Kyrios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Kyrios ou kurios (em grego clássico: κύριος; romaniz.: kū́rios) é uma palavra grega geralmente traduzida como "senhor" ou "mestre". [1] É usado na tradução da Septuaginta das escrituras hebraicas cerca de 7.000 vezes, [2] em particular traduzindo o nome de Deus YHWH (o tetragrama),[3] e aparece no Novo Testamento grego Koiné cerca de 740 vezes, geralmente referindo-se a Jesus.[4][5] [6][7]

Grécia Clássica[editar | editar código-fonte]

Na Atenas clássica, a palavra kyrios se referia ao chefe da família,[8] que era responsável por sua esposa, filhos e quaisquer parentes solteiros. Era responsabilidade do kyrios arranjar os casamentos de suas parentes mulheres,[9] fornecer seus dotes, representá-los em tribunal, se necessário,[10] e lidar com quaisquer transações econômicas em que estivessem envolvidos valendo mais do que um medimnos de cevada.[11] Quando uma mulher ateniense se casou, seu marido se tornou seu novo kyrios.[12] A existência do sistema de kurioi em outras partes da Grécia antiga é debatida, e as evidências não são claras, mas Cartledge argumentou que em Esparta os kurioi existiam, embora em Gortyn pareçam não ter existido.[13]

O termo "κύριος" ainda é usado na língua grega moderna e é equivalente ao termo português "mestre" (título conferido a um homem adulto, alguém que tem controle sobre algo ou alguém) e "senhor" (um endereço para qualquer homem). Por exemplo, o termo "Sr. Smith" é traduzido como " κύριος Σμίθ "(kyrios Smith) em grego.

Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

Kyrios aparece cerca de 700 vezes no Novo Testamento, geralmente referindo-se a Jesus.[14] O uso de kyrios no Novo Testamento tem sido objeto de debate entre os estudiosos modernos, e existem três escolas de pensamento sobre o assunto. A primeira escola é aquela baseada no uso da Septuaginta, a designação tem como objetivo atribuir a Jesus os atributos do Deus do Antigo Testamento. O raciocínio aqui é que na época em que a Septuaginta foi escrita, ao lerem em voz alta os judeus pronunciavam Adonai, a palavra hebraica para "Senhor", quando encontraram o nome de Deus, "YHWH", que foi assim traduzido para o grego do século III a.C. em diante em cada instância como kyrios e theos.[15] Além disso, os primeiros cristãos, a maioria dos quais falava grego, deveriam estar profundamente familiarizados com a Septuaginta. A segunda escola é que, à medida que a Igreja primitiva se expandiu, as influências helenísticas resultaram no uso do termo. A terceira é que é uma tradução do título aramaico Mari aplicado a Jesus.[16] No aramaico cotidiano, Mari era uma forma muito respeitosa de tratamento educado, muito acima de "professor" e semelhante ao rabino. Em grego, isso às vezes foi traduzido como kyrios. Embora o termo Mari expressasse o relacionamento entre Jesus e seus discípulos durante sua vida, os cristãos acabaram interpretando o kyrios grego como uma representação do senhorio sobre o mundo.[17]

O Evangelho de João raramente usa kyrios para se referir a Jesus durante seu ministério, mas o faz após a Ressurreição, embora o kyrie vocativo (significando senhor) apareça com frequência.[18] O Evangelho de Marcos nunca aplica o termo kyrios como uma referência direta a Jesus, ao contrário de Paulo, que o usa 163 vezes. Quando Marcos usa kyrios (por exemplo, em 1,3; 11.9; 12,11, etc.) é em referência a YHWH/Deus. Marcos, entretanto, usa a palavra em passagens onde não está claro se ela se aplica a Deus ou Jesus, por exemplo, em 5,19 ou 11,3.[19]

Kyrios é um elemento-chave da cristologia do apóstolo Paulo. A maioria dos estudiosos concorda que o uso de kyrios, e portanto o senhorio de Jesus, é anterior às epístolas paulinas, mas que São Paulo expandiu e elaborou esse tópico.[20] Mais do que qualquer outro título, kyrios definia a relação entre Jesus e aqueles que acreditavam nele como Cristo: Jesus era seu Senhor e Mestre que deveria ser servido de todo o coração e que um dia julgaria suas ações ao longo de suas vidas.[21]

O título kyrios para Jesus é central para o desenvolvimento da cristologia do Novo Testamento, pois os primeiros cristãos o colocaram no centro de seu entendimento e a partir desse centro tentaram compreender as outras questões relacionadas aos mistérios cristãos.[22]

kyrios também é essencial no desenvolvimento da Trindade, bem como da Pneumatologia do Novo Testamento (o estudo do Espírito Santo). 2 Coríntios 3,17-18 diz:

Agora o Senhor é o Espírito, e onde o Espírito do Senhor está, há liberdade. 18 E todos nós, com rosto descoberto, contemplando a glória do Senhor, [e] somos transformados na mesma imagem, de um grau de glória para outro. Pois isso vem do Senhor que é o Espírito. [23]

A frase "O Senhor é o Espírito" no versículo 17 é Ὁ δὲ Κύριος τὸ Πνεῦμά ( Ho dé Kū́rios tó Pneûmá). No versículo 18 é Κυρίου Πνεύματος (Kūríou Pneúmatos).

Em alguns casos, ao ler a Bíblia Hebraica, os judeus substituíam Adonai (meu Senhor) pelo Tetragrama e também podem ter substituído Kurios ao ler para um público grego. Orígenes refere-se a ambas as práticas em seu comentário sobre os Salmos (2,2). A prática foi devido ao desejo de não abusar do nome de Deus. Exemplos disso podem ser vistos em Philo.[24]

Referências

  1. κύριος. Liddell, Henry George; Scott, Robert; A Greek–English Lexicon no Perseus Project.
  2. [1]
  3. [2]
  4. The Christology of the New Testament by Oscar Cullmann 1959 ISBN 0-664-24351-7 pages 234-237
  5. The Bauer lexicon, 1979 edition
  6. Philip Schaff. «LORD». New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge, Vol. VII: Liutprand - Moralities. p. 21 
  7. Archibald Thomas Robertson. «10». Word Pictures in the New Testament - Romans. [S.l.: s.n.] 
  8. Schaps, D.M. (1998). «What Was Free about a Free Athenian Woman?». Transactions of the American Philological Society. 128: 164 
  9. Pomeroy, Sarah B. (1994). Goddesses, whores, wives and slaves : women in classical antiquity. London: Pimlico. ISBN 9780712660549 
  10. Goldhill, Simon. «Representing Democracy: Women at the Great Dionysia». In: Osborne; Hornblower. Ritual, Finance, Politics: Athenian Democratic Accounts Presented to David Lewis. Oxford: Clarendon Press 
  11. Foxhall, Lin (1989). «Household, Gender, and Property in Classical Athens». The Classical Quarterly. 39: 22–44. doi:10.1017/S0009838800040465 
  12. Pomeroy, Sarah B. (1994). Goddesses, whores, wives and slaves : women in classical antiquity. London: Pimlico. ISBN 9780712660549 
  13. Cartledge, Paul (1981). «Spartan Wives: Liberation or License?». The Classical Quarterly. 31: 100. doi:10.1017/S0009838800021091 
  14. Eugene E. Carpenter; Philip Wesley Comfort (2000). Holman Treasury of Key Bible Words: 200 Greek and 200 Hebrew Words Defined and Explained. [S.l.]: B&H Publishing Group. 326 páginas. ISBN 9780805493528 
  15. George Howard. "The Tetragram and the New Testament", included in The Anchor Bible Dictionary, Volume 6, Edited by David Noel Freedman Anchor Bible: New York. 1992 ISBN 978-0385261906
  16. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9 pages 520-525
  17. The Christology of the New Testament by Oscar Cullmann 1959 ISBN 0-664-24351-7 page 202
  18. The theology of the Gospel of John by Dwight Moody Smith 1995 ISBN 0-521-35776-4 page 89
  19. The Gospel to the Romans: the setting and rhetoric of Mark's Gospel by Brian J. Incigneri 2003 ISBN 90-04-13108-6 pages 168-169
  20. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9ISBN 0-86554-373-9 pages 520-525
  21. II Corinthians: a commentary by Frank J. Matera 2003 ISBN 0-664-22117-3 pages 11-13
  22. Christology: Biblical And Historical by Mini S. Johnson, 2005 ISBN 81-8324-007-0 pages 229-235
  23. 2 Corinthians 3 (ESV)
  24. Encountering the manuscripts: an introduction to New Testament paleography by Philip Comfort 2005 ISBN 0-8054-3145-4 page 209