Epic Mickey 2: The Power of Two

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Epic Mickey 2: The Power of Two
Desenvolvedora(s) Blitz Games Studios (Mac, PC, PS3, Xbox 360)
Junction Point Studios (Wii, Wii U)
Publicadora(s) Disney Interactive Studios
Designer(s) Warren Spector
Compositor(es) James Dooley
Mike Himelstein
Motor Gamebryo
Plataforma(s) Xbox 360, PlayStation 3, Wii, Wii U
Série Epic Mickey (série)
Data(s) de lançamento PlayStation 3, Wii & Xbox 360
Estados Unidos 18 de Novembro de 2012
Austrália 22 de Novembro de 2012
União Europeia 23 de Novembro de 2012
Japão 26 de Setembro de 2013 (Wii)
Wii U

Estados Unidos 18 de Novembro de 2012
União Europeia 30 de Novembro de 2012
Austrália 13 de Dezembro de 2012
Japão 26 de Setembro de 2013

PS Vita

Estados Unidos 18 de Junho de 2013
União Europeia 19 de Junho de 2013

Gênero(s) Plataforma
Epic Mickey

Epic Mickey 2: The Power of Two (Epic Mickey 2: Poder em Dobro BRA ou Epic Mickey: O Regresso dos Heróis POR) é um jogo eletrônico de gênero plataforma do personagem Mickey e de seu novo aliado e amigo, Osvaldo. O jogo, diferente de seu antecessor, foi lançado para Wii, PS3, Xbox 360 e Wii U no dia 18 de Novembro de 2012 na América do Norte. A nova versão para PS Vita foi lançada para 18 de Junho de 2013. Ele é o primeiro jogo da série a ser jogado em modo multiplayer de dois jogadores, além de conter um epilogo e versões HD (exceto para Wii).

História[editar | editar código-fonte]

Após os acontecimentos de Epic Mickey, o Cientista Maluco volta para Wasteland, alegando que tinha mudado e que agora, queria ajudar os moradores a reconstruir a cidade. Contudo, não são todos que acreditam na nova personalidade do ex-vilão, e Gus e Hortência, decidem chamar Mickey de volta para Wasteland, para que ele ajude a descobrir a causa dos terremotos no local e desvendar os planos e intenções do Cientista Maluco.

A História é dividida em 3 capitulos, cada um com um chefe diferente. Além disso, os finais de Epic Mickey 2 são diferentes uns dos outros, tudo depende da forma que você derrota os chefes, resolve tarefas e passa pelos niveis, sendo assim, um final pode alternar-se entre bom ou ruim.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

O jogo foi produzido, além do já esperado Nintendo Wii, para os outros consoles de 7ª geração: Playstation 3 e Xbox 360. Contudo, foi lançada uma versão de ultima hora para Wii U, alem de uma versão para PS Vita estar prestes a ser lançada. A jogabilidade do jogo resolveu um dos maiores problemas do primeiro game da série: a câmera, que agora está mais fácil de ser utilizada, contudo, a memória artificial do game foi afetada com isso e os erros pretendem ser resolvidos na versão para PS Vita.

Esse é o primeiro jogo onde Oswald é controlável pelo jogador, enquanto Mickey sempre será o 1º jogador, Oswald sempre será o 2º, ou controlado pela maquina (CPU). As tarefas são basicamente escolher um caminho para completá-las, enquanto um caminho é curto e traz recompensas maiores, o outro da mais afinidade com os personagens e algumas recompensas valiosas, alem de jeitos mais fáceis de prosseguir na história. Usar a tinta ou diluente para resolver os enigmas é uma tarefa que continua.

Ele foi anunciado para ter dublagens em português do brasil, contudo, a Disney cancelou a dublagem de ultima hora, se limitando a legendas e áudio em inglês.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Epic Mickey 2: The Power of Two não foi tão bem recebido pela critica como esperado, sendo que a versão mais elogiada foi a do próprio Nintendo Wii.

 
Resenha crítica
Publicação Nota
Baixaki Jogos 60/100 (PS3)
60/100 (X360)
Game Informer 5.75/10
GameSpot 8/10 (Wii)
7/10 (X360)
5.4 (PS3)
5.1 (Wii U)
GamesRadar 3.5 de 5 estrelas.
IGN 6.0/10
Eurogamer 4/10
Videogamer 5/10
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic 64/100 (Wii)
59/100 (PS3)
59/100 (X360)
57/100 (Wii U)
GameRankings 67.60% (Wii)
60.80% (X360)
57.83% (PS3)
55.42% (Wii U)

O site Baixaki Jogos elogiou o jogo ao dizer sobre os elementos Disney presentes no jogo, graficos HD, o modo cooperativo do jogo e o uso do PS Move, falando que "Utilizar o Move para controlar os heróis flui bem e até mesmo a câmera se ajusta de maneira eficiente na maioria das vezes". Contudo, o site criticou a inteligencia artificial, os ângulos da câmera escolhidos e a forma vaga da qual as missões são dadas no jogo, dizendo que "Quem estiver decidido a completar a aventura de Epic Mickey pode se preparar para quebrar a cabeça em diversos momentos". O IGN recomendou o jogo para quem realmente é fã da Disney, falando que "apenas os mais fanáticos pela Disney vão querer jogar de novo", e ainda elogiou os gráficos e disse que o jogo funciona muito melhor com um amigo controlando Oswald, mas ainda questionou alguns erros visíveis, como os objetivos repetitivos, os problemas da câmera e que não existe resposta da inteligencia artificial.

A melhor analise foi pelo Gamespot elogiou a história rica e suas musicas cantadas, além de elogiar os gráficos do jogo e dizer que a história "tem números musicais que dão vida e um vibre alegre ao jogo". Mas falou que Oswald não tem utilidade no jogo e que quando controlado pela maquina, isso só tende a piorar. O site classificou a versão para Wii, como a melhor lançada.

O Gameinfromer elogiou os elementos Disney icônicos, os designs em HD e os niveis em 3D do jogo, e que o sistema de tinta e diluente ainda é divertido. Mas falou que a inteligencia artificial é totalmente inútil no jogo e que usar o controle remoto de Oswald é menos interessante que a de usar o pincel, e que a não há muito para fazer no jogo, sendo que tarefas em locais escondidos são opcionais.

O Videogamer questionou a falta de escuridão e a parte sombria do mundo, falando que a história e os personagens não eram tão marcantes e ainda questionou os controles, dizendo que "ficaria surpreso com um terceiro jogo". Contudo, ele ainda elogiou a versão para Wii como a melhor e dizendo que a mecânica de tinta e diluente ainda funciona bem. A Gamesradar criticou o fato de somente o Cientista Maluco cantar no game e disse que isso é imemorável, a inteligencia artificial foi outra vez alvo de criticas, junto com a câmera.As belas paisagens do jogo foram elogiadas, junto com as habilidades paralelas de cada personagem, mas completou falando que o game, é menos extravagante que o original.

O Eurogamer de uma nota quatro de dez, criticando a história e classificando Oswald como um personagem "não necessário" ou "que suas habilidades fazem o segundo jogador, se sentir enganado", além de voltar a questionar a qualidade da câmera e classificando como "um jogo para crianças". O único motivo para jogar dito na analise foram as texturas em HD disponiveis para Playstation 3 e Xbox 360 e disse que os lugares, como Autotopia e Bog Easy, também são lugares de bom design e que vale a pena explorar seus níveis. A Gamesradar criticou o fato de somente o Cientista Maluco cantar no game e disse que isso é imemorável, a inteligencia artificial foi outra vez alvo de criticas, junto com a câmera.As belas paisagens do jogo foram elogiadas, junto com as habilidades paralelas de cada personagem, mas completou falando que o game, é menos extravagante que o original.

Referências