Flash Gordon no Reino das Cavernas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Flash Gordon no Reino das Cavernas
Álbum de luxo da série Flash Gordon
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
País de origem EUA
Fascículos Suplemento Juvenil
Formato de publicação 47,50 cm x 33 cm
Encadernação capa dura
Primeira edição Setembro de 1974
Autor(es) Alex Raymond
Desenho Alex Raymond
Personagens principais Flash Gordon
Dale Arden
Imperador Ming
Local da acção Rio de Janeiro, Brasil
Editora(s) lusófona(s) EBAL
Número de páginas 72
Títulos da série Flash Gordon
Flash Gordon no Planeta Mongo
Flash Gordon no Mar do Mistério

Flash Gordon no Reino das Cavernas foi uma publicação especial de histórias em quadrinhos lançada no Brasil, em setembro de 1974, pela Editora Brasil-América - Ebal, como parte das comemorações dos 40 anos do surgimento das pranchas dominicais de Flash Gordon no país[1]. A edição é um álbum de luxo, contendo 72 páginas e capa dura assinada por Antônio Monteiro Filho que usou ilustrações de Alex Raymond, o artista criador da série.[2]

No ano anterior, a mesma editora publicara um primeiro volume, "Flash Gordon no Planeta Mongo"[2], que trazia as primeiras tiras do herói espacial, a partir de uma antiga edição de 1936 da Grande Consórcio de Suplementos Nacionais (empresa anterior de Adolfo Aizen)[2] também aproveitada pela editora francesa Éditions Serg[3], pois a King Features, detentora dos direitos do personagem, já não possuía mais as tiras originais, A editora adotou o mesma alternativa em álbuns da tira Príncipe Valente[4] As tiras originais reunidas nesse volume datam de 3 de março de 1935 a 5 de abril de 1936 e compõe a seguinte série de histórias:

S004 - "The Caverns of Mongo" (3/3/35 a 14/04/35)
S005 - "Witch Queen of Mongo" (21/04/35 a 13/10/35)
S006 - "At War with Ming" (20/10/35 a 5/4/36)

No Brasil, as tiras saíram originariamente no Suplemento Juvenil (a primeira na edição nº 77 de 4/6/35 e a última na edição n° 232 de 9/6/36, circulando todas as terças-feiras). A editora ainda publicaria seis álbuns no mesmo formato[5].

Tramas[editar | editar código-fonte]

No segundo volume, as tiras republicadas dão continuidade a aventura narrada no primeiro volume. Os editores então incluíram um texto com o resumo da história publicada anteriormente.

Síntese do resumo do primeiro volume[editar | editar código-fonte]

No volume anterior é narrado como um cometa aparece em rota de colisão com a Terra. O brilhante cientista Hans Zarkov prepara um projétil para desviar o astro errante. Enquanto isso, o esportista e universitário de Yale, Flash Gordon, e a bonita Dale Arden, sofrem um acidente de avião e caem nas proximidades de onde se encontra o aparelho de Zarkov. Achando que são espiões, o cientista os obriga a entrarem com ele no projétil. O trio sofre novo acidente que desvia o cometa mas acorda no Planeta Mongo, governado pelo Imperador Ming, o Impiedoso.[2] Flash é condenado à morte e Dale é forçada a ficar noiva do imperador. A princesa Aura, filha de Ming, salva Flash e este consegue impedir o casamento de Dale. Na luta, o príncipe Barin se alia a Flash Gordon. Na sequência final, Ming é forçado a concordar com um torneio no qual saem vencedores Flash Gordon junto de um guerreiro mascarado, que se revela como o príncipe Barin. Como prêmio, Barin recebe o Reino das Florestas Bravias e a mão da Princesa Aura; e Flash Gordon fica com o Reino das Cavernas e Dale Arden.

Segundo volume[editar | editar código-fonte]

No segundo volume, Flash Gordon se torna o Rei Flash I e sai para conhecer seu reino. Falam que no reino habitam selvagens homens das cavernas, os monstruosos homens-lagartos e os misteriosos homens mágicos. Flash enfrenta o chefe dos homens das cavernas e com sua vitória, os nativos concordam em se tornarem seus súditos. Já os homens-lagartos são selvagens demais e Flash tem que destrui-los. Ao se aproximar da Terra dos Homens Mágicos, a rainha feiticeira deles, Azura, se enamora de Flash e tenta conquistá-lo. Ela o torna prisioneiro e o faz tomar uma poção de esquecimento, enquanto Dale e Zarkov são escravizados e trabalham na cozinha do palácio.O exército de homens-pássaros resolve invadir a Terra Mágica para resgatar Flash Gordon e seus companheiros, mas o herói terrestre organiza as forças da Rainha Azura e combate os amigos. Flash consegue recuperar a memória e foge do palácio da Rainha, com Dale e Zarkov. Graças a uma máquina criada por Zarkov, Flash fica invisível (apenas sua sombra é vista) e ataca os soldados da rainha. Ele consegue capturá-la e na fuga vai parar na terra dos Guerreiros Anões. Livrando-se da ameaça, Flash consegue o agradecimento da Rainha mas ao retornar a sua cidade, ficam sabendo que o trono foi tomado por Tahl. Com a ajuda dos homens-pássaros, Flash consegue derrotar Tahl e recoloca a Rainha Azura como chefe da Terra Mágica. Com a concordância dela em se tornar sua súdita, Flash pede a Ming o reconhecimento dele como Rei de Kira, o Reino das Cavernas. Mas Ming, sob pretexto de Flash não ter se casado com Azura, não dá o reconhecimento. Então Flash declara guerra a Ming, tendo como aliados Vultan, o rei dos homens-pássaros, e Barin, rei das Florestas Bravias. O Rei Orax, do povo de fogo, se alia a Ming. Os confrontos se sucedem até que Flash e seus companheiros são obrigados a fugirem em direção ao Mar do Mistério (tiras republicadas em 1978 também pela Ebal) .

Referências

  1. Roberto de Sousa Causo (2003). Ficção Científica, Fantasia e Horror no Brasil - 1875 a 1950. [S.l.]: Editora UFMG. 188 páginas. 9788570413550 
  2. a b c d Toni Rodrigues (19 de dezembro de 2008). «Flash Gordon no Planeta Mongo (Ebal)». Universo HQ 
  3. Maria Beatriz Furtado Rahde (2000). Imagem: estética moderna & pós-moderna. [S.l.]: EDIPUCRS. 169 páginas. 9788574301426 
  4. Franco de Rosa (2006). «Príncipe Valente - Obra-Prima restaurada!». São Paulo: Editora Escala. Crash (1). 49 páginas 
  5. Marcelo Naranjo (30 de abril de 2003). «Flash Gordon, de Alex Raymond, voltará as livrarias». Universo HQ