João Guilherme Fischer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Guilherme Fischer
Conhecido(a) por Jango Fischer
Nascimento 9 de setembro de 1876
Santa Maria,RS
Morte 2 de fevereiro de 1952 (75 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira

João Guilherme Fischer, conhecido como Jango Fischer (Santa Maria, 9 de setembro de 1876Rio de Janeiro, 2 de fevereiro de 1952) foi um diplomata e pesquisador brasileiro. Era filho de Guilherme Fischer e Christina Holzbach.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se técnico rural pela Escola de Agricultura e Vitivinicultura de Taquari, em 1894, e engenheiro agrônomo em 1898. Depois formou-se em farmácia e medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Não seguiu nenhuma dessas carreiras, ingressando na diplomacia. Foi vice-cônsul em Cobija, Chile, em 1909; serviu no gabinete do Barão do Rio Branco até 1911; em Paris de 1911 a 1934, e no Itamaraty de 1934 a 1944.[2]

Em 1902 coletou fósseis no Sítio Paleontológico Sanga da Alemoa e os enviou ao professor doutor Hermann von Ihering, então diretor do Museu Paulista, em São Paulo. Eram três corpos vertebrais quase completos, um fragmento de vértebra, um dedo e quatro falanges e uma falange ungueal isolada. O material foi remetido para Arthur Smith Woodward, eminente paleontólogo do Museu Britânico, em Londres, para estudo, que resultou na determinação do primeiro réptil terrestre fóssil da América do Sul, o rincossauro, batizado por Woodward com o nome de Scaphonyx fischeri, em sua homenagem.

Referências

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Livro: Os Fascinantes Caminhos da Paleontologia. Autor: Antônio Isaia. Comentários: Conta as historia dos paleontólogos de Santa Maria e região. 60 páginas. Editora Pallotti.
  • Livro: "Cronologia Histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho." 1787-1933. Vol I. Autor: Romeu Beltrão, Editora Pallotti, 1958.