João Barreiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João Barreiros
Género literário Ficção científica

João Manuel Rosado Barreiros (n. 31 de Julho de 1952), também conhecido pelo pseudónimo José de Barros, é um escritor, editor, tradutor e crítico português de ficção científica.

Licenciou-se em Filosofia na Universidade de Lisboa em 1977, e é professor do ensino secundário nessa área desde 1975. A sua experiência na educação levaram-no a escrever uma sátira semi-autobiográfica intitulada "O Teste" em 2000.

Ficção[editar | editar código-fonte]

O seu estilo de escrita, sarcástico e com um característico humor negro, denota algumas influências de Robert Silverberg e James Tiptree, Jr.

Os seus enredos, situados em cenários distópicos, são frequentemente protagonizados por personagens antipáticas que enfrentam a brutalidade do dia-a-dia e acabam punidas em consequência das suas próprias acções. As histórias são ricas em descrições gráficas de violência e rejeitam peremptoriamente os ícones do politicamente correcto, como Walt Disney e a Rua Sésamo, alvos frequentes de escárnio; por exemplo, na sua novela A verdadeira invasão dos marcianos os principais antagonistas foram criados à imagem do Poupas.

Alguns dos seus trabalhos foram traduzidos para inglês, espanhol, francês, italiano e sérvio.

Ganhou por duas vezes o prémio brasileiro Nova, atribuído por fãs ao melhor conto publicado na América do Sul.

Outras actividades[editar | editar código-fonte]

Publicou críticas a filmes e livros em locais como os jornais Público e O Independente, e nas revistas Ler e Os Meus Livros. A dureza das suas críticas tornou-o famoso entre os fãs de ficção científica portugueses, tornando lendária a sua caneta de aparo de titânio.

Durante os anos 1980 e início dos anos 1990, editou duas colecções de ficção científica e fantástico para a Editora Clássica e para a Gradiva. Entres os escritores que deu a conhecer aos leitores portugueses encontram-se Iain M. Banks, William Gibson, Peter Straub, Dan Simmons e A. A. Attanasio. Contudo, os editores opunham-se às suas escolhas pouco ortodoxas e por isso livros como Lord Foul's Bane de Stephen R. Donaldson, Sunglasses After Dark de Nancy A. Collins e The Last Coin de James Blaylock foram traduzidos mas nunca publicados.

Foi também co-fundador da Simetria — Associação Portuguesa de Ficção Científica e Fantástico em 1995 (da qual se afastaria, em 1999), e da Associação Portuguesa do Fantástico nas Artes em 2005.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Duas fábulas tecnocráticas (compilação, 1977)
  • O caçador de brinquedos e outras histórias (compilação, 1994)
  • Terrarium: Um romance em mosaicos (com Luís Filipe Silva, 1996)
  • Disney no céu entre os Dumbos (2001)
  • A verdadeira invasão dos marcianos (2004)
  • A bondade dos estranhos: Projecto Candyman (2008)
  • Se acordar antes de morrer (compilação, 2010)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]