Leonie Rysanek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Leopoldine Leonie Rysanek (14 de Novembro de 1926 - 7 de Março de 1998) foi uma soprano dramática austríaca.

Leonie Rysanek nasceu em Viena e fez sua estréia operística em 1949 em Innsbruck. Em 1951 foi o ano em que o Festival de Bayreuth reabriu sob o comando de Wieland Wagner, ele estava convicto de que ela tinha uma voz jovem, única e bonita, combinado com suas raras habilidades de atuação fariam ter uma sensação única na ópera, então ela cantou o papel de Sieglinde no Festival de Bayreuth sob a regência de Herbert von Karajan. Sua estréia no Metropolitan Opera acondeceu em 1959 como Lady Macbeth da ópera Macbeth de Giuseppe Verdi, substituíndo Maria Callas. Sua última performance no Metropolitan Opera aconteceu em Janeiro de 1996 na ópera Queen of Spades. Sua última performance foi no Festival de Salzburgo em Agosto de 1996, como Klytämnestra de Elektra. Em sua carreira no Met, ela cantou duzentas e noventa e nove performances em vinte e quatro papéis diferentes. Foi elá que estrelou as estréias de Macbeth, Nabucco, Ariadne auf Naxos, Die Frau ohne Schatten e Katya Kabanova do Met.

Ela foi apontada como curadora do Festival de Viena poucos meses depois de seu retiramento dos palcos, um posto que ela ocupou até o dia de sua morte, em Viena, aos setenta e um anos de idade (ela foi diagnosticada com câncer durant sua última performance no Met).

Voz e Repertório[editar | editar código-fonte]

A voz de Leonie Rysanek foi de uma soprano dramática e spinto, dependendo de seu papel. Sua voz foi uma das mais gloriosas vozes do século XX. Sua segurança e permanencia em tessituras altas de óperas de Strauss é lendária. No fim de sua carreira também cantava obras para mezzo-sopranos. Rysanek fez fama cantando óperas de Strauss e Wagner.

Gravações[editar | editar código-fonte]

As gravações de Reining foram: como Arabella (Salzburgo, 1947, Karl Böhm). Daphne (Viena, 1944, Böhm), Ariadne (Viena, 1944, Böhm), Eva (Viena, 1937, Toscanini), Marschallin (Salzburgo, 1949, George Szell; Salzburgo, 1953, Clemens Krauss; Viena, 1954, Erich Kleiber; Veina, 1955, Knappertsbusch).

Gravações oficialmente publicadas[editar | editar código-fonte]

Outras Gravações[editar | editar código-fonte]

Em muitos papéis Rysanek, era praticamente insuperável - e nunca foram gravadas ou publicadas oficialmente. Incluêm-se: