Hyssopus officinalis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaHyssopus officinalis
Illustration Hyssopus officinalis0.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Hyssopus
Espécie: Hyssopus officinalis

O hissopo (Hyssopus officinalis) é uma planta herbácea nativa de Europa meridional, e o Médio Oriente e a costa do mar Cáspio. Utiliza-se como erva aromática e como medicinal por suas propriedades como antitusivo, expectorante e antiséptico.

Inflorescências
Flores
Ilustração
Vista da planta

Características[editar | editar código-fonte]

O hissopo é um arbusto ou subarbusto vivaz, de uns 30 a 60 cm de altura. O talo lignifica na base, de onde bestradam numerosas ramificações muito rectas, velosas no extremo distal. As folhas são opostas, inteiras, linear a lanceoladas, séssiles ou mal pecípolos, glandulosas, às vezes pubescentes por ambas faces, de cor verde escuro e uns 2 a 2,5 cm de comprido.

No verão produz inflorescências em forma de densas espigas terminais de flores rosadas, azuis ou mais raramente brancas, muito fragantes; dão lugar a um fruto em forma de aquênio oblongo.

História e cultivo[editar | editar código-fonte]

A planta considera-se em uso desde a Antiguidade pre-clássica; o seu nome no Occidente é uma adaptação directa do grego υσσοπος, tomado a sua vez do hebraico esob. O hisopo já aparece nomeado como erva aromática no Tanakh hebraico, e no Evangelho segundo João é a planta na que os legionários que custodiam a cruz de Jesus de Nazaré ensartam a esponja embebida em vinagre que lhe dão de beber.[1]

É uma espécie rústica, que resiste bem as secas e tolera solos tanto argilo-arenosos, como francos e calcáreuos, sempre que conte com boa drenagem. Requer muito sol e clima quente.

Pode reproduzir-se por semente entre meados de outono e começos de primavera, plantando-se primeiro em almácigos e depois transplantando a uns 70 x 60 cm de distância entre plantas, por simples divisão de matos já existentes, ou por estacas; para isto último se separam ramos já lignificadas e com várias gomos pouco antes da floração, se plantando em canteiros bem abonados e húmidos até que produzam raízes. Uma vez desenvolvidas as gemas exteriores podem transplantar a sua localização definitiva.

Colheita[editar | editar código-fonte]

Conquanto toda a planta é intensamente aromática, se colheita preferencialmente em temporada de floração para aproveitar as florescências flóridas; em condições óptimas pode obter-se uma colheita a fins de primavera e outra a inícios do outono.

Uma vez cortados os talos colocam-se a desecar em suspensão ou em capas delgadas sobre material que permita a drenagem, em lugar fresco, seco e bem ventilado, dando voltas ao material várias vezes; é preferível evitar o sol directo para evitar a decoloração e a oxidação dos componentes. Já secas, ao cabo de uns seis dias, se desfolham ou trocem com o talo incluído. O material seco eleva-se a um terço aproximadamente do peso do fresca. Para o seu armazenamento guarda-se em contêiners estancos, podendo guardar-se até 18 meses.

A planta fresca é apreciada sem desecar em gastronomia. Pode também se obter uma essência por destilação da planta fresca ao vapor.

Usos[editar | editar código-fonte]

A planta utiliza-se como melífera em apicultura, produzindo uma excelente mel rica em aroma.

É o ingrediente básico do za'atar no Levante.

As folhas usam-se como condimento aromático; têm um sabor ligeiramente amargo pelos taninos que contêm e um intenso aroma mentolado. Usam-se com moderación pela sua intensidade. Empregam-se também em licores, e são parte da fórmula do Chartreuse.

Como planta medicinal possui propriedades balsámicas, expectorantes e antitusivas graças ao seu conteúdo em marrubina. Contém também tuiona e fenóis], de propriedades antisépticas, ainda que a alta concentração da primeira e seu conteúdo na cetona pinhocanfeno —estimulante do sistema nervoso central— pode provocar reacções epileptizantes em doses elevadas. Usou-se como colírio e colutório.

Tem efeito estimulante da digestão.

Composição[editar | editar código-fonte]

A dose de óleo essencial na planta fresca é de 3 a 9 ‰. Os principais componentes deste são o cineol, o ß-pineno e vários monoterpenos bicíclicos, sobretudo L-pinocanfeno, isopinocanfeno e pinocarvona.

Contém também diosmina,[2] um flavonoide, vários fenolé (ácido cafeico, rosmarínico) e vários ácidos triterpenoides (ursólico e ácido oleanólico), bem como colina.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Hyssopus officinalis foi descrita por Carlos Linneo e publicado em Species Plantarum 2: 569. 1753.[3]

Variedades e Sinonímia

subsp. aristatus (Godr.) Nyman, Consp. Fl. Eur.: 587 (1881). Do oeste e centro do Mediterrâneo.

  • Hyssopus aristatus Godr., Mém. Acad. Stanislas, III, 3: 106 (1850).

subsp. austro-oranensis Maire, Bull. Soc. Hist. Nat. Afrique N. 7: 273 (1882). do Norte de África.

subsp. canescens (DC.) Nyman, Consp. Fl. Eur.: 587 (1881). Do sudoeste do Mediterrâneo.

  • Hyssopus canescens (DC.) Nyman, Consp. Fl. Eur.: 587 (1881), pro syn.
  • Hyssopus cinerascens Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 92 (1868).
  • Hyssopus cinereus Pau, Not. Bot. Fl. Espanha 1: 23 (1888).

subsp. montanus (Jord. & Fourr.) Briq., Lab. Alp. Mar.: 386 (1893). Sur de Europa e da Rússia européia.

  • Hyssopus montanus Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 90 (1868).
  • Hyssopus cretaceus Dubj., Spisok Rast. Gerb. Russk. Fl. Bot. Muz. Imp. Akad. Nauk 5: 51 (1905).

subsp. officinalis. De Europa até Irão.

  • Hyssopus altissimus Mill., Gard. Dict. ed. 8: 3 (1768).
  • Hyssopus ruber Mill., Gard. Dict. ed. 8: 2 (1768).
  • Hyssopus hirsutus Hill, Veg. Syst. 16: 56 (1770).
  • Hyssopus myrtifolius Desf., Tabl. École Bot.: 58 (1804).
  • Hyssopus angustifolius M.bieb., Fl. Taur.-Caucas. 2: 38 (1808).
  • Hyssopus orientalis Adam ex Willd., Enum. Pl.: 599 (1809).
  • Hyssopus caucasicus Spreng. ex Steud., Nomencl. Bot. 1: 423 (1821).
  • Hyssopus schleicheri G.don ex Loudon, Hort. Brit.: 233 (1830).
  • Hyssopus fischeri Steud., Nomencl. Bot., ed. 2, 1: 795 (1840).
  • Hyssopus alopecuroides Fisch. ex Benth. in A.p.de Candolle, Prodr. 12: 252 (1848).
  • Hyssopus decumbens Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 1: 46 (1866).
  • Hyssopus beugesiacus Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 91 (1868).
  • Hyssopus polycladus Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 90 (1868).
  • Hyssopus pubescens Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 91 (1868).
  • Hyssopus recticaulis Jord. & Fourr., Brev. Pl. Nov. 2: 90 (1868).
  • Hyssopus vulgaris Bubani, Fl. Pyren. 1: 408 (1897).
  • Hyssopus judaeorum Sennen, Bol. Soc. Ibér. Ci. Nat. 32: 22 (1933 publ. 1934).
  • Hyssopus torresii Sennen, Bol. Soc. Ibér. Ci. Nat. 32: 23 (1933 publ. 1934).
  • Hyssopus passionis Sennen & Elias, Bol. Soc. Ibér. Ci. Nat. 32: 21 (1934).[4]

Nome comum[editar | editar código-fonte]

  • Portugês: hissopo, hissopo real, hysopo, issopo, issopo hortelã

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. João 19:29:João
  2. Fathiazad, Fatemeh; Hamedeyazdan, Sanaz (novembro de 2011). «A review on Hyssopus officinalis L.: Composition and biological activities» (PDF). African Journal of Pharmacy and Pharmacology. doi:10.5897/AJPP11.527 
  3. «Hyssopus officinalis». Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Consultado em 20 de novembro de 2014 
  4. «Hyssopus officinalis». Royal Botanic Gardens, Kew: World Checklist of Selected Plant Families. Consultado em 12 de abril de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Hyssopus officinalis
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hyssopus officinalis