Leonardo Sakamoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Leonardo Sakamoto
Sakamoto em fevereiro de 2016.
Nome completo Leonardo Moretti Sakamoto
Nascimento 11 de abril de 1977 (41 anos)
São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade de São Paulo (Jornalismo, 1998)
Ocupação Jornalista, professor
Prêmios Hero Acting to End Modern Slavery Award, Departamento de Estado dos Estados Unidos (2017); Prêmio Comunique-se - Categoria Blog (2016); Prêmio Gabriel Garcia Márquez de Jornalismo - Categoria Imagem (membro da equipe vencedora, 2016); Prêmio Cidadão Paulistano - Categoria Comunicação (2015); Prêmio Direitos Humanos na categoria Comunicação e Direitos Humanos (2015); Prêmio Faz Diferença - Categoria Economia (diretor da organização vencedora, 2014); Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2013); Jornalista Amigo da Criança (2012); Prêmio Santos Dias de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo (2012); Prêmio Trip Transformadores (2011); Prêmio João Canuto (2010); Freedom Awards (2008); Prêmio Combate ao Trabalho Escravo (2007); Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (2003).
Página oficial
blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br

Leonardo Moretti Sakamoto[1] é um jornalista brasileiro. Além da graduação em jornalismo, possui mestrado (2003) e doutorado em ciência política (2007) pela USP. Cobriu conflitos armados e o desrespeito aos direitos humanos em Timor Leste (1998), Angola (1999) e no Paquistão (2007) e retratou problemas sociais em reportagens realizadas por todo o país. Diretor da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo,[2] é conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão, em Genebra[3]. Foi visiting scholar do Departamento de Ciência Política da New School for Social Research, em Nova Iorque (2015-2016)[4]. Sakamoto é ainda professor de jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e escreve diariamente sobre política e direitos humanos em seu blog no portal UOL.

Livros: Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI (2006); Pequenos Contos Para Começar o Dia (2012); Repórter Brasil - 10 anos de estrada de terra em 17 grandes reportagens (org) (2012); O que Aprendi Sendo Xingado na Internet (2016).[5]

Em 2017, Leonardo Sakamoto recebeu o prêmio Hero Acting to End Modern Slavery Award, do Departamento de Estado dos Estados Unidos, por sua luta contra a escravidão contemporânea[6]. Em 2016, foi indicado ao prêmio Repórteres sem Fronteiras pela Liberdade de Imprensa, por conta de sua cobertura diária das violações aos direitos humanos e das ameaças e agressões que sofreu em decorrência de seu trabalho.[7]

Fake News e Ameaça de Morte[editar | editar código-fonte]

Surgiram na internet diversas fake news, por meio das redes sociais: Leonardo Sakamoto seria dono das agências Lupa e Aos Fatos, e por isto estaria com uma parceria com empresas de redes sociais, para censurar pessoas e grupos. Em função disso, o jornalista foi ameaçado de morte. [8]


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Leonardo Sakamoto
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.