Grupo do Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
"O Grupo do Leão", 1885, óleo sobre tela de Columbano Bordalo Pinheiro, 200 cm x 380 cm, Museu do Chiado, Lisboa

O Grupo do Leão foi uma tertúlia de artistas portugueses que se reunia na Cervejaria Leão de Ouro em Lisboa, entre 1881 e 1889. O grupo contava com jovens artistas que viriam a destacar-se como Silva Porto, José Malhoa e os irmãos Rafael e Columbano Bordalo Pinheiro, sendo responsável pela divulgação e pelo sucesso da pintura do Naturalismo em Portugal. Em 1885 o "Grupo do Leão" foi imortalizado num óleo sobre tela com o mesmo nome, da autoria do pintor Columbano Bordalo Pinheiro.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O Grupo do Leão era constituído por artistas que se reuniam na Cervejaria Leão de Ouro em Lisboa, dinamizados pelo pintor Silva Porto, então regressado de Paris e professor na Escola de Belas Artes de Lisboa. Reunindo amigos, admiradores e discípulos, foi responsável pela organização de várias exposições, que contribuíram para o enorme sucesso da pintura do Naturalismo em Portugal.

As oito exposições efectuadas foram marcantes e muito visitadas, tendo inclusive o rei D. Fernando II adquirido obras do grupo, o que era garantia de êxito. A ruptura com o panorama artístico vigente era evidente. Executavam-se pequenas telas com temas do quotidiano, dando particular atenção à vida nos campos, em cenas repletas de luz e com grande liberdade de representação. O grupo tornou-se uma espécie de "vanguarda", considerando-se moderno, como ficou bem claro no nome "Exposição de Quadros Modernos" atribuído a uma das primeiras mostras realizadas. Curiosamente na época viam-se como realistas, mas o Portugal pacato, de brandos costumes, sem a industrialização francesa só poderia estar na origem de obras naturalistas. Em 1885 os membros do grupo propuseram-se decorar a cervejaria, que ia entrar em obras, com o apoio do proprietário, executando pinturas naturalistas propositadamente para o local, contribuindo para a popularização do novo estilo e do estabelecimento. A actividade do grupo manteve-se regular até 1888, ano da realização da última exposição.[2]

Grupo do Leão[editar | editar código-fonte]

Abel Botelho (1854-1917), escritor

Alberto de Oliveira (1861-1922), escritor

António da Silva Porto (1850-1893), pintor

António Ramalho (1859-1916), pintor

Bulhão Pato (1829-1912), poeta

Cipriano Martins (?-1866), pintor

Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), pintor

Emídio de Brito, escritor

Fialho de Almeida (1857-1911), escritor

Henrique Pinto (1853-1912), pintor

João Anastácio Rosa (1812-1884), actor e escultor

João Vaz (1859-1931), pintor

João Ribeiro Cristino da Silva (1858-1948), pintor

José Malhoa (1855-1933), pintor

José Rodrigues Vieira (1856-1898), escultor

Leandro Braga (1839-1897), entalhador

Mariano Pina (1860-1899), escritor

Monteiro Ramalho (1862-1949), escritor

Moura Girão (1840-1916), pintor

Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), caricaturista


"O grupo do Leão" retratado por Columbano Bordalo Pinheiro[editar | editar código-fonte]

"O grupo do Leão" foi imortalizado em 1885 num conhecido óleo sobre tela da autoria do pintor Columbano Bordalo Pinheiro, membro da tertúlia. A pintura de grandes dimensões, medindo 200 cm de altura e 380 cm de largura e pertence actualmente à colecção do Museu do Chiado de Lisboa. Aí estão retratados:

Referências

  1. Turner 1996, p. ?.
  2. Arthur 2009, p. 25.
Bibliografia
  • Turner, Jane Shoaf (1996). The Dictionary of Art. [S.l.]: Grove's Dictionaries, Inc. ISBN 9781884446009 
  • Arthur, Bartholomeu Sesinando Ribeiro (2009). Arte e Artistas Contemporâneos. [S.l.]: BiblioLife,. ISBN 9781103205042 
  • Maria Matilde Tomaz do Couto, Artistas do Grupo do Leão: exposição do centenário, Museu de José Malhoa (Caldas da Rainha, Portugal), 1981
  • João Ribeiro Cristino da Silva, Estética Citadina, edição actualizada da série publicada no Diário de Noticias 1911-1914,Imprensa Libânio da Silva, 1923

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.