Frente Revolucionária Síria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Frente Revolucionária Síria
Participante na Guerra Civil Síria
Flag of Syria 2011, observed.svg
Datas 2013 - presente
Ideologia Anti-Assad
Facções:
Islamismo
Democracia Islâmica
Secularismo
Pró-Turquia
Objetivos Derrube do governo de Bashar al-Assad
Organização
Parte de Flag of Syria 2011, observed.svg Exército Livre Sírio
Líder Jamal Maarouf
Sede Norte da Síria
Área de
operações
Norte e Sul da Síria
Efetivos
  • 10.000 - 15.000 (2014)
  • 7.000 (2016)
Relação com outros grupos
Aliados  Turquia
 Catar
Jordânia (até 2018)
Arábia Saudita (até 2017)
 Estados Unidos (até 2015)
Logo of Jaysh al-Islam.jpg Jaysh al-Islam
Flag of the Army of Mujahedeen (Syria).png Exército dos Mujahidin
Inimigos  Síria
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Estado Islâmico
Flag of Jabhat al-Nusra.jpg Jabhat al-Nusra
Flag of Jund al-Aqsa.svg Jund al-Aqsa
Conflitos
Guerra Civil Síria

A Frente Revolucionária Síria (em árabe: جبهة ثوار سوريا‎, Jabhat Thowar Suriya, FRS, também traduzida como Frente Rebelde Síria) é, de acordo com jornal libanês Daily Star, uma aliança de 14 grupos islamistas moderados e alguns grupos armados laicos combatendo em nome do Exército Livre Sírio (ELS)[1][2]. De acordo com a imprensa israelita, a formação da FRS foi vista como mais uma prova do enfraquecimento do ELS e da sua liderança no Conselho Militar Supremo[3]. A Frente foi criada como uma resposta à fundação da Frente Islâmica, uma aliança de diversos grupos radicais islamistas[3].

História[editar | editar código-fonte]

Facção do Norte da Síria[editar | editar código-fonte]

Em Dezembro de 2013, após combates iniciais, a Frente Islâmica e a Frente Revolucionária concordaram em se reconciliar[4]. A coligação era liderada por Jamal Maarouf, líder da Brigada Mártires de Idlib, o maior grupo membro das FRS sediado em Jabal Zawiya, na província de Idlib[5]. A FRS apoio a II Conferência de Genebra sobre a Síria que pretendia resolver a Guerra Civil Síria[5]. O grupo recebeu apoio financeiro da Arábia Saudita, enquanto é relatado que os Estados Unidos apenas ofereceram apoio humanitário à FRS como comida, medicamentos e cobertores, em parte pelo receio das ligações da FRS ao tráfico, mercado negro e extorsão[6][7].

100 membros da FRS morreram em confrontos contra Jabhat al-Nusra, na zona de Jisr al-Shughur em 16 de Julho de 2014[8].

No final de Outubro de 2014, novos confrontos eclodiram entre a FRS e os jihadistas da Al-Nusra na região de Idlib, com relatos que nos dias seguintes, vários combatentes da FRS a desertarem para se juntarem à Al-Nusra[7]. Com isto, o grupo viria perder o controlo de várias localidades após serem forçados a se retirarem[7]. Maarouf e alguns dos seus apoiantes decidiram retirar-se para a Turquia, embora metade dos combatentes da FRS tenham ficado em Idlib e conciliaram-se com os radicais.

Em 5 de Maio de 2015, alguns membros do Movimento Hazzm, um antigo grupo afiliado à FRS no norte, em conjunto com a Frente Curda, a Brigadas Amanhecer da Liberdade e outros pequenos grupos do ELS formaram o Exército dos Revolucionários[9][10], entrando em aliança com as forças curdas dentro das Forças Democráticas Sírias. Outros dos seus ex-combatentes no norte decidiram juntar-se à Frente do Levante.

Durante a intervenção militar turca na Síria em 2016, alguns antigos militantes da FRS e do Movimento Hazzm que estavam exilados na Turquia voltaram à Síria para se juntarem aos rebeldes pró-turcos[11].

Facção do Sul da Síria[editar | editar código-fonte]

O grupo continuou activo no sul da Síria, como membro da Frente do Sul, estando dentro da Primeiro Exército da Frente do Sul. Em 2 de Março de 2016, uma explosão de um carro-bomba na sede da FRS em Quneitra e provocou a morte de 5 dos principais líderes militares do grupo[12]. Pouco depois, em 2016, a FRS no sul dividiu-se em 3 grupos, com o comandante local da FRS a se juntar às forças governamentais.

Em 6 de Abril de 2017, a FRS e Jabhat Ansar al-Islam entraram em confrontos na zona de Quneitra, resultando em 7 mortos. As forças governamentais bombardearam a mesma zona, que resultou num cessar-fogo entre os dois grupos rebeldes[13].

Em 31 de Julho de 2017, 5 grupos da FRS em Daara e Quneitra uniram-se na 1.ª Divisão de Infantaria e estabeleceram uma estrutura unificada liderada pela FRS[14].

No verão de 2018, após o governo Sírio ter retomado o controlo sobre o sul da Síria, os membros da FRS foram evacuados para as zonas rebeldes no norte da Síria[15].

Referências

  1. «FSA alliance pushes back against Islamic Front | News , Middle East | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  2. «Syrian Revolutionary Front | Terrorist Groups | TRAC». www.trackingterrorism.org. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  3. a b «Syria: New Rebel Alliance to Rival Islamists». Israel National News (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  4. «FSA alliance pushes back against Islamic Front | News , Middle East | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  5. a b «Syrian opposition says to attend talks, backed by rebel fighters | News , Middle East | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  6. «The Syria Revolutionaries' Front». Carnegie Middle East Center (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  7. a b c «Al Qaeda group seizes bastion of Western-backed rebels in Syria's...». Reuters (em inglês). 1 de novembro de 2014 
  8. «After ISIL, Jabhat al-Nusra announces Islamic Emirate in Syria | ARA News». aranews.net. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  9. archicivilians (3 de maio de 2015). «#Syria: Seven FSA groups (incl. Jabhat Akrad, Shams Shamal & Homs Revolutionary Union) form "The Revolutionary Army".pic.twitter.com/9RdGUWljF3». @archicivilians (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  10. Obs, Syrian Rebellion (3 de maio de 2015). «#SRO - EXCLUSIVE - Former Hazzm and #SRF forces allied with kurds and some #FSA small units to create Jaysh al-Thuwar (in 4 governorates).». @Syria_Rebel_Obs (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  11. «تنذر بخروج «الفصائل العربية» منه: ارتدادات التدخل التركي تهز تحالف قوات سوريا الديمقراطية شرق الفرات». القدس العربي (em inglês). 3 de setembro de 2016. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  12. «Rebels Merge to Form 'Battalion of Soqour al-Sham'». The Syrian Observer. 23 de março de 2015. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  13. «Welcome all4syria.info - BlueHost.com». www.all4syria.info. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  14. «جبهة ثوار سوريا تعلن عن هيكلية جديدة وتشكيل الفرقة الأولى مشاة». تيار الغد السوري (em árabe). Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  15. «Rebels, families start evacuating Syria's Daraa after deal with gov't - Xinhua | English.news.cn». www.xinhuanet.com. Consultado em 8 de janeiro de 2019