Jakob Fugger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jacob Fugger)
Ir para: navegação, pesquisa
Jakob Fugger. Pintura de Albrecht Dürer.
Jakob Fugger, com seu principal contador M.Schwartz. Ao fundo aparecem os dossieres das sucursais de seu banco. A obra, de 1517, está no Herzog-Anton-Ulrich-Museum da cidade alemã de Braunschweig

Jakob II Fugger (Augsburgo, 6 de março de 1459 - 30 de dezembro de 1525), conhecido como "o Rico", foi um banqueiro e importante homem de negócios germânico, membro da família Fugger.[1] [2] No auge de sua carreira no século XVI, Jakob Fugger acumulou uma fortuna imensa, de acordo com o poder de compra de hoje cerca de 400 biliões de euros[3] , correspondente a uma parcela significativa da atividade econômica da Europa.[4] Jakob Fugger tinha, no final de sua vida cerca de 2,1 milhões de florins.[5] Ele não foi apenas o primeiro milionário documentado, mas também deixou os super-ricos de hoje nas sombras, continuando a ser portanto “o homem mais rico da história mundial”.[6] A dinastia Fugger ainda existe hoje como uma família nobre na Alemanha.[7]

Filho mais jovem de dez irmãos de Jakob I Fugger (1399-1469), um tecelão recém-chegado na cidade alemã de Augsburgo[8] , foi membro dessa grande família mercantil e de banqueiros, os Fuggers, que dominou os negócios europeus durante os séculos XV e Século XVI. Demonstrou grande capacidade para os negócios e associou a empresa às minas do Tirol, mediante a concessão de empréstimos permanentes ao arquiduque Sigismundo, em troca de fornecimentos de cobre e prata. Comerciante como os seus irmãos, ele aprendeu o método das partidas dobradas no porto de Veneza. Ele era conhecido em toda a Europa e usou parte da sua fortuna para emprestar dinheiro a governantes.

Jakob Fugger também provia exércitos mercenários de recursos monetários. Seus negócios impulsionaram o desenvolvimento do comércio internacional e o surgimento da imprensa. Por meio de seu representante Fernão de Noronha, ele foi o primeiro não-português a investir no Brasil, ainda em 1503. Jakob Fugger também teve destacado papel político: emprestou dinheiro a Casa de Habsburgo para financiar a eleição de Maximiliano I como imperador do Sacro Império.

Jakob Fugger, na administração de sua companhia, reduzia o poder de decisão dos diretores de suas filiais, reservando para si as decisões mais importantes. Fugger adotava o sistema das sucursais, ou seja, sem independência com relação à matriz, onde os seus diretores, sem estabilidade no cargo, recebiam bons salários, podendo aplicar parte de sua remuneração na empresa. Nestas sucursais mais afastadas, Fugger proibia algumas operações, como a venda a crédito.

Os Fugger em Portugal[editar | editar código-fonte]

Os primeiros contactos da família de banqueiros com Portugal deram-se em 1493, quando o rei João II de Portugal solicitou a participação dos Fugger numa expedição ao Catai, viagem que no entanto não se realizaria. Foi sobretudo depois do regresso de Vasco da Gama da Índia, com o primeiro carregamento de especiarias, que surgiu o interesse de Jakob Fugger sobre o comércio português. Assim, depois dos Welsers e outros mercadores alemães obterem vários privilégios em Lisboa, mediante os convénios de 1503-1504 os Fugger instalaram em Lisboa uma feitoria para transacções de especiarias.

Entretanto, o monarca português estabeleceu a sua feitoria em Antuérpia, para o abastecimento de produtos do ultramar, e os Fugger passaram a manter relações com Portugal por essa via. Nos anos seguintes, na sequência da questão das Molucas, deu-se uma quebra das relações directas com Lisboa, que só seriam novamente incentivadas com Anton Fugger, líder da família após a morte de Jakob. O fim da intervenção dos Fugger nos negócios portugueses efectuou-se com os irmãos Philip Eduard e Octavian Secundus, que participaram no contrato de pimenta que, depois de ser quebrado por um dos seus representantes em Lisboa, seria feito, em 1585, entre vários mercadores de Rovelasca e Paris e Filipe II de Espanha (I de Portugal). Poucos anos depois, a condução dos interesses dos Fugger em Lisboa passaria para os seus representantes na cidade de Madrid.[9]

Referências

  1. Livro conta vida de primeiro superbanqueiro da história, folha.uol.com.br, recuperado 5 de junho 2016
  2. Jakob II Fugger, o Rico, dec.ufcg.edu.br, recuperado em 5 de junho 2016
  3. (em alemão) So wurde Fugger zum reichsten Menschen der Geschichte (Assim Fugger era a pessoa mais ricas da história), welt.de, recuperado em 6 de junho 2016
  4. Fugger: Banqueiro de Reis no Século XVI, o homem mais rico que já existiu, fernandonogueiracosta.wordpress.com, recuperado em 5 de junho 2016
  5. (em alemão) So wurde Fugger zum reichsten Menschen der Geschichte (Assim Fugger era a pessoa mais ricas da história), welt.de, recuperado em 6 de junho 2016
  6. Greg Steinmetz, (2015). The Richest Man Who Ever Lived — The Life and Times of Jacob Fugger Simon & Schuster [S.l.] p. 304. ISBN 9781451688559. 
  7. O livro secreto de honras da família Fugger, wdl.org, recuperado em 5 de junho 2016
  8. Augsburg: passado de poder e muito dinheiro, germany.travel, recuperado em 5 de junho 2016
  9. FUGGER - Posted by Leonel Vicente, carreiradaindia.wordpress.com, publicado em 12 de julho 2007

Weblinks[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.