Carru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Karoo)
Paisagem da Reserva Natural de Anysberg, município de Kannaland, Província do Cabo Ocidental, África-do-Sul
Mapa do Carru, grande e pequeno; em relação à Grande Escarpa e montanhas do Cabo

Carru[1] (Karoo) é uma região semi-desértica da África do Sul. Contém duas sub-regiões - o Grande Carru e o Pequeno Carru.

Não existe definição exata do que constitui o Carru, portanto a sua extensão também não é definida com precisão. O Carru[2] define-se em termos gerais pela sua topografia, geologia e clima e, acima de tudo pelo escasso grau de pluviosidade, ar árido, céu aberto e amplitude térmica muito elevada. O Carru abrigou um ecossistema preservado há centenas de milhões de anos atrás, que é evidenciado através de numerosos fósseis[3] encontrados nesta vasta região.

O ǃ'Aukarob formou uma barreira quase impenetrável para o interior da Cidade do Cabo, e os primeiros aventureiros, exploradores, caçadores e viajantes a caminho do Highveld descreveram-no por unanimidade como um local extremo e assustador de grande calor, grandes geadas, grandes inundações, e grandes secas. Hoje, ainda é um lugar de grande calor e geadas, e uma precipitação anual entre 50 e 250 mm, embora nalgumas montanhas essa possa ser 250 a 500 mm mais alta do que nas planícies. No entanto, a água subterrânea é encontrada em todo o Carru e pode ser explorada por furos, possibilitando povoamento permanente e a criação de gado ovino.

A vegetação xerófita consiste em aloés, mesembryanthemums, crassulas eufórbios stapelias e Efémeras do deserto, espaçados 50 cm ou mais,[4] e tornando-se muito escassa indo para o norte em direção à Bushmanland e, a partir daí, para o Deserto do Kalahari. A região mais seca do Carru, contudo, é o canto sudoeste, entre a Grande Escarpa e as cordilheiras do Cederberg| Cederberg-Skurweberg, área chamada Tankwa Karoo, que recebe apenas 75 mm de pluviosidade anual média. O Carru oriental e nordeste é frequentemente coberto por grandes áreas de pastagem. Essa é vegetação típica do Carru usada para manter caça de grande porte, às vezes em vastos rebanhos.[5]

Flora do Carru[editar | editar código-fonte]

Dois biomas Carrus separados e independentes
Flora do Karoo: Reserva Natural de Goegap, Springbok
Primavera na Namaqualândia

Dois biomas, ou regiões botânicas da África do Sul, usam o nome Carru: o Carru Suculento a oeste da linha verde, e o Nama Carru ao leste. O Grande Carru e o Pequeno Carru estão quase inteiramente dentro de dois dos oito biomas botânicos da África do Sul,[6] nomeadamente o bioma do Carru Suculento e o Bioma do Nama Carru, ambos dos quais, compreendem o Sistema Geológico Carru, são mais extensos do que o Carru geográfico ou histórico descrito no Atlas e guias de turismo da África do Sul (compare o mapa à direita com o mapa no início do artigo).[7]

Bioma do Carru Suculento[editar | editar código-fonte]

O bioma do Carru Suculento corre ao longo da costa oeste, aproximadamente de Lamberts Bay rumo ao norte até mais de 200 km no sul da Namíbia. Carru Suculento começa no sul, ao norte da região geográfica do Sandveld, cerca de 250 km ao norte da Cidade do Cabo, e continua ao longo da Namaqualândia, Richtersveld, imediatamente ao sul do rio Orange e até a região de Namaqualândia ou Namalândia, no sul da Namíbia. Nenhuma dessas regiões é chamada geográfica ou localmente como "Carru". Contudo, possui uma grande extensão para o interior das regiões do Tankwa Karoo e regiões de Moordenaarskaroo do Carru Inferior e região adjacente ao Carru Superior do Grande Carru geográfico. Também ocorre ao sul, em partes do vale do rio Breede, como o Robertson Karoo. A partir daqui, continua para o leste na metade ocidental do Pequeno Carru.

O bioma do Carru Suculento é dominado por plantas anãs, arbustos com folhas suculentas e plantas anuais, predominantemente conhecidas como Asteraceae, e popularmente conhecidas como Margaridas da Namaqualândia, que exibem flores espetaculares cobrindo vastas extensões da paisagem no início da primavera (Agosto-Setembro) após as chuvas do inverno. As gramíneas são incomuns, tornando a maior parte do bioma inadequada para pastagem. As baixas chuvas, de facto desencorajam a maioria das formas de agricultura. Uma exceção é a próspera indústria de avestruz no Pequeno Carru, que depende muito da alimentação suplementar com lucerne.

A diferença entre o Carru Suculento e o bioma de Nama Carru, é que o primeiro é muito escasso em chuva que cai como chuva ciclónica no inverno, que tem menos poder erosivo do que as tempestades de verão pouco frequentes, mas violentas, do Nama Carru. A geada também é menos comum no bioma Carru Suculento do que no bioma de Nama Carru. O número de espécies de plantas, principalmente suculentas; é único e alto para uma área árida daquele tamanho em qualquer parte do mundo.

Grande Carru[editar | editar código-fonte]

É uma região com mais de 400 000 Km2. O único limite nítido e definido do Grande Carru é formado pelas regiões mais interiores das montanhas conhecidas como Cape Fold, ao sul e sudoeste. A extensão do Carru ao norte é vaga, dissipando-se gradual e quase imperceptivelmente na mais árida região de Bushmanland na direção do noroeste. Ao norte e nordeste, desaparece nas savanas e pastagens de Griqualand West e no Highveld.[2][8] The boundary to the east grades into the grasslands of the Eastern Midlands.[9]

Pequeno Carru[editar | editar código-fonte]

Como o nome implica, é a menor (e mais meridional) das duas sub-regiões do Carru. Os limites do Pequeno Carru (Klein Karoo/Pequeno Carru) são nitidamente definidos por cadeias de montanhas a oeste, norte e sul. A estrada entre Uniondale e Willowmore é convencionalmente usada para delimitar a extremidade oriental arbitrária aproximada do Pequeno Carru. O seu tamanho é muito menor que o do Grande Carru.[2] Geralmente é referido como Klein Karoo, o nome em Afrikaans para Pequeno Carru.

O Carru na literatura[editar | editar código-fonte]

O poeta Thomas Hardy escreveu sobre o Carru no poema de 1899 "Drummer Hodge" (ou "The Dead Drummer").[10]

Rudyard Kipling, no seu poema de 1901 "Bridge-Guard in the Karroo", evocou a solidão experimentada pelos soldados da “blockhouse” soldados na estação-quartel de Ketting no Rio Dwyka River enquanto protegia o caminho-de-ferro do Carru, uma linha salva-vidas durante a Guerra da África do Sul.[11]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2022 
  2. a b c Atlas of Southern Africa. (1984). p. 13, 98–106, 114–119. Reader’s Digest Association, Cape Town
  3. Rubidge, Bruce; Day, Mike. «Why South Africa's Karoo is a palaeontological wonderland». The Conversation (em inglês). Consultado em 21 de março de 2021 
  4. A Nova Enciclopédia Britannica . Micropaedia, vol. 6. (2007). p. 750. Encyclopædia Britannica Inc., Chicago.
  5. Conolly, D. (1992). "Guia do Conolly para a África Austral". (5ª Ed.) Pp. 106-117. Editora Conolly, Scottburgh.
  6. Biomas of South Africa . [1] Arquivado 2013-05-25 no Wayback Machine Acessado em 13 de maio de 2014
  7. The Times Comprehensive Atlas do mundo. (1999) p. 90. Times Books Group, Londres.
  8. Norman, N., Whitfield, G. (2006) Geological Journeys. p. 206-223, 243–247, 252–273, 300–311. Struik Publishers, Cape Town.
  9. Grassland biome. «Archived copy». Consultado em 2 de maio de 2014. Arquivado do original em 18 de outubro de 2014 
  10. Thomas Hardy (1899). «O baterista morto» 
  11. Mary Hamer. «"Guarda-ponte no Karroo": Notas». Consultado em 22 de abril de 2012  O poema foi publicado pela primeira vez no The Times de 5 Junho de 1901.
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.