Joaquim Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Santana (1963).jpg

Joaquim Santana Silva Guimarães (Lobito, 22 de Março de 1936 — ?, 24 de Abril de 1989) foi um futebolista português, que atuou no Sport Lisboa e Benfica na década de 1950 e década de 1960.

Foi um interior-direito de muita técnica e grande visão ,[1] criativo, com a habilidade de marcar golos;[2] além disso, destacava-se nos passes curtos e em profundidade.[3] Devido ao seu físico franzino (172 cm, 68 kg),[4] muitos não acreditavam que podia ser um bom jogador e às vezes os técnicos deixaram-o no banco de reservas.[2]

Depois de jogar no Sport da Catumbela,[1] chegou a Lisboa em 1954 para alinhar na equipa de juniores do Benfica, sendo campeão nacional nessa categoria.[2] Integrou a equipa principal em 1956.[5] Disputou 9 jogos e marcou 4 golos na Taça dos Campeões Europeus 1960-61, inclusive um na final contra o F.C. Barcelona. Na época seguinte, não foi titular na final contra o Real Madrid, porque o treinador Béla Guttmann preferiu escalar o jovem avançado moçambicano Eusébio.[2] Ao serviço do Benfica, Santana conquistou sete campeonatos e duas Taças de Portugal, registando 225 jogos e 93 golos, uma média invulgar para um interior-direito.[2] Deixou o Benfica em 1968[3] para se juntar ao SC Salgueiros.[1]

Referências

  1. a b c «Mística do Benfica nasceu há 40 anos». Jornal Record. 31 de maio de 2001. Consultado em 14 de julho de 2010. 
  2. a b c d e «100 anos: Joaquim Santana». Jornal Record. 25 de agosto de 2003. Consultado em 14 de julho de 2010. 
  3. a b «Avançados». Sport Lisboa e Benfica. Consultado em 14 de julho de 2010. 
  4. «Joaquim Santana». Zerozero.pt. Consultado em 14 de julho de 2010. 
  5. «100 anos: Médios-centro». Jornal Record. 21 de agosto de 2003. Consultado em 14 de julho de 2010. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um futebolista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.