corrente elétrica direta (muito semelhante a um ferro de solda).

A eletrocirurgia, por outro lado, usa corrente alternada de radiofrequência (RF) para aquecer o tecido pela oscilação intracelular induzida por RF de moléculas ionizadas que resulta em uma elevação da temperatura intracelular. Quando a temperatura intracelular atinge 60°C, ocorre a morte celular instantânea. Se o tecido for aquecido a 60–99°C, ocorrem os processos simultâneos de dessecação do tecido (desidratação) e coagulação de proteínas. Se a temperatura intracelular atingir rapidamente 100°C, o conteúdo intracelular sofre uma conversão de líquido em gás, expansão volumétrica massiva e vaporização explosiva resultante.

A eletrocirurgia de RF é comumente usada em praticamente todas as disciplinas cirúrgicas, incluindo procedimentos cirúrgicos dermatológicos, ginecológicos, cardíacos, plásticos, oculares, otorrinolaringológicos, ortopédicos, urológicos, neurológicos, maxilofaciais e cirúrgicos gerais, bem como alguns procedimentos odontológicos.

Modalidades eletrocirúrgicas[editar | editar código-fonte]

No modo de corte, o eletrodo toca o tecido e uma densidade de potência suficientemente alta é aplicada para vaporizar seu conteúdo de água. Visto que o vapor d'água não é condutor em circunstâncias normais, a corrente elétrica não pode fluir através da camada de vapor. O fornecimento de energia além do limite de vaporização pode continuar se uma tensão suficientemente alta for aplicada (> +/- 200 V) [10] para ionizar o vapor e convertê-lo em um plasma condutor. Vapor e fragmentos do tecido superaquecido são ejetados, formando uma cavidade. [11] As superfícies do eletrodo destinadas ao corte geralmente apresentam um fio mais fino ou uma alça de fio, em oposição a uma lâmina mais plana com uma superfície arredondada.

História[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento do primeiro dispositivo eletrocirúrgico comercial é creditado a William T. Bovie, que desenvolveu o primeiro dispositivo eletrocirúrgico enquanto trabalhava na Universidade de Harvard. [9] [12] O primeiro uso de um gerador eletrocirúrgico em uma sala de cirurgia ocorreu em 1º de outubro de 1926 no Hospital Peter Bent Brigham em Boston, Massachusetts. A operação - remoção de uma massa da cabeça de um paciente - foi realizada por Harvey Cushing. [13]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O que é eletrocirurgia? - Dr. Sérgio Ivan Torres Dornelles». SBD-RS. 25 de janeiro de 2018. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  2. Hainer BL, "Fundamentals of electrosurgery", Journal of the American Board of Family Practice, 4(6):419–26, 1991 Nov.–Dec.
  3. Electrosurgery for the Skin, Barry L. Hainer M.D., Richard B. Usatine, M.D., American Family Physician (Journal of the American Academy of Family Physicians), 2002 Oct 1;66(7):1259–66.
  4. "A Simple Guide to the Hyfrecator 2000" Arquivado em 2007-09-28 no Wayback Machine.. Schuco International (London) Ltd.
  5. «Electrosurgical fundamentals». J Am Acad Dermatol. 16: 862–7. 1987. PMID 3571547. doi:10.1016/s0190-9622(87)70113-3 
  6. Bouchier G, "The fundamentals of electro-surgery. High frequency current generators", Cah Prothese, 1980 Jan;8(29):95–106. In French.
  7. Oringer MJ (1960). «Fundamentals of electrosurgery». J Oral Surg Anesth Hosp Dent Serv. 18: 39–49. PMID 14429020 
  8. Reidenbach HD (1993). «Fundamentals of bipolar high-frequency surgery». Endosc Surg Allied Technol. 1: 85–90. PMID 8055306 
  9. a b McCauley, Genard (2003). «Understanding Electrosurgery» (PDF). Aaron Medical. Consultado em 13 de julho de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 23 de maio de 2006 
  10. Palanker, Daniel; Vankov, Alexander; Jayaraman, Pradeep (2008). «On Mechanisms of Interaction in Electrosurgery». New Journal of Physics. 10: 123022. Bibcode:2008NJPh...10l3022P. doi:10.1088/1367-2630/10/12/123022 
  11. Palanker, D.V.; Vankov, A.; Huie, P. (2008). «Electrosurgery with Cellular Precision». IEEE Transactions on Biomedical Engineering. 55: 838–841. doi:10.1109/tbme.2007.914539 
  12. Pollack, SV; Carruthers, A; Grekin, RC (2000). «The History of Electrosurgery». Dermatologic Surgery. 26: 904–8. PMID 11050490. doi:10.1046/j.1524-4725.2000.026010904.x 
  13. Bovie, WT; Cushing, H (1928). «Electrosurgery as an aid to the removal of intracranial tumors with a preliminary note on a new surgical-current generator». Surg Gynecol Obstet. 47: 751–84 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Um Guia Simples para o Hyfrecator 2000 , Richard J Motley, Schuco International Ltd. Cartilha com dispositivos dermatológicos ambulatoriais de baixa potência, como o dispositivo Hyfrecator 2000.
  • Eletrocirurgia para a pele, Barry L. Hainer MD, Richard B. Usatine, MD, American Family Physician (Journal of the American Academy of Family Physicians), 01 de outubro de 2002; 66 (7): 1259-66.
  • Electrosurgical Generator Testing Online Journal da Biomedical Engineering Association of Ireland (BEAI), maio de 1997.
  • Update on Electrosurgery, Judith Lee, Editora Contribuinte, Outpatient Surgery Magazine, fevereiro de 2002.