Estados Unidos das Ilhas Jônicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Ηνωμένον Κράτος των Ιονίων Νήσων (grego)
Inoménon-Krátos ton Ioníon Níson
Stati Uniti delle Isole Ionie (italiano)

Estados Unidos das Ilhas Jônicas

Protetorado do Reino Unido

Flag of the Septinsular Republic.svg
1815 – 1864 State Flag of Greece (1863-1924 and 1935-1973).svg
Localização de Ilhas Jônicas
O território da República estendido para as sete ilhas principais, mais as ilhotas menores do Mar Jônico
Continente Europa
Região Bálcãs
País Grécia
Capital Corfu
Língua oficial grego
italiano
Religião Ortodoxa Grega
Governo República federal
História
 • 9 de Junho de 1815 Congresso de Viena
 • 9 de Novembro de 1815 Fundação
 • 26 de Agosto de 1817 Constituição
 • 29 de Março de 1864 Tratado de Londres
 • 28 de Maio de 1864 Cedido para a Grécia
Área
 • 1864 2 659 km2
População
 • 1864 est. 236 000 
     Dens. pop. 88,8 hab./km²
Moeda Óbolo (1818–64)
Atualmente parte de  Grécia

Estados Unidos das Ilhas Jônicas (em grego: Ἡνωμένον Κράτος τῶν Ἰονίων Νήσων; transl.: Inoménon-Krátos ton Ioníon Níson; em italiano: Stati Uniti delle Isole Ionie) foi um estado e protetorado do Reino Unido entre 1815 e 1864, sendo o Estado sucessor da República Septinsular. Cobria o território das Ilhas Jônicas, na Grécia moderna, e foi cedido à Grécia como um presente do Reino Unido para o recém-entronizado rei Jorge I,[1] dando um fim ao protetorado.

História[editar | editar código-fonte]

Antes das guerras revolucionárias francesas, as Ilhas Jônicas haviam sido parte da República de Veneza. Quando o Tratado de Campoformio de 1797 dissolveu a República de Veneza, as ilhas foram anexadas à República Francesa, criando os departamentos franceses da Grécia. Entre 1798 e 1799, os franceses foram expulsos por uma força conjunta russo-otomana. As forças de ocupação fundaram a República Septinsular, que gozava de relativa independência sob a suserania nominal otomana e controle russo de 1800 até 1807.

As Ilhas Jônicas seriam então ocupadas pelos franceses após os Tratados de Tilsit. Em 1809, o Reino Unido derrotou a frota francesa ao largo da ilha de Zaquintos em 2 de outubro, e capturaram Cefalônia, Citera e Zaquintos. Os britânicos tomaram Lêucade em 1810. A ilha de Corfu permaneceu ocupada pelos franceses até 1814.

O Congresso de Viena acordou em colocar as Ilhas Jônicas sob a exclusiva "proteção amical" do Reino Unido. Apesar da administração militar britânica, o Império Austríaco assegurou um estatuto comercial equivalente ao do Reino Unido. O acordo foi formalizado com a ratificação da Constituição de Maitland em 26 de agosto de 1817, que criou uma federação de sete ilhas, com o tenente-general sir Thomas Maitland como o primeiro Alto Comissário das Ilhas Jônicas.

Em 29 de março de 1864, representantes do Reino Unido, Grécia, França e Rússia assinaram o Tratado de Londres, prometendo a transferência de soberania para a Grécia após a sua ratificação; com a intenção de reforçar o reinado do recém-instalado rei Jorge I. Assim, em 28 de maio, pela proclamação do Alto Comissário, as Ilhas Jônicas uniram-se com a Grécia. [2]

Referências

  1. The Times (London) 8 June 1863 p. 12 col. C
  2. Hertslet, Edward. The map of Europe by treaty (PDF). [S.l.: s.n.] p. 1609 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]