Grand Funk Railroad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Grand Funk Railroad
Informação geral
Origem Flint, Michigan
País  Estados Unidos
Gênero(s) Hard rock, blues rock, heavy metal
Período em atividade 19681977
19801983
1996–atualmente
Gravadora(s) Capitol, MCA, Full Moon
Integrantes Don Brewer
Mel Schacher
Max Carl
Bruce Kulick
Timothy "Tim" Cashion
Craig Frost
Ex-integrantes Mark Farner
Dennis Bellinger
Howard Eddy, Jr.

Grand Funk Railroad (ou simplesmente Grand Funk) é uma banda de rock da década de 1970, descoberta em 1969 no Atlanta Pop Festival, que chegou a ser uma grande sensação do rock para os jovens no final dos anos 60 e começo dos anos 70.

História[editar | editar código-fonte]

O grupo Grand Funk Railroad nasceu em 1964, na cidade de Flint, Michigan, Estados Unidos, quando quatro amigos se juntaram para formar uma banda. Seu nome original era Jazzmasters e não tocavam jazz como o nome sugere, "mestres do Jazz", mas faziam um rock'n roll tão alto quanto seus amplificadores podiam suportar. Era formado por: Mark Farner, guitarra e vocal; Don Brewer, bateria e vocal; Craig Frost, órgão e piano e Mel Schacher, baixo elétrico.

Tocavam em clubes e escolas da cidade, até que em 1967, Terry Knight, um rapaz de 20 anos, um ano mais velho do que os músicos do "Jazzmasters", assistiu a apresentação daquela noite. Knight era mais maduro e ambicioso, um visionário que já tivera seu próprio programa na rádio local, tinha trabalhado em uma emissora em Detroit e nesta noite de 67 ele, desempregado, estava decidido a se tornar vocalista de uma banda de rock. Da reunião entre Terry Knight e Jazzmasters, nasceu o "Terry Knight & The Pack".

"The Pack" era a união dos esforçados rapazes do "Jazzmasters" com as propostas do ex disk-jockey Terry Knight. Knight fez grandes planos com Mark Farner e o restante do grupo, mas só conseguiu um tímido contrato de gravação para a etiqueta "Cameo/Parkway", do serviço local, embora já tivessem lançado artistas de peso como Chubby Cheker e Dee Dee Sharp entre outros. Na visão de Knight, o som do grupo seguia aproximadamente o estilo dos "Rolling Stones", embora sóbrios e fez sucesso na região, chegando à cidade de Detroit, que tem certa tradição em rock.

No início de 1968 o "Pack" e Knight se separam e seguem cada um seu próprio caminho. O "Pack" retorna aos shows em clubes, boates e colégios e Knight tenta carreira solo como cantor romântico, estilo Donovan, mas nenhum deles decolou. Pack e Knight se reencontram no final de 1968 e, na versão de Knight, foi Don Brewer que escreveu para ele em Detroit, solicitando novamente a sua ajuda porque os rapazes do "Pack" estariam passando fome, quase a ponto do grupo se dissolver. Aliás, já tinham perdido dois dos seus integrantes. Mas o grupo diz em sua versão que Knight, após perceber que não levava jeito mesmo como cantor, tentou arrumar emprego em rádios e gravadoras e como não conseguiu, voltou a procurar o pessoal do "Pack" em Cape Cod. É provável que as duas versões sejam a expressão da verdade, pois a esta altura, havia sobrado apenas Mark Farner e Don Brewer no Pack, e enquanto este procurava um novo baixista, Knight corria para tentar um novo e salvador contrato para o grupo.

Desta vez foram bem sucedidos. O novo baixista era um antigo amigo de Don, Mel Schacher, ex integrante da banda Question Mark & The Misterians, que fez sucesso com 96 Tears, e o contrato foi com a gravadora Capitol, por apenas seis meses. O grupo agora é um trio e tinha novo nome, Grand Funk Railroad, inspirada na estrada de ferro Grand Trunk Western, da cidade de Flint. Há quem diga que o contrato se deveu às estratégias de Knight, que envolveram a influência de conhecidos seus como a modelo Twiggy e o seu namorado Justin de Villeneuve junto aos executivos da Gravadora Apple, embora a versão oficial do grupo de que tudo se deu a partir de uma revisão de posição da Capitol, que resolvera dar uma segunda chance aos ex integrantes do antigo "Pack", que já havia gravado lá e não fora bem sucedido. Terry Knight desiste de ser cantor e agora empresaria e produz o grupo a partir de 1969, um bom ano para os novos grupos de rock.

Dois fatores foram claramente favoráveis ao sucesso do Grand Funk Railroad: sua participação no Festival de Altamont e, em termos de mercado musical, a separação dos Beatles, que acabou gerando novas oportunidades nas gravadoras, sequiosas para investir nas bandas promissoras, pois haviam testemunhado níveis nunca antes alcançados de lucro com os Beatles. Quanto aos Stones, em contraposição aos Beatles, e que também estiveram no festival de Altamont, tiveram sua credibilidade bastante arranhada na época, com os incidentes durante o seu show. Mick Jagger, apesar de várias tentativas, inclusive ameaçando parar o show, fora impotente diante da violência que resultou em morte e envolveu a gangue de motociclistas dos Hells Angels. Um jovem drogado havia derrubado a motocicleta Harley Davidson de um dos integrantes da gangue e acabou morto por isto, enquanto Mick Jagger tentava em vão acalmar os ânimos exaltados.

Neste clima, os jovens já não acreditavam mais nem no governo, nem em seu país, nem no sistema. Estavam cheios de dúvidas, medos e incertezas, culminando com a guerra do Vietnam que se prolongava, roubando cada vez mais vidas dos adolescentes convocados para lutar no conflito. Foi neste ambiente onde floresceu a contracultura que o Grand Funk pode tornar-se uma fonte de identificação para aquela multidão de jovens desalentados, com suas letras contestadoras, pacifistas e seu rock ao mesmo tempo rebelde, inovador, harmônico e agressivo para a época,

Terry Knight, com sua visão política e abrangente dos fatos, providenciou para que Mark, Dom e Mel estivessem no lugar certo, na hora certa, tocando e declarando o os jovens esperavam deles, uma saída, um questionamento, uma luz de rebeldia contra o matadouro do rebanho conformado, que era a guerra combinada com a corrupção política. Foram feitas duas apresentações em lugares pequenos, para que Terry Knight pudesse afinar o som do grupo, acertar corretamente o tom da apresentação. A partir daí criou todo um estilo na nova atitude de palco do grupo, turbinado por novos e potentes amplificadores de qualidade. Desta forma o Grand Funk faz sua estreia oficial em 4 de julho de 1969 no Atlanta Pop Festival, tocando para 180 mil pessoas de graça, mas se destacam e acabam por roubar o show de grupos participantes mais conhecidos. Da noite para o dia se tornam os preferidos da nova geração, os campeões americanos do rock pesado da época.

A crítica, conservadora, é unânime em massacrar o Grand Funk Railroad: "sua música nem chega perto da perfeição de sua imagem", disse Michael Oldfield da Melody Maker. "Todos são ruins demais, mas o pior de todos é Don Brewer, cuja técnica de bateria é simplesmente pavorosa". Mas era moda estraçalhar os pretendentes a grandes bandas. Sob a orientação de Terry Knight o Grand Funk vai assimilando as críticas, se aperfeiçoando dia a dia e se torna realmente um fenômeno de vendas e público, à revelia da crítica.

Da estréia do Grand Funk em 1969 até então, eles só conhecem o sucesso avassalador e críticas cada vez mais ferozes. Não se importam, pois com o aconselhamento de Terry Knight evitam contato com a imprensa. Compram a briga com declarações como esta, "os jovens nos aclamaram, mas os críticos nos detestam. Afinal, quem não entende de rock são os críticos, eles odeiam o Grand Funk porque criamos algo novo na cultura e somos apenas três rostos anônimos, iguais a tantos outros nesta multidão revolucionária de jovens." Tom Brewer chega a declarar que "nosso sucesso aconteceu tão rápido que os críticos nos sentiram empurrados por suas goelas e sabemos que seu maior orgulho e desejo é serem considerados justamente por descobrir e predizer novos talentos para o público, jamais o contrário..."

Por cima das opiniões da crítica e cercados por uma barreira de som, o Grand Funk Railroad foi batendo todos os recordes, com discos de ouro e de platina a cada LP de vinil lançado. Em 1971 conquistam seu troféu mais precioso: batem os Beatles, vendendo a lotação completa do Shea Stadium de New York (12 mil lugares) em apenas 72 horas. Mel Schacher, em contraponto à fase psicodélica dos Beatles, na oportunidade diz, "somos radicalmente contra todas as drogas e eu sei que muita gente pensa que só tocamos se as usarmos, mas a única coisa que usamos é a nossa própria energia e a vibração de estar no palco diante de tantas pessoas, por isso não queremos nem precisamos de mais nada além de nossa própria adrenalina."

Em 1971 a banda de Knight chega ao seu auge. Seus rostos estão pintados num gigantesco out-door sobre a Times Square, as rádios ainda não tocam seus discos e os jornais os ignoram, no entanto continuam vendendo discos e lotando todos os shows nos estádios. Já no início de 1972 Knight descobre que John Eastman, advogado e cunhado de Paul McCartney era o novo administrador do trio e que a sua sociedade com a banda Grand Funk Railroad fora dissolvida por seus abusos nas finanças do grupo três meses antes de findar o seu contrato.

Dois anos depois, Mark Farmer comentaria: "ele sempre foi nosso líder, e estivemos sob as suas asas de proteção, mas ele também nos traiu nas finanças e por culpa dele mesmo a fonte secou, o Grand Funk não está mais com Terry Knight. Então, convide-o para o palco e veja o que ele faz e depois ponha a gente no mesmo palco e veja o que realizaremos." Batalhas legais se arrastam por mais de dois anos, enquanto o mundo do rock aguardava ansioso, todos se perguntando se o Grand Funk sobreviveria só com sua música, alijados do cérebro de Terry Knight.

O primeiro álbum sem a direção de Terry Knight se chama, a propósito, Phoenix, o pássaro que renasce das cinzas e é um disco tendendo para o instrumental, com a novidade da volta de um velho integrante dos tempos do Pack nos teclados, Craig Frost. "Phoenix" não foi o álbum para cima que nossos fãs esperavam, mas foi exatamente como nos sentíamos na época, abalados com os acontecimentos. Quando Phoenix saiu, muitos de nossos fãs devem até ter se assustado", disse Don Brewer. "Não era exatamente o som do "Grand Funk" ao qual todos estavam acostumados, mas era ainda mais sofisticado e mais instrumental. Ficamos muito ansiosos em saber como nossos fãs o aceitariam." Mas a leal geração de fãs do Grand Funk estranhou de início, mas acabou por ficar com eles e o album Phoenix demorou um pouco mais que os outros, mas também ganhou igualmente o seu disco de ouro, mesmo sendo avançado para a época.

É com o próximo LP, We're An American Band, produzido por Todd Rundgreen, mais pop e comercial, especialmente elaborado para tocar em todas as rádios, que eles finalmente obtêm a aceitação de todos os públicos, inclusive da crítica. Afinal, retrocedem uma década fazendo um rock mais simplório e abandonando o rumo de evolução do seu estilo pesado e instrumental original idealizado por Terry Knight, justamente a contracultura que já dava seus sinais de cansaço com o início da afetada era "Disco" e então entram em sua curva de decadência como grupo de rock.

Mark, Don e Mel desenvolveram sua música com a experiência e visão de Terry Knight, mas logo depois aprenderiam que uma banda para permanecer tem que manter seu estilo e personalidade marcantes, trajetória exigida para consagrar-se clássico. Com Terry Knight adquiriram estes traços, tornando-se os heróis da contracultura dos anos 1970. Mas sem ele, passaram a apregoar ingenuamente: "nós somos uma banda americana", tal qual Elvis Presley quando deixa seu espírito rebelde ser domado pelo empresário coronel Tom Parker e pela ideologia do exército americano. Apesar disso, o Grand Funk entra de cabeça no ramo mais organizado do show business e faz sua excursão mais bem produzida, com filmes em retroprojeção, canhões de luz, spot-lights compondo a bandeira americana, chuvas de chapéus do tio Sam, puxando o saco como para compensar os anos rebeldes. Nas letras tímidas e também nas entrevistas louvam o sabor rascante do bourbon, o uísque americano.

Mais comerciais e mais americanos, não são mais os jovens contestadores, nem muito menos "três rostos anônimos na multidão", mas agora estrelas do show business e com seu novo empresário, Andy Cavaliere, a estrada de ferro do Grand Funk volta a seus trilhos de ouro e platina, agora com milhões de dólares e de público. E seus críticos, já menos jovens e tanto mais conservadores, agora aplaudem esta fase do grupo e passam a apreciar sua habilidade com o balanço do velho rock que ainda conseguem tirar.

Segundo a Melody Maker, Terry Knight teria comentado no fim das batalhas judiciais que acabaram empatadas para cada lado, condenados a pagar multas equivalentes um ao outro: "eles foram tolos! Poderiam ter sido clássicos, eternos, como Elvis antes do coronel Tom Parker, mas não quiseram, cismaram em ser sérios e importantes homens de negócio, transformando a banda numa empresa, em vez de serem apenas artistas e músicos e aperfeiçoar seu trabalho, por isso puseram tudo que tínhamos a perder." Religioso, o novo líder do Grand Funk, Mark Farner, o fazendeiro rock, agora com cabelos curtinhos estilo anos 1950, rebate, "a nossa base é a fé, nós acreditamos em Deus, que nos sustentou esse tempo todo, e onde vamos sempre nos apoia."

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Foram guiados pelo produtor Terry Knight, o qual foi o responsável pela imagem e o conceito musical da banda.

Discografia[editar | editar código-fonte]

A banda obteve dez álbuns de platina e hits como The Loco-Motion , We're An American Band, entre outros. Seu último álbum foi produzido por Frank Zappa e se chama Good Singin', Good Playin'.

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Avulsos[editar | editar código-fonte]

Ano Título Posição de chart Álbum
US Hot 100
1969 "Mr. Limousine Driver" #97 Grand Funk
1970 "Heartbreaker" #72 On Time
1970 "Nothing is the Same" - Closer To Home
1970 "I'm Your Captain" #22 Closer To Home
1970 "Mean Mistreater" #47 Live Album
1971 "Inside Looking Out" #40 Grand Funk (aka Red Album)
1971 "Feelin' Alright" #54 Survival
1971 "Gimme Shelter" #61 Survival
1971 "People, Let's Stop the War" - E Pluribus Funk
1972 "Footstompin' Music" #29 E Pluribus Funk
1972 "Upsetter" #73 E Pluribus Funk
1972 "Rock & Roll Soul" #29 Phoenix
1973 "We're An American Band" #1 We're An American Band
1973 "Walk Like a Man" #19 We're An American Band
1974 "The Loco-Motion" #1 Shinin' On
1974 "Shinin' On" #11 Shinin' On
1974 "Some Kind of Wonderful" #3 All the Girls in the World Beware!!!
1975 "Bad Time" #4 All the Girls in the World Beware!!!
1975 "Take Me" #53 Born To Die
1976 "Sally" #69 Born to Die
1976 "Can You Do It" #45 Good Singin', Good Playin'
1977 "Just Couldn't Wait" - Good Singin', Good Playin'
1981 "Y.O.U." - Grand Funk Lives
1982 "Stick in the Middle" - Grand Funk Lives
Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Revista "Rock - A História e a Glória" de 1975."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]