Juliette Adam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2010). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Juliette Adam
Nascimento 4 de outubro de 1836
Verberie
Morte 23 de agosto de 1936 (99 anos)
Callian
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise
Cidadania França
Cônjuge Edmond Adam
Ocupação escritora, salonnière, romancista, memorialista, ensaísta, poetisa
Religião Catolicismo
Assinatura
Adam signature.png

Juliette Adam (Verberie, 4 de outubro de 1836 – Callian, 23 de agosto de 1936) foi uma escritora francesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juliette Lambert, de nascimento, casou-se em segundas núpcias, com o político Edmond Adam (1816-1877). A partir de 1860 dedicou-se à literatura e em 1868 a sua casa tornou-se um foco de republicanismo. Por ser defensora do republicanismo ela ficou conhecida por "La Grande Française".

Em 1879 fundou a Nouvelle revue, onde estrearam vultos das letras como Guy de Maupassant, Octave Mirbeau, Pierre Loti, Paul Bourget, Léon Daudet e Paul Valéry. Ao seu romance Païnne (1863), irreligioso e sensual, viria a opor Chrétienne (1913), onde revela a sua conversão ao catolicismo.

Escreveu ainda: Récits d´une Paysanne (1852), Le Voyage autour du Grand-Pin (1863) e Dans les Alpes (1867), entre outras obras. Publicou La Patrie Portugaise (1896), dedicada "À juventude portuguesa", e um álbum Commémoratif, sob os auspícios da rainha D. Amélia de Portugal, dedicado a Vasco da Gama (1898).

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.