Línguas da Guiné-Bissau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para as línguas faladas na Guiné Equatorial, veja Línguas da Guiné Equatorial.

O português é a única língua oficial da Guiné-Bissau, que é o idioma usado pela administração do país desde os tempos que a Guiné-Bissau era colônia portuguesa. A Guiné-Bissau é um membro de pleno direito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Em 1983, 44% dos guineenses falavam o crioulo da Guiné-Bissau, um crioulo de base portuguesa, 11% falava a língua portuguesa e o restante, várias línguas africanas.[1] Atualmente,[quando?] estimativas apontam que cerca de 15% dos guineenses falam português[1][2][3] (porém, não existem pesquisas mais recentes sobre esse assunto) e o crioulo que é a língua franca da Guiné-Bissau é falado por cerca de 70% da população total do país.[4]

Língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Português da Guiné-Bissau
A Assembleia Nacional com escrita em língua portuguesa.

A presença da língua português no país ainda não está consolidada, devido apenas uma pequena parcela da população guineense ter o português como língua materna e menos de 15% tem um domínio aceitável do português. A zona lusófona do país corresponde ao espaço geográfico conhecido como "a praça", que representa à zona central e comercial da capital, Bissau.[1]

Devido ao fato de ser a língua oficial da Guiné-Bissau, o português é a língua de ensino nas escolas. É também o idioma da produção literária, da imprensa escrita, da legislação e administração. Deparamo-nos, então, com este paradoxo: tudo está escrito na língua portuguesa, porém uma parte esmagadora da população não domina a língua. As crianças guineenses são alfabetizadas numa língua que não escutam, nem em casa nem na rua, no país praticamente só é possível se comunicar em português com a elite política e intelectual.

A situação se agrava ainda mais devido ao fato da Guiné-Bissau ser um país encravado entre países francófonos e com uma grande comunidade imigrante oriunda do Senegal e da Guiné (também conhecida como Guiné-Conacri). Devido a abertura à integração sub-regional e da grande participação dos imigrantes francófonos no comércio, existe atualmente uma grande tendência de as pessoas utilizarem e aprenderem mais a língua francesa do que o português. Existem fontes que defendem que, atualmente, o francês já é a segunda língua mais falada no país, depois do crioulo.[1]

Eleitores com cartazes escritos em Kriol para a campanha das eleições legislativas da Guiné-Bissau em 2008, na Região de Biombo.

Crioulo da Guiné-Bissau[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Crioulo da Guiné-Bissau

O crioulo da Guiné-Bissau, também conhecido por guineense ou kriol é a língua nacional da Guiné-Bissau, ela é uma língua crioulo de base portuguesa. Este crioulo teve um papel importante na formação da identidade nacional. É a língua veicular e de unidade nacional, não possui estatuto oficial, ela coabita, numa situação de triglossia ou de diglossias sobrepostas, com o português, o idioma oficial, e as mais de duas dezenas de línguas africanas nígero-congolesas que constituem as línguas maternas da grande maioria da população do país.[5] O crioulo da Guiné-Bissau possui dois dialetos, o de Bissau e o de Cacheu, no norte do país.[1] Cerca de 160 mil pessoas falam o crioulo como primeira língua na Guiné-Bissau e mais 600 mil como segunda língua.

Línguas africanas[editar | editar código-fonte]

Algumas das línguas africanas mais faladas na Guiné-Bissau são o crioulo, o manjaco, o fula, o mandinga, o balanta, o papel e o mancanha.[6]

Nome[7] Local onde é falada[7] Nome alternativo[7]
Badjara Curva Nordeste do país Badyara, Badian, Badyaranke, Pajade, Pajadinca, Pajadinka, Gola e Bigola
Bainouk – Gunyuño Sul do rio Casamansa Banyum, Banyun, Bagnoun, Banhum, Bainuk, Banyung, Elomay e Elunay
Balanta No país Balanta-Kentohe, Balant, Balante, Balanda, Ballante, Bellante, Bulanda, Brassa, Alante e Frase. Dialetos: Fora, Kantohe (Kentohe, Queutohe), Naga e Mane
Basari Nordeste do país Onian, Ayan, Biyan, Wo e Bassari
Bayot Noroeste do país Bayote, Baiot e Bayotte
Biafada Sul Central, Norte de Nalu Beafada, Bafar, Bidyola, Bedfola, Dfola e Fada
Bidyogo Roxa e Ilhas Bijagós Bijago, Bijogo, Bijougot, Budjago, Bugago e Bijuga
Ejamat No país Ediamat, Fulup, Feloup, Felup, Felupe, Floup e Flup
Kasanga Sobrevive perto de Felupe, a Noroeste, numa área de fronteira escassamente povoada Cassanga, Kassanga, I-Hadja e Haal
Kobiana No país
Mandinga (mandinka) Centro-Norte, Centro e Nordeste Mandinka, Mandingue, Mandingo, Mandinque e Manding
Manjaco Metade falam o dialeto central, 25% falam dialetos que são inerentemente inteligíveis com o primeiro Mandjaque, Manjaca, Manjaco, Manjiak, Mandyak, Manjaku, Manjack, Ndyak, Mendyako e Kanyop. Dialetos: Bok (Babok, Sarar, Teixeira Pinto e Tsaam), Likes-Utsia (Baraa e Kalkus), Cur (Churu), Lund, Yu (Pecixe, Siis e Pulhilh)
Mancanha (Mankanya) No país Mankanha, Mancanha, Mancangne, Mancang e Bola. Dialetos: Burama (Bulama, Buram e Brame), e Shadal (Sadar)
Mansoanka No país Mansoanca, Maswanka, Sua, Kunant e Kunante
Nalu Sudoeste, perto da costa Nalou
Papel (ou pepel) No país Papel, Papei, Moium e Oium
Fula (pulaar) Centro Norte e Nordeste do país Fulfulde-Pulaar, Pulaar Fulfulde, Peul e Peulh. Dialetos: Fulacunda (Fulakunda, Fulkunda, Fula Preto e Fula Forro)
Soninke No país Sarakole e Marka. Dialetos: Azer (Adjer, Aser, Ajer, Masiin e Taghdansh)

Língua francesa[editar | editar código-fonte]

O francês é a principal língua estrangeira da Guiné-Bissau, sendo que atualmente já é ensinado nas escolas, o país é cercado por nações de língua francesa (Senegal e Guiné), além de ser membro da Francofonia.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «A língua portuguesa: Guiné-Bissau». Consultado em 11 de março de 2015 
  2. «Quantos falantes de português existem?». Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  3. «Português na África». Info Escola. Consultado em 2 de março de 2018 
  4. «A língua os nomes na Guiné-Bissau». Ciberduvidas da língua portuguesa. Consultado em 22 de julho de 2015 
  5. «O CRIOULO DA GUINÉ-BISSAU : LÍNGUA NACIONAL E FACTOR DE IDENTIDADE NACIONAL». Consultado em 11 de março de 2015 
  6. «Governo da Guiné-Bissau - O País». www.gov.gw. Consultado em 6 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 17 de agosto de 2016 
  7. a b c «LÍNGUAS DA GUINÉ-BISSAU». Consultado em 11 de março de 2015 
  8. «WELCOME TO THE INTERNATIONAL ORGANISATION OF LA FRANCOPHONIE'S OFFICIAL WEBSITE» (em inglês). Francophonie.org. Consultado em 11 de março de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]