Jack and the Beanstalk: The Real Story

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jack and the Beanstalk: The Real Story
ou
Jim Henson's Jack and the Beanstalk: The Real Story
João e o Pé de Feijão
A Verdadeira História de João e o Pé de Feijão (TV a cabo)
 (BR)
 Estados Unidos
2001 •  cor •  180 min 
Direção Brian Henson
Roteiro James V. Hart
Brian Henson
James V. Hart
Brian Henson
Bill Barretta
Gênero Drama
Aventura
Fantasia
Música Rupert Gregson-Williams
Cinematografia John Fenner
Edição Victoria Boydell
Tracy Granger
Companhia(s) produtora(s) Hallmark Entertainment
Jim Henson Company
Jim Henson Productions
Distribuição Columbia Broadcasting System (CBS) (2001) (Estados Unidos) (TV)
Lançamento 2 de dezembro de 2001
Idioma Inglês

Jack and the Beanstalk: The Real Story também conhecido como Jim Henson's Jack and the Beanstalk: The Real Story (João e o Pé de Feijão ou A Verdadeira História de João e o Pé de Feijão (na TV a cabo) (título no Brasil) ) é um telefilme que foi também exibido como minissérie nos Estados Unidos em 2001.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Jack Robinson é um rico CEO de uma grande empresa. Durante todo o passado de sua família, Robinson viveu mais de 40 anos, e Jack continua tendo um sonho sobre seu pai e um gigante com raiva. Ele se esforça muito para se manter saudável com a ajuda de seu mordomo albanês Dussan. O homem que administra seus negócios, Siegfried "Siggy" Mannheim, convence-o a recusar um projeto envolvendo o abastecimento de alimentos alternativos de plantas geneticamente modificadas para alimentar o Terceiro Mundo, e também para construir um complexo de casino em torno de seu ancestral castelo em uma pequena cidade.[1]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Para criar os efeitos especiais e visuais do filme, foi dada a tarefa de ramificação em animação por computador, de composição e pintura fosca, bem como a criação de personagens animatrônicos. "Fazia sentido de usar a The Creature Shop não só do ponto de vista financeiro, mas também para os benefícios de ter todos os que trabalham sob o mesmo teto. O mesmo grupo que concebeu os personagens e efeitos visuais também foram responsáveis ​​pela sua criação, resultando em um sistema unificado, aparência consistente", disse Henson. Com 400 além de tomadas de efeitos, o filme inclui muitos elementos de fantasia, mas Henson descreveu como tendo personagens mais humanos e mais realidade do que muitos de seus outros projetos de fantasia e de ficção científica, que segundo ele foi refrescante.

A fim de criar o pé de feijão gigante, que, no filme, atira-se para fora do chão da floresta e sobe até o céu, houve um uso extensivo de CGI. No entanto, uma parte prática, de 20 metros de altura (6,1 m) foi construído para o ator Matthew Modine subir. The Creature Shop trabalhou com o Supervisor de Efeitos Visuais Julian Parry que também criou um caráter totalmente gerado por computador.

Harmonia é uma estátua semelhante à humana, animada, falando que é parte da harpa dourada (um dos tesouros originais do gigante). Originalmente, Henson e sua equipe pensou em usar uma atriz de live-action, porque Henson queria que o personagem fosse muito realista. No entanto, a decisão foi tomada e foi usado para alcançar tal efeito com animação por computador. "... Se tivéssemos usado uma atriz, ela não se parecia mágica - ela simplesmente parecia ser uma pessoa com tinta dourada abraçando uma harpa", disse Sean Feeney.

Também foram criados vários personagens animatrônicos ... um ganso puppeteered (Galaga) e uma cabeça animatronic para os Cernos gigantes. Todos os gigantes do filme são interpretados por atores e atrizes de tamanho regular compostas para o filme de modo que eles parecem ser muito maior. Seus movimentos foram também abrandados. "Em cada caso, procurou-se utilizar a técnica mais apropriada, se foi através de animatronics, marionetas, próteses, CGI, ou híbridos", disse Feeney.[2][3]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Jack and the Beanstalk: The Real Story». Filmow. Consultado em 20 de março de 2015. 
  2. Nazarro, Joe (2002). Back to the Beanstalk, Starlog Fantasy Worlds (magazine). [S.l.: s.n.] p. 56 - 59 
  3. Moltenbrey, Karen (2002). A Twisted Tale: Artists use digital effects to give a modern-day slant to a classic fairy tale, Computer Graphics World (magazine). [S.l.: s.n.] p. 24 - 27 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]