Iodo (uso médico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Iodo (uso médico)
Alerta sobre risco à saúde
Nome IUPAC Iodo
Identificadores
Número CAS 7553-56-2
Código ATC D08AG
Farmacologia
Classificação legal


? (US)

Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O iodo é utilizado para tratar e prevenir a deficiência de iodo e como um anti-séptico.[1] Para a deficiência de iodo deficiência pode ser ministrado por via oral ou injecção no músculo. Como  anti-séptico, pode ser utilizado em feridas que estão molhadas ou para desinfectar a pele antes da cirurgia.[2]

Efeitos colaterais comuns quando aplicado à pele incluem a irritação e a descoloração. Quando tomado por via oral ou por injeção, efeitos colaterais incluem reações alérgicas, bócio, e disfunção da tiróide. O uso durante a gravidez é recomendado em regiões onde a deficiência é comum, caso contrário,  não é recomendado.[2] O iodo é um elemento químico essencial.[1]

Em 1811, Bernard Courtois isolou o iodo a partir de algas, enquanto que, em 1820, Jean-François Coindet vinculou a ingestão de iodo com o tamanho do bócio.[3] Inicialmente entrou em uso como desinfetante e para prevenção do bócio.[4][5] Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, os medicamentos mais eficazes e seguros necessários em um sistema de saúde.[6] Sal de mesa com iodo, conhecido como sal iodado, está disponível em mais de 110 países.[7] Em áreas com baixa dieta de iodo, uma dose de iodo de um ano no 0.32 USD por dose pode ser recomendada.[8]

Formulações[editar | editar código-fonte]

Formulações contendo iodo utilizadas na medicina incluem:[9]

Referências

  1. a b WHO Model Formulary 2008 (PDF). [S.l.]: World Health Organization. 2009. p. 499. ISBN 9789241547659. Consultado em 8 de janeiro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 13 de dezembro de 2016 
  2. a b «Iodine». The American Society of Health-System Pharmacists. Consultado em 8 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2017 
  3. Leung, AM; Braverman, LE; Pearce, EN (Nov 13, 2012). «History of U.S. iodine fortification and supplementation». Nutrients. 4 (11): 1740–6. PMC 3509517Acessível livremente. PMID 23201844. doi:10.3390/nu4111740. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2014 
  4. Preedy, Victor R.; Burrow, Gerard N.; Watson, Ronald Ross (2009). Comprehensive Handbook of Iodine: Nutritional, Biochemical, Pathological and Therapeutic Aspects (em inglês). [S.l.]: Academic Press. p. 135. ISBN 9780080920863. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2017 
  5. Sneader, Walter (2005). Drug Discovery: A History (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9780471899792. Cópia arquivada em 13/12017  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  6. «WHO Model List of Essential Medicines (19th List)» (PDF). World Health Organization. April 2015. Consultado em 8 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 13 de dezembro de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Watson, Ronald Ross; Gerald, Joe K.; Preedy, Victor R. (2010). Nutrients, Dietary Supplements, and Nutriceuticals: Cost Analysis Versus Clinical Benefits (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 37. ISBN 9781607613084. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2017 
  8. Rosso, Joy Miller Del; Marek, Tonia (1996). Class Action: Improving School Performance in the Developing World Through Better Health and Nutrition (em inglês). [S.l.]: World Bank Publications. p. 21. ISBN 9780821336724. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2017 
  9. The selection and use of essential medicines: Twentieth report of the WHO Expert Committee 2015 (including 19th WHO Model List of Essential Medicines and 5th WHO Model List of Essential Medicines for Children). (PDF). [S.l.: s.n.] 2015. ISBN 9789240694941