Línguas fino-úgricas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As línguas fino-úgricas
Línguas principais
Húngaro (13,6 milhões)
Finlandês (5,2 milhões)
Estoniano (1,1 milhões)
Línguas sami (ca. 25 000 falantes)
Carélio (ca. 35 000)
Mordoviano (ca. 800 000)
Mari (ca. 400 000)
Udmurte (ca. 500 000)
Língua komi-permyak (ca. 116 000)
Países
 Estónia
 Finlândia
 Suécia
 Noruega
 Hungria
 Roménia
 Rússia
Cazaquistão
 Letônia
Falantes
ca. 25 milhões

As línguas fino-úgricas ou fino-ugrianas são um grupo de línguas faladas por cerca de 25 milhões de pessoas, em áreas limitadas, desde a Finlândia, a Lapónia e a Hungria até à Sibéria oriental. Formam uma sub-família das línguas uralianas. Ao contrário da maioria das línguas faladas na Europa, o grupo fino-úgrico não integra a grande família das línguas indo-europeias . Alguns linguistas usam os termos "fino-úgrico" e "uraliano" como sinônimos.[1]

As principais línguas fino-úgricas são o húngaro (13,6 milhões de falantes[2] ), o finlandês (5,2 milhões[3] ) e o estoniano (1,1 milhões[4] ), todas elas com estatuto de língua nacional.
Outras línguas menores do grupo são as línguas sami (ca. 25 000 falantes), o carélio (ca. 35 000), o mordoviano (ca. 800 000), o mari (ca. 400 000), a língua komi-permyak (ca. 116 000) e o udmurte (ca. 500 000).[1]

Origem[editar | editar código-fonte]

Embora o local de surgimento das línguas fino-úgricas não possa ser apontado com certeza, costuma-se presumir que sua origem seja o centro e o norte do território correspondente à atual Rússia a oeste dos montes Urais, possivelmente em torno do terceiro milênio a.C.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Todas as línguas fino-úgricas compartilham características estruturais e um vocabulário básico de cerca de 200 palavras. São, em sua maioria, línguas aglutinantes, com inflexões dadas por meio do acréscimo de sufixos (em vez de preposições, como em português) e com coordenação sintática de sufixos. Ademais, não possuem gênero gramatical.

Tais línguas costumam expressar o conceito de posse não com pronomes possessivos, mas por meio de declinações ou de sufixos.

Referências

  1. a b Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «finsk-ugriska språk». Bonniers uppslagsbok (em sueco) (Estocolmo: Albert Bonniers Förlag). p. 258. ISBN 91-0-011462-6. 
  2. Ethnologue report for language code:hun
  3. Ethnologue report for language code:fin
  4. Ethnologue report for language code:est
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.