Jararaca-ilhoa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJararaca-ilhoa
Bothrops insularis.jpg
Estado de conservação
Espécie em perigo crítico
Em perigo crítico
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Viperidae
Género: Bothrops
Espécie: B. insularis
Nome binomial
Bothrops insularis
Amaral, 1922

A jararaca-ilhoa (nome científico Bothrops insularis) é uma serpente sui generis, adaptada a vida arborícola ou semi arborícola, o que se reflete em diversos aspectos de sua morfologia e comportamento. Vive exclusivamente na Ilha da Queimada Grande a 35 km do litoral paulista, entre os municípios de Itanhaém e Peruíbe, São Paulo.

Calculava-se existir cerca de três a cinco mil indivíduos na ilha, mas notícias recentes,[1] avaliando por estimativa, declaram haver cerca de 2.000 animais apenas. Técnicos estão microchipando as serpentes para se possa chegar a uma contagem mais precisa. A jararaca-ilhoa não tem concorrentes nem predadores. Pode sobreviver cerca de seis meses sem se alimentar. Alimenta-se normalmente comendo aves e seus ovos, especialmente do atobá-pardo, muito comum na ilha.

Origem[editar | editar código-fonte]

É provável que as serpentes já estivessem ali antes do término da era glacial, na época que o local era um morro continental. Esse fato ocorreu há cerca de dez mil anos, transformando esse morro em uma ilha costeira.[2]. Por volta de 11mil anos atrás, no fim da última Era Glacial, o nível dos oceanos subiu, isolando a ilha do resto do Continente, e prendendo algumas jararacas comuns no local[3]. Isto as forçou a se adaptarem as necessidades e condições de local com tão poucos recursos, levando a surgir uma espécie nova[4].

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Esta cobra mede em média entre meio metro e um metro de comprimento. Por ter o hábito de caça de escalar árvores pra poder atacar suas presas, desenvolveu certas características[5]. Ela é mais pequena e leve que a Jararaca comum, além de ter uma pele mais elástica[6]. A ponta de sua cauda é preênsil (isto é, tem capacidade de se agarrar a coisas)[7]. Seu coração é mais próximo da cabeça do que nas jararacas comuns[8], e suas presas são mais curvadas para trás, o que dá mais firmeza pra prender suas vítimas[9].

Veneno[editar | editar código-fonte]

O veneno da Bothrops insularis é estudado pelo Instituto Butantan[10] mas seu antídoto é pouco fabricado, pois onde vive esta serpente só pesquisadores estão autorizados a ir. É muito poderoso pois, pela sua ação inibidora, a pessoa mordida morre por falência geral orgânica ao fim de duas horas após ser inoculada. A ação rápida e potente deste veneno permite que a serpente se alimente de aves e evita que sua presa escape. O veneno tem efeito mais tóxico para aves do que para mamíferos[11].

Por conta do seu veneno, algumas serpentes são capturadas para prática de comércio ilegal de animais. Mesmo sendo de visitação restrita, existem casos registrados de espécimes que foram retirados da ilha por traficantes, evidentemente sem autorização do órgão competente. Pode-se citar uma reportagem da revista semanal brasileira Isto é, de 24 de setembro de 2003, revelando que foram encontrados à venda alguns exemplares da espécie em um mercado de animais de Amsterdã, nos Países Baixos, e que seriam utilizados em pesquisas científicas, o que não é confirmado pela Interpol.

Sexo[editar | editar código-fonte]

Existem machos e fêmeas, porém as fêmeas possuem uma estrutura análoga ao hemipênis, sem a presença de testículo e de tamanho reduzido e ainda não se sabe de sua funcionalidade. Há uma grande incidência de animais intersexuais.[12]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

A Jararaca-Ilhoa é vivípara, isto é, não bota ovos, mas gesta filhotes de maneira semelhante aos mamíferos, dando à luz, em média, 10 filhotes durante o período quente do ano[13].

Remédios[editar | editar código-fonte]

A patente do remédio Capoten (Captopril), que consiste em alterações moleculares a partir de uma substância isolada do veneno, pertence ao laboratório Bristol-Myers Squibb. O Butantan registrou patente recentemente do Evasin (Endogenous Vasopeptidases Inhibitors).[14]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]