Felizmente Há Luar!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Felizmente Há Luar!
Felizmenteháluar.jpg
Capa do livro.
Autor (es) Luís de Sttau Monteiro
Idioma português
País  Portugal
Assunto Repressão e Censura
Género Dramático
Linha temporal 1817
Localização espacial Lisboa
Ilustrador Almortão
Editora Areal Editores
Lançamento 1961
Páginas 140
ISBN 978-972-627-744-6

Felizmente há luar! é uma obra literária, drama narrativo de carácter épico, publicada em 1961 pelo dramaturgo Luís de Sttau Monteiro e adaptada para teatro pelo próprio autor.

Após a publicação de Angústia para o Jantar, esta peça celebrizou Sttau Monteiro no teatro português, sendo bem recebida pela crítica da época e tornando o autor um dos mais importantes dramaturgos contemporâneos europeus.

A história relatada na obra é baseada na frustrada tentativa de uma revolta liberal no ano de 1817, cujo alegado (mas nunca confirmado) líder seria Gomes Freire de Andrade. Recriada em dois actos, a sequência de factos históricos ocorridos em Outubro desse mesmo ano, que conduziu ao cárcere e ao enforcamento de Gomes Freire de Andrade, no forte de São Julião da Barra, acto este levado a cabo pelo regime do marechal Beresford e apoiado firmemente pela Igreja.

Vigoroso apelo ético, inserido numa forma de dissertação do autor sobre a repressão política injusta e perseguições de que os cidadãos do Portugal da década de 1960 sofriam, a peça era legivelmente uma oposição política ao regime então em vigor e um incentivo à revolta. Denominada pelo próprio autor «apoteose trágica», foi censurada posteriormente à sua publicação e proibida até 1974.

A obra, publicada em 1961, foi aclamada pela crítica e levou o autor a consagrar-se como dramaturgo ao receber o Grande Prémio de Teatro da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses (actual SPA).[1]

Todavia foi censurada pelo Estado Novo. Em 1962 o autor tentou encenar a peça no Teatro Experimental do Porto, mas não conseguiu sucesso junto das autoridades. A sua primeira encenação aconteceu em Paris, em 1969. Só em 1975 foi a palco em Portugal, pelo TEB - Teatro Ensaio do Barreiro seguindo-se, em 1978, a representação pela companhia do Teatro Nacional D. Maria II.[2] Em 2001, a peça foi encenada pela primeira vez no Teatro Experimental do Porto, uma vez que a primeira tentativa falhou.

Em cena durante 10 anos (2006-2016) no Teatro Cinearte, em Lisboa interpretado pela Companhia de Teatro A Barraca, numa encenação de Hélder Costa, com Maria do Céu Guerra, Jorge Gomes Ribeiro, Luis Thomar, Adérito Lopes, Pedro Borges, Rita Fernandes, Sérgio Moras, Sérgio Moura Afonso e Susana Costa. Este elenco esteve presente, com este espectáculo, como convidado especial, na III Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo, realizada no Centro Cultural de São Paulo, no Brasil, em Maio, de 2008.

Análise da obra[editar | editar código-fonte]

Tempo[editar | editar código-fonte]

  • Tempo histórico: século XIX (1817);
  • Tempo da escrita: 1961, época marcada pelo conflito entre o regime salazarista e a oposição;
  • Tempo da acção dramática: a acção ocorre durante dois dias;

Espaço[editar | editar código-fonte]

  • Espaço físico: a acção desenrola-se em vários locais, tanto exteriores como interiores, mas estes sem indicações cénicas;
  • Espaço social: os diferentes espaços sociais são distinguidos através da linguagem das personagens e do seu vestuário;

Simbologia[editar | editar código-fonte]

Em felizmente há luar são visíveis vários símbolos, entre eles:

  • A Saia verde: Encontra-se associada à esperança devido à cor da mesma e à liberdade, uma vez que foi comprada numa terra livre ou seja em Paris.
  • A luz: símbolo da vitória contra a escuridão (opressão e falta de liberdade), pode referir-se quer à fogueira quer ao luar.
  • A Moeda de cinco reis: símbolo do desrespeito e soberania que os mais poderosos mantinham para com o povo.
  • Os Tambores: símbolo da repressão do povo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marta Rosa; Joana d’Eça Leal; Centro de Estudos de Teatro. «Luís de Sttau Monteiro». Instituto Camões. Consultado em 2016-05-23. 
  2. «Ficha de Pessoa : "Luís de Sttau Monteiro"». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 8 de Março de 2013. Consultado em 2016-05-23. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Sttau Monteiro (2009). Felizmente Há Luar! Areal Editores [S.l.] 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]