José de Mesquita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José de Mesquita
Nascimento 10 de março de 1892
Cuiabá, Mato Grosso
Morte 22 de junho de 1961 (69 anos)
Cuiabá
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Jurista e escritor
Influências
Magnum opus Espelho de Almas (pdf), 1930
Escola/tradição primeira fase: Parnasianismo; segunda fase: Romantismo

José Barnabé de Mesquita[1][2] (Cuiabá, 10 de março de 1892Cuiabá, 22 de junho de 1961) foi um poeta parnasiano, romancista, contista, ensaísta, historiador, jornalista, genealogista e jurista brasileiro, formado pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1913. Homônimo do seu pai José Barnabé de Mesquita, (18551892), assinava somente José de Mesquita, foi como se tornou mais conhecido.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Poesias: do amor, da natureza; do sonho, da arte,[1] Cuiabá, 1919;
  • Elogio histórico ao Dr. Antônio Corrêa da Costa, Cuiabá, 1921;
  • Os Jesuítas em Mato Grosso, Cuiabá, 1921;
  • O Catolicismo e a Mulher, Cuiabá, 1926;
  • Elogio fúnebre do General Caetano Manoel de Faria e Albuquerque, Cuiabá, 1926;
  • Gente e Coisas d'Antanho - Crimes Célebres[2](ensaio sociológico), Rev. Instituto Histórico de Mato Grosso, ano XVI, tomo VIII, 1926;
  • Terra do Berço[1](poesias), Cuiabá,, 1927;
  • A Cavalhada,[1](contos regionais), Cuiabá, 1928;
  • Um Paladino do Nacionalismo (elogio a José Vieira Couto de Magalhães) Cuiabá, 1929;
  • Semeadoras do Futuro, (discurso paraninfal, às normalistas de Cuiabá), Cuiabá, 1929;
  • Da Epopéia Mato-grossense[1](poesias), Cuiabá, 1930;
  • Corá[3] (conto, 1930);
  • O Taumaturgo do Sertão (biografia do Frei José Maria Macerata), Niterói, 1931;
  • Grandeza e Decadência de Serra Acima[2](ensaio sociológico), Rev. Instituto Histórico de Mato Grosso, n.08 XXV a XXVIII, 1931-1932;
  • Atentado contra a Justiça (tese de direito), Cuiabá, 1932;
  • Espelho de Almas,[1](contos), Premiado pela Academia Brasileira de Letras — Rio de Janeiro 1932;
  • João Poupino Caldas (ensaio biográfico), Cuiabá, 1934;
  • Pela Boa Causa (Conferências, 1934);
  • O Sentido da Literatura Mato-grossense[1](conferência), Niterói, 1937;
  • Piedade,[1](romance), Cuiabá, 1937;
  • Relatório da Administração da Justiça de Mato Grosso, Cuiabá, 1937;
  • As Necrópoles Cuiabanas, Cuiabá, 1937;
  • Manoel Alves Ribeiro[1](ensaio biográfico), Cuiabá, 1938;
  • O Sentimento de Brasilidade na História de Mato Grosso, (discurso de posse) Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, RJ, 1939;
  • De Lívia a Dona Carmo - As mulheres na obra de Machado de Assis[4][5] (tese), 1939;
  • Sorocabanos em Mato Grosso (ensaio genealógico),[6] 1939;
  • Professoras Novas para um Mundo Novo (discurso paraninfal, na solenidade da colação de grau às Professoras, no Liceu Campograndense, Escola Normal Joaquim Murtinho), Campo Grande, 1939;
  • A Chapada Cuiabana (Ensaio de Geografia humana e econômica), 1940);
  • O Exército, fator de brasilidade (discurso),1940;
  • A Academia Mato-grossense de Letras[1](notícia histórica), Cuiabá, 1941;
  • Nos Jardins de São João Bosco[1](discursos acerca da obra dos Salesianos em Mato Grosso), Cuiabá, 1941;
  • Três Poemas da Saudade[1](poemas), Cuiabá, 1943;
  • Bibliografia Mato-grossense em colaboração com o Prof. Firmo Rodrigues e Rubens de Mendonça, Cuiabá, 1944;
  • Escada de Jacó[1][7] (sonetos), Cuiabá, 1945;
  • Roteiro da Felicidade[1](sonetos), Cuiabá, 1946;
  • No Tempo da Cadeirinha[1][8][9] (contos regionais), Curitiba, 1946;
  • Poemas do Guaporé[1](poemas), Cuiabá, 1949; dentre outros.[10]

Participação em congressos[editar | editar código-fonte]

  • Representou o Instituto Histórico de Mato Grosso e o Estado, no 3º Congresso de História Nacional (Rio de Janeiro, 1938);
  • Representou a Academia Mato-Grossense de Letras no 1° Congresso das Academias de Letras (Rio de Janeiro, 1936);
  • Representou a Academia Mato-Grossense de Letras no 2º Congresso das Academias de Letras e de Intelectuais (Rio de Janeiro, 1939);
  • Representou o Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso no 9º Congresso Brasileiro de Geografia, (Florianópolis, 1940);
  • Representou o Tribunal de Justiça de Mato Grosso no 1º Congresso Nacional de Direito Judiciário (Rio de Janeiro, 1936) e, na 1ª Conferência Brasileira de Criminologia (Rio de Janeiro, 1936).

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p Verbetes na Enciclopédia de Literatura Brasileira, Afrânio Coutinho, J. Galante de Souza. São Paulo: Editora Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/DNL: Academia Brasileira de Letras - 2ª edição, 2001.
  2. a b c Referência bibliográfica no livro Casa-Grande & Senzala – Formação da Família Brasileira sob o Regime da Economia Patriarcal, Gilberto Freyre: Ed. José Olympio, RJ, 1933.
  3. Texto no volume X, da coleção Histórias e Paisagens do Brasil, “As Selvas e o Pantanal - Goiás e Mato Grosso”, Ernani da Silva Bruno e Diaulas Riedel. Editora Cultrix, São Paulo - 1ª edição, 1959 e 2ª edição, 1961.
  4. Textos no livro Machado de Assis (estudos e ensaios), Editora F. Briguiet & Cia., Rio de Janeiro: “Federação das Academias de Letras do Brasil”, 1940, pg. 7.
  5. Citação bibliográfica no livro The Brazilian Othello of Machado de Assis: a Study of Dom Casmurro. Edited by Helen Caldwell, University of California Press. 1960 (em português, O Otelo Brasileiro de Machado de Assis: Um estudo de Dom Casmurro), Trad. Fábio Fonseca de Melo. São Paulo. Ateliê Editorial. 2002. pg. 13. Cit. 6.
  6. Texto no livro Anuário Genealógico Brasileiro, Salvador de Moya, Vol. I, 1º Ano, Publicação do Instituto de Estudos Genealógicos, Editora Gráfica da Revista dos Tribunais, São Paulo, 1939, pg. 399.
  7. Textos no livro Antologia Poética Ibero-Americana, Gustavo Pavel Égüez: Associação dos Adidos Culturais Ibero-Americanos: Ministério da Cultura - Brasil, 2006.
  8. Textos no volume VII, da coleção Antologia Ilustrada do Folclore Brasileiro, “Histórias e Lendas de Goiás e Mato Grosso”, Regina Lacerda. São Paulo, Gráfica e Editora EDIGRAF Ltda, São Paulo - 1ª edição, 1960 e 2ª edição, 1963.
  9. Texto no livro Geografia dos Mitos Brasileiros, de Luís Câmara Cascudo. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1983.
  10. Verbete no livro Who's Who in Latin America (em português, Quem é Quem na América Latina), Part VI, Brazil, pg. 158, Edited by Ronald Hilton, Stanford University Press, 1945, 3rd Edition.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]