Gui Bonsiepe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Georg Hans Max Bonsiepe ou, simplesmente, Gui Bonsiepe (Gluecksburg, Alemanha, 23 de março de 1934) é designer formado pela Hochschule für Gestaltung, de Ulm, onde lecionou até 1968, quando a escola fechou.

Trabalhou no Chile, na Argentina e também no Brasil, onde foi pesquisador do CNPq, e criou o Laboratório Brasileiro de Desenho Industrial, em Florianópolis, Santa Catarina.

Em 1965, influenciado pela visão restritiva da escola de Ulm, propôs uma unificação das atividades ligadas ao design, sob o termo "design visual". Foi uma tentativa de atualizar a profissão, excluindo áreas que eram então consideradas sob a influência de um design mais artesanal e artístico, como ilustração e o ensino da gravura.[1] Atualmente, esse termo não tem, necessariamente, o mesmo sentido.

Bonsiepe é um pioneiro em diferentes campos da teoria do design, entre eles, o uso da retórica na análise da propaganda.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - Teoria e Prática del disegno industrial (Milão) (3a edição 1991), publicado também na Espanha em 1978 e em Portugal em 1991.
  • 1978 - Diseño Industrial, Tecnologia y Dependencia (Mexico)
  • 1983 - A “Tecnologia” da Tecnologia (São Paulo, Brasil).
  • 1993 - Las Siete Columnas del Diseño (Mexico)
  • 1994 - Editor do CD-Rom Info-Design und Projektberichte do Departamento de Design na FH Köln, Universidade Tecnológica de Colônia (Alemanha)
  • 1995 - Dall Ogetto all'Interfaccia (Itália)
  • 1996 - Interface - Design neu begreifen (Alemanha)
  • 1997 - Design - do material ao digital (Florianópolis, Brasil).
  • 2011 - Design, Cultura e Sociedade (Brasil)
  • 2013 - Design como prática de projeto (Brasil)

Referências

  1. BONSIEPE, G. (1965) ‘Education for visual design.’ Looking Closer 3: Classic writings on graphic design. pp. 161-166. New York: Allworth Press. 1999.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]