Engelberga (esposa de Luís II)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Engelberga de Parma)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Engelberga
Imperatriz do Ocidente
Rainha da Itália
Consorte de Luís II da Itália (851 para 875)
Descendência Emengarda
Gisela
Morte Entre 896 e 901
Enterro Abadia de St. Emmeran

Engelberga († entre 896 e 901) foi uma imperatriz do Ocidente e rainha da Itália do século IX pelo seu casamento com Luis II, o Jovem.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Casou-se por volta de 851 ou 852 com Luis II, o Jovem, que seu pai, Lotário I investiu com a dignidade imperial em 850. Lotário morreu em 855, e Luís herdou a Itália. Por volta de 868, ela organiza uma entrevista entre o papa Adriano II e seu cunhado Lotário II, que procura resolver a sua situação conjugal, na esperança de se divorciar de sua esposa Teutberga, para se casar com sua amante Valdrada , e legitimar seus filhos. Mas a entrevista for um fracasso, e Lotário II morreu a 8 de agosto de 869 sem filhos legítimos[1].

Parece que Engelberga acompanhada seu marido numa expedição contra Adalgis, príncipe de Benevento, quando este é capturado em agosto de 871. Ele é o bispo de Benevento, que era capaz de negociar e obter a libertação. Louis II, morreu a 12 de abril de 875.  · [2]

Viúva, ela se tornou freira, juntando-se à abadia de Saint-Sauveur de Brescia em 868[3], onde ela sucede a sua filha Gisela. Em 880, seu genro Bosão proclamou-se rei na Provença e o imperador Carlos, o Gordo suspeita de Engelberga o apoiar, assim faz fechá-la num convento na Alemanha, para lhe permitir voltar para Itália em 882, após a derrota do Bosão. Promove a ascensão do seu neto Luis ao reino, antes de retirar-se para a abadia de Saint Sixtus de Placencia em 896 · .

Posteridade[editar | editar código-fonte]

Engelberga deu à luz:[4]

Referências

  1. Riché 1983, p. 178.
  2. Riché 1983, p. 183.
  3. selon FMG et Settipani 1993, p. 269, mais cette date de 868 est antérieure de huit ans à son veuvage. Peut-être faut-il lire 878 ?
  4. Settipani 1993, p. 269-270.